Iron Maiden publica no Twitter vídeo em que mineiro é levantado com sua cadeira de rodas e 'surfa'

Momento aconteceu durante show dos ingleses em BH. Douglas Paccini revela encontro marcante

por Daniel Seabra 10/04/2016 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Fotos: Arquivo Pessoal
(foto: Fotos: Arquivo Pessoal)
Ficar frente a frente com um ídolo. Esse é o grande sonho de quase todo fã do mundo, e foi o que aconteceu com o servidor público Douglas Paccini, de 40 anos. Mas a experiência foi ainda mais marcante, pois não foi de uma forma qualquer. Seu ‘encontro’ se deu de uma maneira um tanto quanto inusitada. Durante o show da banda inglesa Iron Maiden na Esplanada do Mineirão, em Belo Horizonte, em 19 de março, ele, que é cadeirante, foi suspenso com sua cadeira de rodas e literalmente ‘surfou’ sobre as cabeças dos fãs da banda, que estavam em frente ao palco.


O fato foi tão fora do comum que causou uma grande surpresa no próprio vocalista da banda, Bruce Dickinson. “Surfando em uma cadeira de rodas, eu nunca vi nada igual antes. Você fez o meu ano”, disse o cantor, visivelmente emocionado, no final da música Wasted Years, que encerrou a apresentação dos ingleses na capital mineira. “É meio que surreal. Os caras que você sempre curtiu, os maiores do metal. Era o Iron... Sem palavras... Quase levantei e saí correndo”, brincou Douglas, relatando a emoção que sentiu no momento.

 

 

 

O fato ficou tão marcado na apresentação que a banda publicou o vídeo do momento em seu perfil oficial no Twitter. Mas esse não foi o primeiro ‘surfe’ de Douglas em shows de rock. Em 2013, na apresentação de outra banda inglesa, o Black Sabbath, também na Esplanada do Mineirão, ele foi levantado pelo público e recebeu uma ‘chuva’ de palhetas vindas do palco. “Tenho uma do Geezer (Butler, baixista)”, disse. Na ocasião, o guitarrista Tony Iommi e o vocalista Ozzy Osrbourne também se surpreenderam com o fato.

Dois anos depois, na apresentação dos alemães do Accept, no Festival Monsters of Rock, em São Paulo, mais uma vez o rockeiro foi erguido pelas pessoas. “Foi muito bom. São momentos meio mágicos. Conheci muitas pessoas graças a isso”, frisou.

Acidente Douglas perdeu os movimentos das pernas em 1990, quando ainda tinha 15 anos, depois de um acidente com uma mobilete. “Recebi a notícia sentado (risos). Quase caí de costas. Mas a vida da gente têm notícias boas e ruins. Paciência”, frisou o servidor, que encara a dificuldade com bom humor. Fã de heavy metal, “desde que eu me lembre”, o servidor gosta de várias bandas do estilo.

Mas a Donzela de Ferro tem lugar especial. “Iron Maiden me ensinou que música, quando é boa, não tem estilos, não tem barreiras. Gosto de muita coisa, mas Iron Maiden is my religion!”, relatou, citando uma parte da música que estava sendo tocada no momento em que foi erguido. “Depois de tudo que passei, vivo em anos dourados, exatamente como nas palavras da música.”

Douglas, que é de Alfenas, no Sul de Minas, lembrou que a ideia de ‘surfar’ no show surgiu na viagem para a capital mineira. “Já tinha em mente. Falei durante a ida para Belo Horizonte. Era a chance que eu tinha, ainda mais que era a última música do show e a letra é meio que no sentido de resiliência. Bati para o gol aos 45min do tempo e mandei no ângulo! Golaço!!! E, claro, nem tenho palavras para agradecer a todos que fizeram força ali na hora... Meus amigos Gê e Toxa, e mais um monte de gente... Valeu, galera!”

O servidor público parece mesmo que não está disposto a deixar que sua limitação ‘enquadre’ sua via. Em dezembro de 2014, ele realizou um salto de paraquedas. “Foi uma das coisas mais bacanas que já fiz na vida. Quem puder ir, que o vá. Sempre com a camisa do Iron Maiden, claro!”, brincou. E, perguntado se fará novamente o ‘surfe’ em um show de rock, não titubeou: “Claro que sim!!!”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA