Show do Iron Maiden hipnotiza 20 mil na Esplanada do Mineirão

Com espetáculo teatral e sonoro, veteranos do Heavy Metal arrancam vários coros do público e mostram que ainda têm muito fôlego

por Luiz Fernando Motta 19/03/2016 22:02

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Leandro Couri/EM/D.A PRESS
(foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS )
 
Em tempos em que a sociedade brasileira se mostra dividida em decorrência do cenário político, é bonito ver 20 mil pessoas cantarem em uníssono: "We're blood brothers". Antes de cantar o hit do disco Brave New World, de 16 anos atrás, Bruce Dickinson olhou para as dezenas de bandeiras diferentes que balançavam entre o público na Esplanada do Mineirão e disse: "Há inúmeras bandeiras, de diferentes países aqui. Só quero dizer uma coisa: somos todos irmãos de sangue". O Iron Maiden mostrou o poder e o peso da música na noite deste sábado, na Esplanada do Mineirão.

A banda hipnotizou o público com as músicas do novo disco The book of souls e mostrou que ainda tem energia de sobra para desfilar os grandes hits acumulados ao longo de 41 anos de carreira. E mesmo com todo esse tempo de estrada, os integrantes ainda se emocionam com algumas situações. Na reta final do show, Dickinson parou e assistiu ao público saudar a banda. "Olê, olê, olê, olê, Maiden, Maiden", grito que se repetiu antes, durante e após as duas horas de show do sexteto britânico.
Leandro Couri/EM/D.A PRESS
Público lota esplanada pouco antes do show (foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS )

Um espetáculo teatral, visual e auditivo, seis anos depois de se apresentarem pela primeira vez na capital mineira. Com quinze minutos de atraso, a banda subiu ao palco. Bruce foi o último a aparecer, mas já chega em meio às tochas de fogo montadas e solta a voz, tirando qualquer dúvida sobre sua condição vocal, devido à superação de um câncer na língua. A estrutura de palco é surpreendente e o vocalista corre e escala todas as partes dos muros inspirados nas ruínas da civilização maia.
Leandro Couri/EM/D.A PRESS
(foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS )

As duas primeiras músicas foram do último disco: If Eternity Should Fail e Speed of Light. O público da pista premium começou tímido mas foi se soltando. Os fãs da pista comum deixam os braços erguidos o tempo todo e se animam mais.
Leandro Couri/EM/D.A PRESS
(foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS )

Com um equipamento de 12 toneladas, o Maiden constrói uma parede sonora impecável. Em The Red and the Black, os quatro responsáveis pelas cordas na banda se enfileiram na frente do palco e soltam todo o peso sobre o público da esplanada.
Leandro Couri/EM/D.A PRESS
(foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS )

Mesmo com o sucesso do último disco, que foi líder de vendas no Reino Unido e outros 23 países, é notável que o público ainda se empolga mais com os antigos clássicos colecionados ao longo de 41 anos de carreira. O primeiro momento de catarse coletiva é no clássico The Trooper. O riff destruidor faz o público se soltar de vez. De arrepiar. Em Powerslave, Bruce veste uma máscara de lutador de Lucha libre e puxa a roda de "mosh" entre o público.
Leandro Couri/EM/D.A PRESS
(foto: Leandro Couri/EM/D.A PRESS )

Na faixa-título do álbum, The book of souls, o mascote Eddie aparece pela primeira vez. Essa é uma canção síntese do show. Hipnotizante em seus 10 minutos, desde a introdução onde os compositores Janick Gers e Steve Harris dão um show, até a repetição do riff inicial nos últimos suspiros da música.

Quem assistiu ao show dessa turnê dos britânicos teve a oportunidade de ver Hallowed be thy name no setlist, música que deixou de ser apresentada por um bom tempo. Dickinson demonstra toda sua teatralidade, ao simular um enforcamento e ao usar a corda para acertar os pratos da bateria de Nicko McBrain.

Na reta final do show, não teve quem não participasse do coro no hit Fear of the dark. "Hell and fire" no palco para a banda enlouquecer a esplanada com Number of the beast. Até as centenas de pessoas que tentavam acompanhar o show do lado de fora do Mineirão devem ter sentido o calor das chamas no palco.

A saideira foi com outro clássico, Wasted Years, com a banda se despedindo e deixando a impressão que ainda há muito público e fôlego para uma terceira passagem por Belo Horizonte.

Setlist:

If Eternity Should Fail
Speed of Light
Children of the Damned
Tears of a Clown
The Red and the Black
The Trooper
Powerslave
Death or Glory
The Book of Souls
Hallowed Be Thy Name
Fear of the Dark
Iron Maiden

Bis:
The Number of the Beast
Blood Brothers
Wasted Years

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA