Naná Vasconcelos: corpo do mestre é sepultado em Santo Amaro

Enterro contou com parentes, amigos e nações de maracatu

por Diário de Pernambuco 10/03/2016 11:51

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Karina Morais/Diário de Pernambuco
Naná Vasconcelos foi agraciado com o título de doutor honoris causa em 2015 (foto: Karina Morais/Diário de Pernambuco)
Os tambores, ao menos aqui na Terra, silenciaram. O músico Naná Vasconcelos, falecido aos 71 anos, foi sepultado na manhã desta quinta-feira, 10, no Cemitério de Santo Amaro, bairro central do Recife. A despedida ao mestre foi similar à sua vida, com muita música, poesia e festa Desde o início da manhã, vários fãs e nações de maracatu já se aglomeravam no cemitério para prestar a última homenagem ao percussionista. Estavam presentes os maracatus Sol Nascente, Encanto do Pina, Nação Tigre e Raízes de Pai Adão. No momento do enterro, a emoção tomou conta do local. Os presentes aplaudiram Naná ao rirmo de maracatu. E assim, a música pernambucana se despediu de um de seus maiores expoentes. O Maestro Forró, que participou do sepultamento afirmou: "É impossível a despedida de uma pessoa como Naná ser comandada pela tristeza. Quem comanda é a alegria, a musicalidade". Naná Vasconcelos faleceu na manhã desta quarta-feira, 9, devido a complicações de um câncer de pulmão. O músico tratava a doença desde 2015, quando chegou a se submeter a sessões de quimioterapia. Ele estava internado desde a semana passada, quando teria passado mal após show em Salvador (BA). Cortejo O corpo foi velado até as 10h desta quinta na Assembleia Legislativa. Lá, artistas como Otto, Lira, Cristina Amaral e Belo Xis homenagearam o músico. Houve ainda celebração ecumênica com Pai Raminho de Oxossi. O corpo então seguiu em cortejo até o cemitério de Santo Amaro, saudado pelas nações de maracatu. O poeta Israel Batista recitou poema intitulado Louvor a Naná. Enquanto isso, o grupo de batuque entoou música que diz: "Você partiu para outro lugar. Eu sei que um dia vou te encontrar". Mais cedo, o músico e amigo pessoal Otto falou: "Naná é nosso mestre. Sempre nos iluminou e a partir de agora vai iluminar mais ainda. Era um homem que sempre amou Pernambuco. A perda é grande". Trajetória Aos 12 anos Naná já tocava profissionalmente em bares e clubes noturnos (onde lhe exigiam até autorização judicial), ao lado do pai, aprendeu a tocar sozinho, usando os penicos e as panelas de casa, ainda na infância. Não frequentou aulas de música, não ingressou na faculdade. Em entrevista concedida ao Viver, ele afirmou: "Quando você aprende teoria musical por livros, precisa sempre consultar os textos. Quando você aprende com o corpo, é como andar de bicicleta. Seu corpo se lembra." Consagrado com oito prêmios Grammy, o percussionista costumava quebrar protocolos e substituía, sempre que permitido nas cerimônias, os discursos por apresentações musicais. Em dezembro de 2015, Naná recebeu título de doutor honoris causa pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). Autodidata, nunca frequentou escola de música, nem se graduou, mas logo se firmou como um dos mais respeitados instrumentistas do país, tendo colaborado com nomes como Egberto Gismonti, Pat Metheny, além de ter produzido o primeiro álbum do Cordel do Fogo Encantado.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA