Músicos da Blues Etílicos se apresentam neste sábado, 12, em Belo Horizonte

Baixista Cláudio Bedran e baterista Pedro Stresser estão entre as atrações do VIII BH Soul Blues Festival; dupla tocará com guitarristas consagrados da cena mineira

por Daniel Seabra 09/03/2016 15:16

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Guarim de Lorena/Divulgação
Baixista Cláudio Bedran e baterista Pedro Stresser (foto: Guarim de Lorena/Divulgação)
Quem é músico, ou pelo menos acompanha música há algum tempo, sabe o que é a cozinha de uma banda. Trata-se da parte que fica lá trás, ou seja, o baixista e o baterista. E é justamente de lá que vem o tempero para deixar as músicas mais saborosas. É o que prometem Cláudio Bedran e Pedro Stresser. Eles são, respectivamente, baixista e baterista do Blues Etílicos, considerado o grande nome do estilo no Brasil, em atividade há mais de 30 anos, e que estarão em Belo Horizonte, como parte do VIII BH Soul Blues Festival, que ocorre no sábado, 12, no Stonehenge Rock Bar.

Juntos, eles forma a chamada cozinha etílica. “Segundas e terças, normalmente são dias de descanso do Blues Etílicos. Tocamos mais de quinta a domingo. Daí pintou a ideia de aproveitarmos o início de semana pra levar som com nossos amigos de fora da banda”, explica Bedran. No início, a “banda” se apresentava no Bar do B, no Bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro. “Mas um amigo de longa data e fã de blues e rock, o Leonardo Botto, montou o Botto Bar na Tijuca, em 2013. Daí me chamou pra transferirmos nossa casa para lá. O fato de lá terem sempre 20 dos melhores chopes do mundo, além de três donos muito gente boa ‘comprou’ nosso passe, claro!”.

Cláudio e Pedro irão tocar com dois guitarristas já consagrados na cena do blues mineiro, Auder Júnior, da Audergang, e Affonsinho. “O Auder já tocou com a Cozinha no Rio, é um grande músico. Vai ser uma sonzeira e tanto, com certeza” garantiu Bedran. Ele ainda fez questão de ressaltar que tudo vai ser na base do improviso. “É rigorosamente proibido ensaiar, no máximo combinar a lista é passar uma ou outra antes da jam. Uma coisa que tem que existir no blues é espontaneidade. Ou você fala a linguagem ou não, mas se ensaiar demais vira ‘cover de blues’.”

E como sempre acontece, o BH Soul Blues Festival presta uma homenagem a um dos grandes da música no estilo. E o lembrado da vez é Sonny Boy Williamson, conhecido com o ‘Rei da gaita’. Ele desenvolveu uma técnica única para a gaita de boca e a levou para os cantos mais distantes do planeta, onde o blues jamais havia chegado.

Arilza Moraes/Divulgação
Haverá o lançamento do EP 'The city at night', da banda Shello & Lobo Blues Band (foto: Arilza Moraes/Divulgação)
Sonny Boy influenciou grandes nomes do blues, como Little Walter, Paul Butterfield, Howlin' Wolf, Little Milton, Little Sonny Willis e vários outros. No tributo, se apresentam Hilmara Fernades e Bruno Marques (Mojo), além de Alexandre da Mata e Cinara Motta (Black Dogs), Samir Chammas (Bendito Blues), Osmar Souza (Audergang), Luiz Camponez e Manu Andrade (Orango Blues), Marcus Marangon (Little trouble) e o baterista Luís Moreira.

Além disso, haverá o lançamento do EP The city at night, da banda Shello & Lobo Blues Band. “O BH Soul Blues Festival é talvez o maior festival da cidade, e o público realmente está interessado na música. Assim como costuma ser o público do Stonehenge. Por isso quis fazer o lançamento neste evento”, disse o vocalista Shello Silveira. “O EP foi gravado ao vivo em sistema analógico, com exceção de vocais e teclados, que foram adicionados posteriormente. Contém três faixas de minha autoria, que é uma prévia do álbum a ser lançado ainda nesse ano. Eu considero esse álbum como uma síntese do meu trabalho de 25 anos como músico, compositor e arranjador”, adiantou.

O músico adianta o que está em seu EP e que estará no seu disco. “O que considero blues de raiz é o country blues, tocado com violão e instrumentos acústicos. Meu som, no geral, é um misto de blues e rhythm and blues de várias vertentes, que incluem o chamado blues de raiz (Chicago, New Orleans, Mississipi, Texas e California Blues...). Não caracterizo como blues rock ou rock, apesar de tocarmos alguma coisa de Jimi Hendrix e Chuck Berry em algumas apresentações, e nosso som ser no geral para cima e dançante”, frisou.

VIII BH Soul Blues Festival
Lançamento do EP The city at noght, da Shello & Lobo Blues Band. Shows com Cozinha Etílica com Auder Júnior e Affonsinho e tributo a Sonny Boy Wiliamson. Sábado, 12, às 21h30, no Stonehenge Rock Bar (Rua Tupis, 1.448, Barro Preto). Entrada a R$ 20. (31) 3271-3476

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA