Rock e descontração no Papo de segunda com Leo Jaime e a banda Pato Fu

Programa do GNT com os mineiros foi gravado na orla da Lagoa da Pampulha

por Luiz Fernando Motta 15/02/2016 08:27

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
John Ulhoa (E), Fernanda Takai, Leo Jaime, Ricardo Koktus e Glauco Mendes na Pampulha cantam 'Biquíni de bolinha amarelinha' para o quadro Canja do Leo (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press )
Direto à conversa e ao rock’n’roll. É dessa forma que o músico e apresentador Leo Jaime recebe a banda mineira Pato Fu para uma “canja” sob o sol quente de uma tarde na Lagoa da Pampulha. O encontro da turma, gravado no gramado do Centro de Referência Turística – ao lado da Casa do Baile – vai ao ar hoje, às 22h, no programa Papo de segunda – verão, do canal GNT.


Assim que os integrantes chegam ao espaço, a interação de bastidores é bem parecida com a que costuma ir ao ar no quadro musical. O apresentador solicita ao convidado tocar uma música com a cara do verão. “Sugerimos Biquíni de bolinha amarelinha porque somos muito fãs da Blitz”, diz a vocalista Fernanda Takai, se referindo à versão da música gravada na década de 1980 e bem familiar a Leo Jaime. A canção ficou famosa no Brasil na década de 1960 com o cantor Ronnie Cord e se consagrou na interpretação, em português, de Celly Campello. Quase 20 anos depois, voltou às paradas de sucesso com a banda de Evandro Mesquita e Fernanda Abreu. “Foram nas origens do rock e escolheram uma música que é a cara do verão”, diz o apresentador.


Mesmo nos bastidores, Leo não pensa em economizar assunto e deixa o papo fluir, explorando a vertente roqueira dos mineiros. “Se eu for voltar a compor, vai ser uma coisa mais rock’n’roll. Tem uma coisa diferente quando se escuta um Nirvana, Deep Purple, algo mais punch. Estou nessa”, diz o apresentador aos mineiros, enquanto se lembra dos shows do último Rock in Rio. A ideia ganha incentivo imediato de John Ulhoa. “Quando você está em cima do palco, tem vontade de fazer o quê? Às vezes, dá vontade de quebrar tudo”, diz o guitarrista. “Pode ser bacana ser contemplativo, lento, suave, mas, em alguns momentos, dá vontade de fazer barulho. Mas parece que isso virou falta de educação”, completa Leo, que se aventurou no gênero na banda João Penca e Seus Miquinhos Amestrados e durante sua carreira solo.

Logo depois, os músicos pegam os instrumentos para um ensaio rápido, o único antes da gravação. John toca uma pequena guitarra que funciona desplugada. Fernanda Takai e Leo Jaime pegam kazoos – instrumentos de sopro que parecem ser de brinquedo. Ricardo Koctus fica por conta do violão e Glauco Mendes, da bateria. Durante a curta passagem, eles conversam e prezam pela espontaneidade no momento da performance. Leo diz que essa é a ideia primordial do projeto: reunir-se com os amigos e tocar enquanto se diverte. “Em inglês, a palavra ‘tocar’ é traduzida como ‘play’, que também é usada lá como o verbo ‘brincar’. Não tem que sair um som perfeito. Tem que ser autêntico”, diz o apresentador.

BRECHA Leo Jaime passou por várias capitais do Brasil durante as gravações do quadro para a edição especial do programa Papo de segunda. Cada um dos nove programas exibe uma canja diferente, gravada também no Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. “Queremos mostrar diversos sotaques e vários ângulos do verão. Como o progama é noturno, queremos abrir uma brecha para o sol no quadro Canja do Leo”, explica o apresentador.


Além do Pato Fu, Leo Jaime também gravou com o Skank, na casa do vocalista Samuel Rosa, em Belo Horizonte. No bate-bola, os integrantes da banda falaram sobre verões em Belo Horizonte e os hábitos dos mineiros na estação calorenta entre as montanhas. O programa com o Skank vai ao ar no dia 29 deste mês. Nos outros programas, foram exibidas as participações de Simoninha, Pedro Luís, Margareth Menezes, Emanuelle Araújo, Evandro Mesquita, Sidney Magal e Mariana Aydar.


Assim como nesta edição especial do Papo da segunda, que conta com a participação das meninas do Saia justa, parece que ser bom de papo foi um dos principais fatores levados em conta para a escolha do time de convidados. No programa que vai ao ar na TV não há muita conversa, mas Leo faz questão de disponibilizar uma versão estendida do papo nas redes sociais. “Já tínhamos um quadro musical tradicional no programa, o Operários do amor. Agora, com a Canja do Leo, estamos fazendo gravações mais longas, mas, mesmo assim, não é possível passar tudo na TV, então parte vai para a internet”, explica Leo.

 

Papo de Segunda Verão
Hoje, às 22h
Canal GNT
www.gnt.globo.com/programas/papo-de-segunda

NOVIDADE NO MULTISHOW

 

Há 10 anos, Didi Wagner deixou a MTV para assinar com o Multishow. E, para comemorar a parceria bem-sucedida, a apresentadora volta ao ar em breve com uma nova temporada do programa de viagens Lugar incomum e estreia o inédito A pergunta que não quer calar, em 11 de abril. No novo programa, que misturará esquetes de humor com talk show, Didi divide a bancada com Paulinho Serra, Bento Ribeiro, Murilo Gun e Bruna Louise. “Não sou humorista, sou apresentadora de televisão, mas tenho senso de humor. Acho que, por isso, a dinâmica com eles funciona”, diz a loira.

Didi conta que o humor é o que une os cinco apresentadores, que têm perfis bem distintos. Quando fica como única mulher da bancada, assume a função de defender o lado feminino. “Quando começa uma discussão mais erótica, tento trazer o ponto de vista mais feminino.” Mas diz que, com a chegada da colega Bruna Louise, a representação feminina ganhou bom reforço. “Fico com a função da “CDF” da turma. Quando eles começam a se perder, eu os lembro do caminho que estávamos seguindo e retomo o assunto da conversa. Sou a chatinha do programa”, explica em meio a risadas.

Lugar incomum, que começa nova temporada, já tem programas gravados. “Fizemos Provence e Riviera Francesa. Foram várias cidades, então será uma temporada dinâmica. Cada episódio terá muitas dicas. Foi ótimo gravar lá, a França tem um charme inegável”, adianta. Didi, filha de francesa, conta que as gravaçôes misturaram elementos da cultura tradicional da região e elementos pitorescos.  “Visitamos, por exemplo, Grasse – a cidade dos perfumes, e o castelo onde viveu o (escritor) Marques de Sade.”
Há 10 anos trabalhando com os mesmo chefes, a apresentadora se diz satisfeita com a parceria com o Multishow e com a relação, que chama de “harmônica e frutífera”. “A troca é muito boa”, completa.  (Estadão Conteúdo)

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA