Rico Dalasam volta à capital mineira com seu rap libertário

Festival @bsurda anima o Granfinos nesta sexta. Além de Rico, shows com djs Supololo, Glico, Fab e Ed

por Bossuet Alvim 22/01/2016 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Subir ao palco em BH não é novidade para Rico Dalasam. Ao contrário, a experiência do rapper com o público da cidade foi tão intensa em um ano de carreira que ele já consegue identificar as favoritas de seu repertório na capital mineira. “As pessoas sempre pedem para cantar Riquíssima e Dalasam”, diz. Ambas têm presença garantida no show que ele faz hoje, no Granfinos, para uma audiência bem familiarizada com seu primeiro trabalho de estúdio, o EP Modo diverso (2015). “Sem dúvida, é um dos melhores públicos que tenho”, comemora.
Henrique Grandi/divulgação
(foto: Henrique Grandi/divulgação)
Na última passagem de Rico por BH (no Festival de Arte Negra, em novembro), ele previu que um de seus primeiros encontros com os fãs em 2016 ocorreria em Minas Gerais. “Sou muito bem recebido todas as vezes que me apresento aí. É um lugar de grandes e memoráveis artistas. Milton Nascimento é um referencial, tanto artístico quanto de representatividade”, ele ressalta.


O rapper, que versa sobre homossexualidade e as demandas do movimento negro, é atração principal no primeiro dia do festival @bsurda, que segue amanhã com show do paraense Jaloo. A similaridade dos dois fica por conta da ousadia de romper com limites de estilos e rótulos estéticos.

 

 

“Não me sinto pertencente ao rap ou a qualquer outro gênero musical. Esse não pertencimento me deixa livre para transitar por todos os estilos e firmar parcerias”, afirma Dalasam, que já dividiu o palco com Gaby Amarantos em BH e, recentemente, apresentou-se em São Paulo ao lado de Thiago Pethit.

 

JALOO Enquanto Rico faz rap sem medo de flertar com o que vier à cabeça, Jaloo nem sequer se apega a definições de gênero. O nordestino, que se identifica como uma pessoa não binária (nem masculino nem feminino), canta em inglês sobre batidas eletrônicas dançantes, mas sem fugir de sonoridades como o brega do Pará e das notas etéreas da bass music. Tanta pluralidade foi reunida em seu álbum de estreia, #1 (2015), que ganha lançamento oficial em BH amanhã.

 

 

FESTIVAL @BSURDA
Hoje – Às 22h: Rico Dalasam e DJs Supololo, Glico, Fab e Ed.
Amanhã – Às 22h: Jaloo, Djalma Não Entende de Política e DJs Alfredo Francis, Fab e Ed.
>> Granfinos, Av. Brasil, 326, Santa Efigênia. Ingressos: de R$ 20 (promocional/dia, esgotado para sábado) a R$ 80 (passaporte para os dois dias). Informações: www.sympla.com.br.



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA