Disco inédito de Marku Ribas é lançado em noite de homenagem

Júlia Ribas, Marcelo Veronez, Pedro Morais e outros interpretam as canções registradas no álbum gravado por Marku três meses antes de morrer

por Carolina Braga 17/12/2015 09:37

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Carlos França
Marku Ribas gravou Samba três meses antes de morrer, aos 66 anos, em 2013 (foto: Carlos França)
Fazer exatamente igual ao que Marku Ribas faria todos sabem que é impossível. “Era uma pessoa muito complexa. Tinha várias ideias, vários projetos, era muito sensível. Igualzinho a gente sabe que infelizmente não podemos, mas a gente tenta”, diz a filha e também artista Lira Ribas. Ela e a irmã Júlia Ribas se juntam a vários artistas para o lançamento de + Samba, CD gravado por Marku três meses antes de morrer.

O repertório tem sambas até então inéditos assinados pelo mineiro. “Foi uma correria porque ele estava se sentindo pronto para gravar e ir embora. Ele avisou que qualquer coisa que acontecesse era para levar o projeto adiante”, lembra Júlia. O disco teve a produção musical de Lucas Telles e Brasilino com direção musical de Barral Lima.

“É um samba em que Marku canta as próprias origens. Não se parece com nada, é realmente muito dele”, afirma Barral. Para o produtor, está claro uma maneira muito própria que ele tinha de compor e também de intepretar. “É um disco que mostra como o é o samba do Marku. Existe chorinho, violão de sete cordas, uma coisa de raiz. Tem uma levada que ninguém faz igual”, elogia Lima.

No show de lançamento a banda será formada Lucas Telles (violão e direção musical, Lucas Ladeia (cavaquinho), Abel Borges (percussão), Digão Nargel (percussão) e Leonardo Brasilino (trombone). Júlia Ribas interpreta seis canções do pai. Para ela, + Samba retrata a realidade de uma vivência musical. “A marca dele foi ter vivido tudo o que quis”, constata a filha mais velha, que subirá ao palco grávida de seis meses da primeira filha, Rute.

Julia conta ter aprendido com o pai a cantar aquilo que acredita. Escolheu interpretar em homenagem a Marku as canções Alerta geral, 500 anos, Cabana e calor, Samba sim e Samba pra Lira (com Cristiano Cunha). Todas as outras participações são de artistas com quem Marku tinha alguma relação afetiva. “O Marco Antônio morreu mas o Marku Ribas está vivo e precisa de algumas pessoas, que somos nós, para levar isso adiante. Entra nosso jeito, nossa cara”, completa Lira.

Marku Ribas faleceu em decorrência de câncer em abril de 2013, o ano em que completou 50 anos de carreira. Foram 12 álbuns lançados, com destaque para Underground (1973), Marku (1976) e Barrankeiro (1977). Tocou com nomes consagrados como Nara Leão, Djavan, Chico Buarque, João Donato, Tim Maia, Marcelo D2 e Emílio Santiago. A convite de Mick Jagger, em 1984, chegou a gravar com os Rolling Stones no álbum 'Dirty Work'. Trabalhou como ator em filmes como Uma onda no ar e Batismo de sangue, ambos de Helvécio Ratton.

Show de lançamento CD +Samba – Marku Ribas
17/12 (quinta-feira), às 22h. A Autêntica. Rua Alagoas, 1172, Savassi. R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia). CD: R$ 20 (à venda no local).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA