Grupo Ilumiara lança álbum com novos arranjos para cantos de trabalho recolhidos pelo país

Projeto resgata tradição da cultura popular que mantém espontaneidade e beleza. Os cantos refletem o cotidiano de comunidades de várias partes do Brasil e que atravessam as décadas graças à tradição oral

por Eduardo Tristão Girão 13/12/2015 10:50

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Cristina Horta/EM/D.A Press
Grupo Ilumiara se apresenta hoje, no Cine Theatro Brasil Vallourec (foto: Cristina Horta/EM/D.A Press)
Carregadores de pedras, lavadeiras, vaqueiros, quebradeiras de coco, pescadores, fiandeiras, tropeiros, destaladeiras de fumo, remeiros. Em comum entre eles, o hábito de cantar durante o trabalho. Assim nascem os cantos de trabalho, que refletem o cotidiano de comunidades de várias partes do país e atravessam as décadas graças à tradição oral. Eles são a matéria-prima para o primeiro disco do grupo belo-horizontino Ilumiara, homônimo, que terá show de lançamento hoje à noite, no Cine Theatro Brasil Vallourec, na capital mineira.

“Não pretendemos ser imitadores dos cantos de trabalho e nem queremos descaracterizá-los. Daí a importância dos arranjadores nesse processo, que tiveram delicadeza, cuidado e empenho para traduzir a expressão original trabalhando com os instrumentos que tínhamos”, conta Marcela Bertelli (voz), que integra o grupo ao lado de Alexandre Gloor (rabecas), Carlinhos Ferreira (percussão), Leandro César (violão e marimba), Letícia Bertelli (voz).

Os arranjos ficaram a cargo de Leandro, Alexandre, Kristoff Silva, Rafael Martini e Felipe José, que partiram de cantigas de mestres mineiros dessa que pode ser considerada uma peculiar e involuntária forma de arte. Auto do fim de capina, que abre o álbum, por exemplo, tem os versos criados por cantadores que trabalham nas matas de Jequitibá, enquanto Das pedras retrata os homens que carregavam capistranas (pedras grandes usadas em calçamento de ruas) em Diamantina.

COTIDIANO “Eles não são compostos de acordo com regras ou estilos. O conteúdo está na realidade do ofício e as músicas são criadas durante o trabalho, a partir dos gestos, dos acontecimentos do cotidiano, da memória coletiva e pessoal. As pessoas inventam os versos durante o trabalho. É das grandes belezas dos cantos de trabalho”, diz Marcela. O grupo já levou esse espetáculo a 65 cidades em 20 estados entre julho e novembro e programa mais 40 apresentações a partir de agosto do ano que vem, pelo projeto Sonora Brasil, do Sesc.

Para Leandro César, que assina a produção musical do disco, as canções de trabalho têm importância maior do que pode parecer. “Consideramos essas músicas como simples, mas elas carregam potencial criativo do povo brasileiro, que deu fundamento a compositores icônicos, como Elomar e Geraldo Azevedo, por exemplo. Elas fazem parte da tradição oral porque são muito boas mesmo. Bem-estruturadas, redondas, com poesia muito perfeita. São consistentes, têm profundidade e fazem referências com humor”, analisa ele.

PARA DOWNLOAD

Lançado recentemente, o livro O verso dos trabalhadores, tem afinidade com o universo abordado pelo grupo Ilumiara. Autores brasileiros contribuíram com textos e fotos, incluindo trabalhos de Tibério França, Milton Hatoum, Xico Sá, Eliane Brum e Lya Luft. A temática do imigrante foi escolhida por alguns deles, como o fotógrafo Avener Prado, que clicou a vida dos haitianos, senegaleses e dominicanos em abrigos. De distribuição gratuita, a obra foi produzida com recursos de multas envolvendo ações do Ministério Público do Trabalho e todo o conteúdo pode ser consultados no site www.oversodostrabalhadores.com.br

Ilumiara
Show de lançamento do disco do grupo Ilumiara. Hoje, às 19h30, no Teatro de Câmara do Cine Theatro Brasil Vallourec (Praça Sete, s/nº, Centro). Ingresso: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada). Informações: (31) 3201-5211 e (31) 3243-1964.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA