Com faixas autorais, novo disco de Daniela Mercury saúda a diversidade e o amor

Letras da cantora baiana falam de filosofia, arte, Deus e liberdade

por Walter Sebastião 08/12/2015 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Célia Santos/divulgação
(foto: Célia Santos/divulgação)

Daniela Mercury vai logo avisando: está vivendo a melhor fase de sua vida. Casada, lança agora o 16º CD e está cheia de planos para os shows que dirige e monta. A baiana dança e canta as músicas que compõe. “Sou uma artista que junta muitas artes. Sou teatral, filosófica e pensadeira”, afirma. A última consideração vem a propósito das longas letras das novas canções, voltadas para considerações sobre amor, mulheres, futuro, mundo e deuses.

“Qual o limite da canção? Não há. Então, prefiro pecar para mais a repetir as convenções”, conta Daniela. “Sinto que vivemos um momento vazio, em que pouco se fala das coisas importantes”, argumenta. “Gosto de quem coloca o que pensa em sua arte, como fizeram Cazuza, Renato Russo, Adriana Calcanhotto e Caetano”, exemplifica.

O disco de Daniela reforça a ideia de que o ser humano cria o real e a ficção. “A arte permite a conexão com Deus e pode ser tão autêntica quanto a religião. Podemos chegar ao divino através do humanismo”, propõe a cantora e compositora. “Não temos de ficar presos a limites, a ideias discutíveis sobre o que é bom ou mau. É no contraste que a gente enxerga”, ressalta.

O novo trabalho saúda a diversidade, trazendo eletrônica, batuques e melodias, além de valorizar todas as vertentes do axé – afro, latina, carnavalesca e romântica. “Ser intérprete me permite ser múltipla”, explica, frisando que a função de cantora não é mais importante do que as outras que desempenha.

Daniela lembra que desde 1999 vem procurando construir “música eletrônica brasileira”. Inclusive, foi a primeira a levar batidas sintéticas para o carnaval.

PRAZER
A baiana diz que a música é a razão de sua vida. Os muitos anos de atividade não lhe tiraram o prazer de fazer discos. “Fico sempre triste quando me dizem: vamos finalizar”, brinca. O gosto pelo palco é o mesmo. “É o lugar onde me sinto mais relaxada”, garante.

Uma conquista de seus mais de 30 anos de carreira foi a autonomia. “Venho fazendo objetos musicais não identificados, jogando canções no ar sem a intenção de construir um discurso uníssono”, observa, enfatizando que exercita a liberdade. “Se a música foi usada para catequizar o Brasil, podemos utilizá-la para reevangelizar o país, para apresentar vários pensares. Nós, brasileiros, ainda não cultivamos a autoestima. Perdemos muito tempo amaldiçoando o que somos. Nunca vi o carnaval de forma superficial”, observa.

A artista considera essenciais a alegria e a luta por direitos civis e por uma vida melhor. “Meus discos procuram construir um lugar de exuberância. Trabalho os aspectos lúdicos do carnaval, mas fazendo crônica do nosso cotidiano”, observa. Para a baiana, o artista, até por ser ícone, tem “poder imenso”, ainda que muitos prefiram não usá-lo.

LENNON A foto da capa do CD, em que aparece nua abraçada à companheira, Malu Verçosa, com quem se casou há dois anos, evoca a famosa imagem de John Lennon e Yoko Ono. “É um desnudar para as pessoas vestirem como quiserem”, resume Daniela. A união com Malu ecoa também em Maria casaria, feita para a companheira. Com imagens do casamento, ela virou clipe da campanha anti-homofobia Livres e Iguais, coordenada pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Essa é apenas uma das dezenas de campanhas de que Daniela participou ativamente nos últimos anos. Elas lhe trouxeram o respeito de diversas instituições internacionais. Há duas décadas, a artista baiana é embaixadora do Unicef. A face política como militante dos direitos humanos sempre esteve presente em sua vida e música, ressalta.


Divulgação
(foto: Divulgação)
•  Faixa a faixa

DANIELA MERCURY
. Distribuição: Biscoito Fino

» A rainha do axé (rainha má)
» Maria casaria
» América do amor
» Alegria e lamento
» Tô samba da vida
» Sem argumento
» Frogs in the sky
» Deus, de Alah, de Gilberto Gil
» Extranhos terrestres
» Antropofágicos são paulistanos
» O riso de Deus
» Vinil virtual
» Três vozes
» Minha mãe, minha pátria
» Senhora do terreiro

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA