Angela Maria e Cauby Peixoto comemoram 120 anos de carreira com show e novos discos

Mestres do canto brasileiro, lançam os discos 'Angela à vontade em voz e violão' e 'A bossa de Cauby Peixoto'

por Kiko Ferreira 30/11/2015 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Thiago Marques/divulgação
(foto: Thiago Marques/divulgação)
Um dos destaques na programação musical deste fim de ano é o show 120 anos de sucesso, em cartaz até 15 de dezembro, em São Paulo. O evento comemora as seis décadas das carreiras de Ângela Maria e Cauby Peixoto. Amigos desde a época áurea do rádio, eles aproveitam para lançar discos atípicos na trajetória de ambos.

A cantora, aos 86 anos, mata uma vontade antiga em Angela à vontade em voz e violão (Tratore), ao interpretar 12 de suas canções preferidas acompanhada apenas pelo violão de Ronaldo Rayol. O cantor, de 84, reúne as prediletas da Bossa Nova no CD A bossa de Cauby Peixoto (Biscoito Fino). Os dois álbuns são produzidos por Thiago Marques Luiz, que vem se especializando em veteranos da música brasileira como Célia, Maria Alcina, Johnny Alf e Claudette Soares.

NIGHT CLUB Cauby, que recentemente teve problemas de saúde, soa menos eloquente do que o habitual, facilitando o clima de night club do álbum. É bom lembrar: ele foi um dos primeiros intérpretes da Bossa Nova, antes mesmo de ela ser conhecida por este nome – em 1956, gravou Foi a noite, clássico de Tom Jobim e Newton Mendonça.

A maior parte dos temas reunidos no CD foi interpretada por Cauby na primeira metade da década de 1960, quando ele comandava a boate Drink, espaço frequentado por amantes, compositores e intérpretes da Bossa Nova. Para quem se surpreende com a empreitada, basta a informação de que apenas três das 10 faixas (Até quem sabe, Este seu olhar e Amor em paz) são inéditas em sua voz.

O clima de doce nostalgia fica no ar, principalmente pelo tratamento musical dado pelo piano de Alexandre Vianna, o baixo de Deco Telles e a bateria de Humberto Zigler, com referências claras aos trios que se apertavam nos diminutos palcos daquelas boates de cinco décadas atrás. Impecável, o repertório reúne os clássicos Dindi, Ilusão à toa, Wave, Razão de viver, Samba do avião e Eu e a brisa.

Uma curiosidade: o disco traz Preciso aprender a ser só, dos irmãos Marcos e Paulo Sérgio Valle, que havia sido oferecida a Cauby Peixoto em primeira mão e recusada por seu empresário na época, que considerou a canção “não comercial”.

OUSADIA
Matriz e influência de centenas de cantoras brasileiras, Ângela Maria se arrisca mais na dobradinha com o violão de Ronaldo Rayol. Se Cauby reuniu canções que já havia registrado e com as quais sempre teve intimidade, Ângela relê temas não habituais em seu repertório tradicional. Vários deles, aliás, com interpretações definitivas: Só louco (Dorival Caymmi), Nunca (Lupicínio Rodrigues ) e Retalhos de cetim (Benito de Paula).

Ângela Maria flerta com a bossa nova em Manhã de carnaval (Luiz Bonfá/Antônio Maria) e Sábado em Copacabana (Dorival Caymmi/Carlos Guinle) e dialoga com o pop rock dos anos 1980 na emocionada versão de Codinome Beija-flor, de Cazuza.

Com menos ímpeto, a cantora recria um de seus hits (Amendoim torradinho, de Henrique Beltrão), dá sotaque luso a Quase (Mirabeau/Jorge Gonçalves), atualiza Wando em Vá, mas volte (que foi trilha de novela) e encerra o disco com uma versão de White christmas, clássico dos clássicos do Natal americano – talvez uma dica de que o disco pode ser ótimo presente de fim de ano para seu fã-clube fiel e numeroso.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA