Baterista do Creedence se incomoda com o uso de celulares e tablets durante os shows

Em turnê pelo Brasil, Doug Clifford reclama do hábito do público de filmar as apresentações. 'Elas se tornam diretoras do próprio filme, mas perdem a performance', diz Doug.

por Agência Estado 05/11/2015 12:51

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Credito:Adele Gannaway/divulgacao - banda Creedence
Banda Creedence faz turnê pelo Brasil e descarta novo disco de estúdio (foto: Credito:Adele Gannaway/divulgacao - banda Creedence)
No Brasil para a chamada “turnê da saudade”, o baterista Doug "Cosmo" Clifford e o baixista Stu Cook da banda Creedence Clearwater Revival deixaram escapar protesto em relação ao comportamento do público. O uso de smartphones e tablets para filmar e fotografar os shows. Hábito comum em performance de qualquer gênero, do rock ao heavy metal, ainda é algo a ser desvendado por Doug.

"Acho que curioso, porque as pessoas pagam o ingresso mas acabam perdendo a parte ao vivo do show. Elas se tornam diretoras do próprio filme, mas perdem a performance. O que elas veem pela tela de celular não é a mesma coisa que está acontecendo na frente delas", diz o baterista. "Mas também não vou dizer para não fazerem isso."

Uma das bandas de maior sucesso e popularidade do rock internacional a Creedence apresentará seus hits em Contagem no próximo domingo (08). Estarão no repertório clássicos como Fortunate son, Proud Mary e, e claro, Have you ever seen the rain?.

Além de não compreender esse exagero da sociedade conectada, Doug diz que seu gosto musical não é preso ao universo do blues. Gosta de música contemporânea, garante. Especialmente de Bruno Mars. "Ele é um artista maravilhoso. Tem uma sessão de sopros ótimos. Segue os passos do James Brown. Amo ver o R&B crescendo novamente, com novas influências. Esse tipo de energia é fundamental", explica o baterista.

Para o baterista, o que importa são as raízes. O Creedence Clearwater Revival nasceu assim. "Quando nos juntamos, queríamos fazer um som básico. Era um blues urbano, unido com um pouco de americana. Essa combinação surgiu o nosso rock and roll. É essa mistura que faz as pessoas quererem dançar, não importa a geração na qual você nasceu. Canções simples fazem você se sentir bem."

Voltar a produzir isso em estúdio, contudo, está fora dos planos. "Perderíamos público", diz o baterista. "Os fãs querem os hits. Eles querem ouvir as músicas que soem familiares. Nem todos ali querem filmar os shows com os celulares. Muitos ali querem experimentar aquelas canções ao vivo. E queremos dar isso a eles."

SERVIÇO:
Creedence Clearwater Revisited – In Concert
8 de novembro, às 21h (abertura do espaço às 19h30), no Espaço Só Marcas (Av. Babita Camargos, 1.375, Cidade Industrial, Contagem). Ingressos do camarote vip (Open Bar) - 1º Lote: R$ 450; Camarote Vip – 1º Lote: R$ 300, pista especial - 1º Lote: 350 e pista - 1º Lote: R$ 120. Informações: www.quantaproducoes.com.br ou pelo telefone (31)3284-6006

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA