Apadrinhado pelo Racionais MCs, grupo 5 Pra 1 lança o disco 'GoodFellaz'

Álbum tem a proposta de valorizar a periferia, berço do rap nacional. O veterano KL Jay garante: "O som deles tem alma"

por Ângela Faria 03/11/2015 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Luciano Trindade/divulgação
Os rappers Will, Dee, Filiph Neo, Renan Saman e Murilo fazem 'vaquinha eletrônica' para viabilizar seu novo disco (foto: Luciano Trindade/divulgação)
O rap brasileiro cruzou fronteiras. Quebrou preconceitos, conquistou espaço no mainstream, flerta com samba e MPB, dialoga com o pop, rock, funk e o reggae. Há muito tempo, não se limita à trilha sonora dos manos da favela. Nomes como Criolo, Projota e Emicida lotam casas de shows em áreas nobres. Há MCs que se dedicam ao hip-hop ostentação, enquanto outros estão de olho em trilhas de novelas. O jovem grupo paulista 5 Pra 1, que lança o segundo disco no fim deste mês, propõe-se um desafio: fazer o rap voltar para seu berço, a periferia.


“A gente não pode jamais se esquecer quem nos gerou”, afirma o produtor e multi-instrumentista Filiph Neo, de 26 anos, que forma o 5 Pra 1 com Renan Saman, William (Will) Nascimento Simões, Diego Oliveira (Dee) e DJ Murilo. Aposta da Boogie Naipe – produtora de Mano Brown e responsável pela carreira do Racionais MCs –, o quinteto quer falar do Brasil da desigualdade social, do racismo e das chacinas. Neo e os companheiros, por serem da periferia de São Paulo, já conviveram com situações de violência assim. Atualmente, constata Filiph, ouve-se pouco rap em quebradas como a Vila Joaniza, por exemplo.

FUNK Neo logo vai avisando: não se trata de volta ao passado ou de disputar público com o funk carioca, que se tornou trilha sonora das favelas. “Não tem rixa. Rap e funk são dois irmãos da periferia”, diz, mas pondera: “A nova geração está deixando de falar dos problemas da quebrada”.


Antes que o 5 Pra 1 leve a pecha de “avatar” do Racionais MCs – William é filho de KL Jay, convidado a participar do disco GoodFellaz, assim como Ice Blue –, Filiph Neo garante que o quinteto teve liberdade total para criar seu disco. Mano Brown não participou do CD, as canções já estavam prontas antes de os cinco fecharem com a Boogie Naipe.

KL Jay diz que o 5 Pra 1 é “diamante” surgido da união de talentos. “Filiph, Renan e Will são três grandes produtores. O Dee canta muito bem”, afirma. O experiente DJ do Racionais garante: vem por aí “música autêntica e original”, com pegada soul. GoodFellaz traz sua própria bagagem, não está à sombra dos padrinhos. Além do mais, resume o veterano, “Racionais MCs é único”.


Há tempos o jovem quinteto – na faixa dos 20 e poucos anos; o caçula Murilo tem 16 – corre em sua própria pista. Renan Saman trabalhou com Ed Motta, Seu Jorge e Emicida. Neo produziu os trabalhos do talentoso Rico Dalasam, o primeiro rapper gay do país. Will já somou com Marcelo D2 e Rael. Saman também dividiu palcos com Fernandinho Beatbox, D2, Karol Conka, Thaíde, Negra Li e Criolo.


Formado há dois anos, o quinteto lançou o EP Kush & Garotas, com forte pegada romântica. Porém, GoodFellaz vem chegando num Brasil chapa-quente, em que a crise econômica ameaça a tão decantada “ascensão da classe C”. Neo cita o drama social descrito em Raio-X do Brasil, disco do Racionais lançado em 1993. “Desde aquela época, quantas coisas mudaram? Quase nada. comenta, preocupado com o “genocídio de jovens negros” e chacinas que se sucedem na Grande São Paulo. “Só nós, da periferia, da favela, somos capazes de mudar a nossa própria história”, assegura.

 

VAQUINHA

A sonoridade do novo trabalho preza a liberdade musical e a experiência dos jovens produtores do grupo – “rap não pode ficar engessado”, diz Neo. Samples de músicos consagrados como Raul de Souza, Eumir Deodato e Marcos Valle estarão no disco. Campanha colaborativa foi lançada no site Kickante (kickante.com.br/5pra1) para finalizar GoodFellaz. O quinteto espera conseguir R$ 60 mil com sua “vaquinha eletrônica”.

O show de lançamento está marcado para dia 27, em São Paulo. Os rapazes correm contra o tempo. Nas redes sociais, os quatro integrantes do Racionais pedem aos fãs apoio aos afilhados. Mas descartam paternalismo. “O som deles tem essência, relevância. O som deles tem alma”, garante KL Jay.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA