Não se brinca com mulher: funkeira cria música contra violência doméstica. Veja o clipe!

MC Marcelly lança o clipe 'Não se brinca com mulher' para alertar sobre o crime de violência contra a mulher. A canção é uma homenagem à dançarina de funk morta pelo noivo

por Marina Simões 30/10/2015 10:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Divulgação
(foto: Divulgação)
A funkeira MC Marcelly, de 23 anos, deu uma repagina na carreira e lança o clipe Não Se Brinca Com Mulher, que chama a atenção para a violência doméstica, além de prestar homenagem à ex-integrante do grupo Jaula das Gostosudas Amanda Bueno, que foi assassinada a tiros pelo noivo no Rio de Janeiro. A canção faz parte do disco Dona da Noite, que marca a estreia de Marcelly na Universal.

"Essa música é uma homenagem a Amanda, Bruna, Isabele e todas as mulheres que sofreram violência doméstica e humilhação moral e psicológica", explica a cantora. "A gente vive em um país muito machista, onde as mulheres são colocadas em segundo plano e não possuem os mesmos direitos que os homens", alerta.

Assista:

 

 

 

O disco Dona da noite é composto por 14 faixas, sendo dez inéditas. Nesse álbum, Marcelly incluiu o hit Bigode grosso, que a projetou nacionalmente em 2014. A funkeira carioca começou a cantar aos 15 anos e diz que não imaginava um dia ter uma carreira. "Via vários CDs nas lojas e nunca pensei que estaria ali", relembra. O disco começou a ser produzido em janeiro. Somente em abril ocorreu o crime que levou à morte da dançarina Amanda Bueno. "Quando ouvi a canção estava muito recente e pensei logo nela, que era minha amiga, e decidi colocar a canção no CD", comenta.

O novo show de Marcelly vai estrear em janeiro, no Rio de Janeiro, depois segue em turnê pelo Brasil.


Relembre o caso de Amanda
A ex-integrante do grupo Jaula das Gostosudas Amanda Bueno foi assassinada a tiros dentro de sua casa, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, no dia 16 de abril. Imagens de uma câmera de segurança da casa comprovaram que ela foi brutalmente assassinada pelo noivo, Milton Severiano, conhecido como Miltinho da Van.

ENTREVISTA // MC Marcelly

Por que optou por abordar temas mais sérios nas suas letras?

Quis vestir essa camisa e resolvi apostar nessa música. Precisei pesquisar e me aprofundar no assunto. Fiquei horrorizada com os números e como as pessoas ainda não entendem que a lei (Maria da Penha) ampara a mulher que passa por situações semelhantes. Quero aproveitar que falo para muita gente e despertar uma conscientização para assuntos poucos comentados.

Você ou algum familiar já sofreu violência doméstica?
Não. Graças a Deus. Brigas toda família tem. Mas agressões e violência nunca aconteceram na minha casa. Eu vim de comunidade, a gente vê isso muito de perto. A violência em geral. Mas na época era muito nova. Hoje tenho consciência e quero contribuir para que as pessoas tenham direitos iguais, educação e uma vida digna.

Canções de apelo social são mais difíceis de fazer sucesso?
De certa forma sim. A gente nada na contramão. Pois o funk é muito alegre, uma música para cima e em clima de festa. Mas nesse novo CD queria incluir uma faixa sobre isso. Também tem Roda gigante (autoral), que é um rap consciente sobre os "amigos" que nos cercam e só servem para te atrasar. E ainda Cara mala, sobre mulheres que sofrem assédio masculino, que pensam que podem meter a mão só porque a mulher está dançando.

Você mudou o estilo de vida e apareceu mais magra. Como foi essa transformação?
Emagreci 11kg, mudei totalmente o estilo de vida. Tinha uma rotina maluca, passava a madrugada acordada e comia X-tudão, esfirras, hot dog após os shows. Engordei bastante e me sentia mal no palco, perdia o fôlego com facilidade. Dormia o dia todo e ainda acordava cansada. Decidi parar e me cuidar. Deixei de comer fritura, massa, refrigerante e açúcar, comprei uma esteira e comecei a querer mudar aquele quadro para ter um condicionamento físico melhor. Nunca fui muito vaidosa. Comecei a ter disciplina por causa agenda de shows. Qualquer mulher gosta de estar mais magra. A roupa tem um caimento melhor, as pessoas elogiam como você está bonita. Isso melhorou minha auto estima e ajudou a manter o foco. Hoje, criei gosto de me cuidar. Adoro ver tutorial de maquiagem no YouTube.

Musicalmente em que artistas se inspira?
Comecei a trabalhar muito cedo e não tive aquele momento de adolescente de ter ídolos. Engraçado, que não tenho muitas inspirações para meu som. Tem muitas artistas que admiro, como Ivete Sangalo, Claudia Leitte, Beyoncé, Rihanna, Ariana Grande e outras. Mas tento levar sendo eu mesma, sem copiar o estilo de uma ou de outra. Quero ter minha própria cara.

Nesse disco você se afasta do funk proibdão e parte para letras mais leves. Por que essa escolha?
Eu cantava a realidade que eu via todos os dias lá no Complexo do Alemão. Se eu morasse na beira da praia ia falar sobre o mar, as ondas e outros assuntos. Cantei muitos proibidões sim, apelo ao sexo ou apologia. Mas aí você vai conhecendo outros mundos, se modificando e aprendendo a fazer funk para as crianças ouvirem e para entrar na casa de todo mundo. A partir de agora, a gente está tentando fazer uma coisa mais limpa. Pediram para eu pegar mais leve nas letras para ter menos rejeição. Por que ainda existe o preconceito contra o funk. Mas não vou deixar de tocar meu som por causa dessas mudanças.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA