Paula Fernandes lança o oitavo disco, sem medo da crise

Cantora se diz preparada para encarar os momentos difíceis. Das 12 faixas do álbum Amanhecer, 10 foram compostas só por ela

por Helvécio Carlos 25/10/2015 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Guto Costa/divulgação
(foto: Guto Costa/divulgação)
São Paulo – No mercado fonográfico cada vez mais afunilado, Paula Fernandes é a cantora que toda gravadora gostaria de chamar de sua. Desde a estreia, há 11 anos, a mineira vendeu 4,5 milhões de discos e DVDs. O oitavo álbum, Amanhecer, chega agora às lojas como uma grande aposta: emplacar 60 mil cópias num país que enfrenta a retração econômica.

Paula reconhece que o showbizz sofre os reflexos da crise, mas isso não a deixa fora do eixo. “Os problemas existem, mas temos que trabalhar para superar essa fase difícil. O brasileiro é forte. Sempre estive preparada para os momentos difíceis, desde a época em que tínhamos R$ 750 para sustentar a família”, afirmou.

PEGADA

Deixando números e crise de lado, Paula garante: sentiu-se realizada com o novo trabalho desde o momento em que teve contato com as primeiras canções. “Estava ansiosa para saber o que minha inspiração traria. Pensei que teria uma pegada mais pop, mas cada faixa nasceu de uma cor. O disco é resultado das minhas andanças pelo país. Tem um pouco do Sul, do Nordeste, mas com a linguagem simples e arranjos atuais”, explicou.

Amanhecer traz 12 faixas. Duas – Pronta pra você e Falar de fim – são parcerias dela com Gustavo Fagundes. O restante é autoral. “O processo seletivo foi uma luta. Achava que 30 canções mereciam espaço nesse disco. Depois que o repertório ficou pronto, nasceu A paz desse amor, a primeira que lançamos”, revelou. Parte das composições estava pronta há seis anos.

MADURA


Paula diz que o novo disco representa a maturidade. “Diante do universo de coisas que ocorreram ao longo desses anos, acho que errei pouco e acabei aprendendo bastante. Estou satisfeita com tudo o que pude experimentar, vivenciar”, afirmou. Tranquila, ela diz que a perda de privacidade foi uma das grandes mudanças que experimentou. “Até a adaptação a este universo foi um processo interessante. No princípio, você acha que está pronta. O sucesso chega e, por mais que esteja preparada, toma um susto e percebe que não estava tão preparada assim”. Hoje, ela se adaptou à nova rotina. “Não sou de expor a minha vida. Mesmo porque, tenho tanta coisa para oferecer como artista que seria perda de tempo...”

Em março, ela vai se apresentar na Europa – Luxemburgo, Cidade do Porto, Lisboa e Guimarães estão no roteiro. Paula mora em Belo Horizonte, mas, para dar conta da agenda e do namorado, que vive em Brasília, quase não para na capital. “Menino, fico um dia em Brasília e o outro no resto no mundo”, garante ela, com um belo sorriso.

O repórter viajou a convite da Universal Music

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA