Lucas Fainblat e Marcos Frederico lançam disco com show gratuito na Praça Floriano Peixoto

Apresentação começa a partir das 16h

por Fernanda Machado 25/10/2015 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Anna Lara/Divulgação
(foto: Anna Lara/Divulgação)
Um mora na Alameda Universo. O outro, na Rua Carapuça. O encontro foi no Brasil 41, tradicional boteco da capital mineira. Nas pontes que ligam esses lugares – e muitas outras esquinas da cidade –, surge a ilha afetiva Universo Carapuça, disco que celebra a parceria do compositor e violonista Lucas Fainblat com o bandolinista Marcos Frederico. O lançamento será hoje, às 16h, na Praça Floriano Peixoto.

“É superespecial fazer esse show na praça, porque quem me ensinou a linguagem da música foi a rua. É uma forma de retribuir o que a cidade fez por nós”, filosofa Lucas. Conhecido pela voz marcante em rodas de samba nos bares Salomão, na Serra, e Orlando, no Santa Tereza, além da participação no badalado documentário O dia do Galo, ele conta que a parceria surgiu sem grandes planos. “Estava gravando uma marchinha no estúdio dele, e Marcos me mostrou uma melodia linda. Aí falei: ‘Vamos descer ali na dona Jacira, tomar uma cervejinha preta. Quem sabe sai a letra?’”, conta. Assim nasceu Seresta pra outra, a primeira parceria da dupla.

De lá para cá, foram dois anos de parceria, gravações e muitos encontros. A demora para concluir o disco virou letra de um samba de breque, a última canção feita para o trabalho. Dois anos pode até ser confundida com uma discussão amorosa, mas fala da parceria dos músicos. “Já faz dois anos que nos encontramos aqui nessa peleja/ Enquanto a gente briga, o mundo roda, ora veja/ Como é que fui chegar nessa situação/ Me dá um breque coração”, diz a letra.

No estúdio, a dupla recebeu a nata da cena mineira: Thiago Delegado, Alaécio Martins, Clécio Araújo e Frederico Heliodoro, entre outros. “Mais de 15 músicos participaram, somos imensamente gratos a eles”, ressalta Marcos. Também “vestiram a carapuça” Mariana Nunes e a portuguesa Susana Travassos. “São duas cantoras que apreciamos muito. Vero amor tinha que ter um diálogo entre o Lucas e uma mulher. Pensamos na Mariana pela voz doce, que combina com a canção feita com Edu Krieger e Flávio Henrique”, conta o bandolinista. “A faixa que a Susana gravou (Vontades) nem ia entrar no disco, mas ficou tão boa dentro do nosso universo que mudamos de ideia. Ela trouxe a carga europeia, ficou linda”, completa. Mariana participa do show de hoje, assim como Thiago Delegado, Aloísio Horta e Felipe Bastos.

VINIL


Além do CD, Universo Carapuça sai em versão bolacha, ambos com projeto gráfico do artista plástico Máximo Soalheiro. “Costumo brincar: Lucas é fanático por vinil, eu sou apreciador”, explica Marcos Frederico. A decisão de lançar LP não foi apenas capricho. “A receptividade do vinil é impressionante. O público olha com misto de nostalgia com novidade”, observa. Lucas Fainblat ressalta a qualidade do som, o fato de ser exemplar de colecionador e, claro, a paixão. “Fazer um vinil é sonho realizado. Parece meio narcisista, mas quando a remessa chegou, fiquei igual a menino pequeno, só ouvindo”, brinca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA