Maciel Salú e Israel de França fazem duelo musical no palco do Teatro Bradesco

Herdeira da tradição pernambucana, a dupla vai dar aula-show para estudantes mineiros

por Eduardo Tristão Girão 13/10/2015 09:20

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Laís Domingues/divulgação
Maciel Salú e Israel França apresentam sua peleja para os mineiros (foto: Laís Domingues/divulgação)
De um lado, o violino, há séculos sinônimo de música erudita e símbolo do refinamento cultural europeu com seu som cristalino. Do outro, a rabeca, que, apesar da aparência de “primo pobre” e timbre fanhoso, é uma das portas de entrada no riquíssimo universo da cultura popular brasileira. Duas potências. Nesta terça, o rabequeiro Maciel Salú e o violinista Israel de França chegam a BH para mostrar toda essa beleza no espetáculo O duelo da rabeca com o violino – Uma peleja de amor à música!.

Os dois são pernambucanos. Salú é o quarto dos 15 filhos de Mestre Salustiano (1945-2008) e leva adiante o legado do pai, detentor do título de Patrimônio Vivo de Pernambuco, conferido pelo governo do estado a mestres de cultura popular. Graduado no Brasil, Israel de França se divide entre o país e a Espanha, onde atua nas orquestras Sinfonietta de Granada (como maestro) e Ciudad de Granada, como violinista.

“Já começamos o show duelando, pelejando e conversando. Às vezes amáveis, às vezes brigando, mas tudo isso do ponto de vista musical, claro. Começo com Mozart, Maciel vai insistindo na história regional dele e passo para Beethoven. Quando o povo pensa que vamos seguir nessa linha, mudamos para algo sul-americano, para salsa. Um vai entrando no mundo do outro, sempre com uma pitada erudita”, explica Israel. Ao final, os dois instrumentos se encontram em um número de frevo.

Os multi-instrumentistas Rodrigo Samico, Rogê Victor e Emerson Santana formam a banda que acompanha Salú e França. A dupla conta ainda com a participação da bailarina e coreógrafa Maria Paula Costa Rêgo (que fundou com Ariano Suassuna o Grupo Grial de Dança e assina a direção artística do espetáculo). Por meio de traços e cores projetados em telão, o artista visual Toni Braga cria cenário ao vivo, inspirado no que ocorre no palco.

“Violino tem técnica, mas, para aprender a tocar rabeca, você tem de ir para os terreiros ouvir o rabequeiro. O som dela é mais rústico e, para identificar sua beleza, é preciso prestar muita atenção. A rabeca, em alguns momentos, não tem recurso para chegar a alguns resultados como o violino e vice-versa. É uma troca mesmo”, observa Salú. Na avaliação dele, o interesse do público e dos músicos pelo instrumento aumentou nos anos 1990, na época do manguebeat de Chico Science, e se manteve.

AULA Em cada cidade da turnê, os músicos ministram aula- show para alunos de escolas públicas e projetos sociais de arte-educação. Em BH, ela está marcada para esta terça, às 14h, no Memorial Minas Gerais Vale, na Praça da Liberdade. As inscrições estão esgotadas.


Todas as cordas
Rabeca é um instrumento bastante curioso. Cada luthier tem sua maneira de construí-la e os detalhes acabam por lhe conferir características sonoras próprias. A de Maciel Salú foi feita pelo falecido artesão Manuel Pitunga, que morava em Ferreiros (PE). O artista conta que é possível usar cordas de bandolim, violão de aço ou de guitarra. “Uso as de guitarra, que dão som mais limpo”, explica ele. Não por acaso, o pernambucano tem experimentado conectar sua rabeca a pedais de efeito.

O DUELO DA RABECA COM O VIOLINO
Com Maciel Salú e Israel de França. nesta terça, às 20h. Teatro Bradesco (Rua da Bahia 2.244, Lourdes). Entrada franca. Retirada de ingressos a partir das 18h, na bilheteria. Informações: (31) 3516-1360

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA