Espaços alternativos levam arte para o Centro, Horto e zona boêmia da capital

Cultura underground ganha visibilidade na capital mineira, com espaços dedicado aos "fora do padrão"

por Fernanda Machado 25/09/2015 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Vieira/EM/D.A/Press
Baixo Centro Cultural é destaque entre baladas e bares alternativos da capital mineira (foto: Marcos Vieira/EM/D.A/Press)
A palavra underground – subterrâneo, em inglês – é usada para denominar a cultura meio clandestina, que foge aos padrões. No caso das baladas alternativas de Belo Horizonte, esse conceito parece certo, mas apenas pela metade. Por um lado, novas casas de shows e espaços culturais fogem aos padrões por sua localização ou pela proposta artística; por outro, não querem nem saber de anonimato. É isso mesmo: o “underground” da capital mineira quer visibilidade, ser cada vez mais agregador.

Quem pensa assim é o produtor Victor Diniz, sócio do Baixo Centro Cultural, no entorno do Viaduto Santa Tereza. “Uma de nossas missões é ampliar o público. Tentamos manter uma curadoria que preza a divulgação dos artistas locais justamente para chegar a mais pessoas, tanto da Zona Sul quanto dos bairros mais afastados. O público do Baixo ainda é muito menor do que a cena de BH merece, do que os artistas daqui têm potencial para reunir”, explica.

Idealizado por seis amigos envolvidos com a produção cultural da cidade, o Baixo ocupa o imóvel que recebeu outro bar importante para a revitalização da Região Central, o Nelson Bordello. “Desde que o Bordello fechou, muita gente reclamava do abandono da rua pelo poder público. Acreditamos na potência deste lugar, um dos poucos pontos onde a juventude consegue se encontrar de maneira harmônica”, afirma Victor. “Tentamos cobrar do estado e da prefeitura as ações necessárias. Pedimos mais luz, comércio local incentivado, mais policiamento. O objetivo é tornar a região da Rua Aarão Reis um lugar mais seguro e agradável”, completa.

Conhecido por receber shows de artistas locais e de outras partes do país, além de promover festas com discotecagens animadas, o Baixo não quer parar por aí. A ideia é, a longo prazo, desenvolver mais atividades durante o dia, fomentando o espaço como centro cultural.

 Zi Reis/ Divulgação
Gruta é espaço diverso e aconchegante no Horto (foto: Zi Reis/ Divulgação)
ACONCHEGO
 
Um espaço que vem chamando a atenção da juventude está localizado no meio de um bairro que respira futebol: o Horto, onde fica o Estádio Independência. A palavra diversidade define bem o espírito da Gruta, gerida pelo coletivo Casa de Passagem. Vizinha do Galpão Cine Horto, ela surgiu como um espaço das artes cênicas, recebendo ensaios, oficinas e espetáculos. Aos poucos, foi ocupada por outras expressões artísticas. “Começamos com programação menor e ocasional, principalmente para gerar verba para a realização de espetáculos. Foi uma invenção para sustentar as nossas criações”, lembra Joyce Malta, uma das “caseiras” da Gruta.

A programação é praticamente semanal, com festas que oferecem projeções, performances, artes plásticas, teatro e muita música. O palco, apesar de pequeno, recebe constantemente shows de nomes da música autoral da cidade. Já passaram por lá TiãoDuá, o performático Marcelo Veronez e até a big band Iconili. Entre as festas, estão Obscenidades na Pista, Geleia Geral Brasileira e a animadíssima Dengue Fever, com seu Duelo de Vogue.

Marcos Vieira/EM/D.A/Press
4y25, no Maletta: espaço aberto à criação (foto: Marcos Vieira/EM/D.A/Press)
MALETTA
 
Tradicional prédio do Centro de Belo Horizonte, o Maletta é conhecido por sua varanda agradável. Em um dos corredores do fundo do segundo andar, esconde-se uma pérola do underground de BH: o 4y25. A casa foge à regra por receber não só DJs, mas mostras de arte, cinema, debates e, recentemente, a troca livre de cortes de cabelo e penteados. “O 4y25 não é um bar, e sim espaço destinado à produção de cultura. Isso nos diferencia da ‘revitalização gourmet’ que abraçou o Edifício Maletta”, explica Preto Matheus, um dos responsáveis pelo local.

Espaço autogestionado – que encontra fora dos circuitos mercantis um meio de guiar experiências coletivas –, o 4y25 surgiu a partir de convite do coletivo Elástica. A programação diversa se deve ao fato de não haver curadoria específica. “O importante é oferecer sempre programações de cunho autoral que valorizem a cena underground de BH e de outras cidades”, explica Matheus.

Gustavo Valadares/ Divulgação
Puta Espaço Cultural, localizado no terraço do Hotel Diamante, na Av. Santos Dumont, centro da cidade (foto: Gustavo Valadares/ Divulgação)
Zona de cultura

Uma festa em plena zona do meretrício de BH. Parece impossível, mas a casa noturna criada no terraço do Hotel Diamante, na Avenida Santos Dumont, prova o contrário. O Puta Espaço Cultural oferece programação diversificada e aberta a várias possibilidades artísticas. “Temos recebido muitos elogios. No começo, fiquei com um pouco de pé atrás por funcionar em cima de um puteiro. É complicado, tem gente que não aceita, mas estamos investindo nessa ideia e pensando no cunho cultural”, diz o produtor Rafael Henriques.

A ideia veio por acaso. Rafael foi convidado para produzir um evento no local, depois um festival e outra festa. Quando o convite surgiu da coordenação do hotel, ele fez a contraproposta, sugerindo a ocupação permanente. Hoje, o espaço recebe shows, performances, festas e discotecagens. “A ideia é que cada proposta artística transforme a estrutura do terraço, com exposições, oficinas... Planejamos até uma oficina de sushi”, comenta. “Temos um caráter diferente: ser ambiente de conversa com as prostitutas. Em todos os eventos propostos, buscamos trazer as meninas para a discussão”, explica.

A ideia é receber cada vez mais público – de preferência, diverso. “É uma grande responsabilidade, especialmente não deixar o pejorativo falar mais alto. Nossa preocupação é esta: apresentar a região para a cidade. A primeira visita, provavelmente, será uma ‘aventura’. Queremos mostrar que este é apenas um lugar comum”, conclui.

Confira

» Baixo Centro Cultural
Rua Aarão Reis, 554, Centro. Hoje, às 22h, festa Safadezas, com DJs Nest, Fael, Bitt e Xprix. Amanhã, às 22h, festa I.N.C.R.Í.V.E.L! Cabaret, com os DJs Yuga e Palomita. A cantora Jhê comanda o karaokê. Performances de Naiara Beleza (pole dance) e de Ana Mel Oliveira e Natália Carvalho (cubo). Ingressos: R$ 20 (antecipados).

» 4y25

Rua da Bahia, 1.148, sobreloja 74, Centro. Programação: www.facebook.com/sobreloja74

» Gruta
Rua Pitangui, 3.613 C, Horto. Programação: www.facebook.com/GRUTA.BH

» Puta Espaço Cultural

Avenida Santos Dumont, 574, Centro. Programação: www.facebook.com/putacultural


VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA