Rock in Rio abre sua edição 2015 com uma série de homenagens à própria trajetória

Festival celebra 30 anos neste ano com grandes atrações e polêmicas a cada edição

por Thales de Menezes 18/09/2015 09:34

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

AFP PHOTO / THOMAS SAMSON
Adam Lambert, que assumiu o lugar de Fred Mercury no Queen, se apresenta hoje na abertura do Rock in Rio (foto: AFP PHOTO / THOMAS SAMSON )
Carlinhos Brown debaixo de uma chuva de garrafas plásticas de água atiradas pelos fãs headbangers do Guns N’ Roses se transformou, em 2001, numa das mais divertidas imagens da história do Rock in Rio. Por trás dessa recordação está exposto um dos problemas do festival, que parece, finalmente, bem solucionado em sua edição 2015, que começa hoje: o relacionamento entre as atrações (e seus públicos) divididas entre pop e rock.

Cada anúncio do line-up de uma nova edição do festival causa imediata revolta entre roqueiros nas redes sociais. A reclamação é que tem mais música pop do que rock. Na verdade, a mistura está presente desde o primeiro Rock in Rio, que comemora 30 anos. A escalação tinha AC/DC, Iron Maiden, Ozzy Osbourne e outros, mas também George Benson, Ivan Lins e Elba Ramalho.

Nesta edição, a produção do Rock in Rio foi draconiana: dia de rock só tem atrações de rock, e dia de pop traz uma mistura palatável para tribos variadas. Amanhã e nos dias 24 e 25, que têm como atrações principais, respectivamente, Metallica, System of a Down e Slipknot, desde as 15h o gênero heavy metal se impõe nos dois palcos do festival.

O Metallica fecha um dia que tem Noturnall, Angra, Ministry, Korn, Gojira, Royal Blood e Mötley Crüe. System of a Down se apresenta depois de Project 46, John Wayne, Halestorm, Lamb of God, Deftones, CPM 22, Hollywood Vampires e Queens of the Stone Age.

No dia do show de terror e máscaras do Slipknot, a escalação começa meio esquisita, com o projeto brasileiro Clássicos do Terror, mas depois engrena o som pesado com Moonspell, Nightwish, Steve Vai, De La Tierra, Mastodon e Faith No More.

Apesar do DNA roqueiro, Queen e Rod Stewart já deixaram pegadas em terreno mais pop, e por isso não é estranho que encerrem noites mais tranquilas e variadas hoje e no dia 20 – este com programação para um público mais maduro; além de Rod tem Elton John, John Legend e Seal. Nos últimos dias do Rock in Rio, Rihanna (26) e Katy Perry (27) não deixam dúvidas sobre o caráter superpop da programação. (Folhapress)

 

Três perguntas para...
Roberto Medina, criador do Rock in Rio

 

Helvecio Carlos - Rio de Janeiro

A variação do dólar foi o grande desafio para montar o line-up do Rock in Rio 30 Anos?
Desde 1991, faço hedge, operação bancária em que você compra moeda internacional com antecedência. Como comprei o dólar há um ano e meio, não mudou nada. Mas esse impacto será maior nos próximos eventos. O principal impacto do dólar está na conta do artista.

O grande desafio nesses 30 anos foi trazer de volta, de forma repaginada, a história que fizemos ao longo das décadas. A abertura, com 16 bandas reunidas interpretando os grandes hits desse período, vai ficar muito bonita. Tem também a volta do Queen, a grande atração da primeira noite do Rock in Rio. Acredito que Adam Lambert, que está no lugar de Fred Mercury, vai incendiar a plateia. A abertura do festival estará à altura da história que construímos.

Você conseguiu reunir 16 grupos que fazem parte da história da música brasileira na abertura do festival. Ainda sente falta de alguém?
À exceção dos que morreram, insubstituíveis, estão praticamente todos. Mas o grande intérprete do primeiro Rock in Rio não foram os artistas, foi o público. Nós fomos o primeiro evento no mundo que iluminou plateia. Uma ideia, na época, rejeitada pelas bandas e pelo diretor de produção. Ninguém aceitou. Mas, no peito, abri a luz com o iluminador e todos adoraram.

Esse não foi o único desafio que enfrentei na primeira edição do festival. Dom Eugênio Salles (arcebispo do Rio de Janeiro) disse à imprensa que era um absurdo um evento para 1 milhão de pessoas. Lembro-me de que me reuni com os bispos, nas Laranjeiras, para apresentar meus argumentos para a realização do evento.

Houve também uma história de que, segundo uma profecia de Nostradamus, o mundo acabaria no primeiro dia do Rock in Rio. Kadu Moliterno, o apresentador daquela edição, me contou que, assustado com a história, abandonou o palco quando ouviu um estouro, que nada mais era que um curto-circuito. Ele pegou a moto e foi embora para casa. Só quando percebeu que o mundo não havia acabado voltou, depois de pular a apresentação de um show. Se eu me encontrasse com o Roberto Medina de 30 anos atrás, diria a ele: “Pô! Tu é muito maluco cara”.

Muita gente critica o line-up do festival por não reunir apenas bandas de rock...
Mas o Rock in Rio nunca foi um festival só de rock. Na primeira edição, por exemplo, houve jazz, new wave. Hoje, comparado às edições anteriores, ele está mais roqueiro do que nunca. Este ano teremos, por exemplo, três noites de rock.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA