Virada Cultural atraiu gente de todas as tribos. Veja o que foi destaque!

Festa foi do metal do Sepultura a Chitãozinho e Xororó. O Parque Municipal e a Rua Guaicurus viraram pista de dança

14/09/2015 11:53

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press
(foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)

SEPULTURA

 

O público que foi à Praça da Estação para assistir ao Sepultura não se decepcionou. A apresentação começou com faixas de trabalhos mais recentes da banda, que está completando 30 anos, e foi acompanhada pelo tradicional bate-cabeça. Quando os acordes iniciais de Territory ecoaram pela praça, a multidão veio abaixo. O show teve direito a mosh gigante, mas sem grandes confusões. O clima na Estação era de paz, contrastando com os demônios estampados nas camisetas de grande parte dos fãs. O repertório trouxe a icônica Polícia, dos Titãs, e a clássica Refuse resist. Para encerrar, o grito do guitarrista Andreas Kisser definiu a noite: "BH, capital do death metal do mundo". (Fernanda Machado)

 

Juarez Rodrigues/EM/D.A Press
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

CHITÃOZINHO E XORORÓ

 

Eles estiveram na cidade, há menos de um mês, para dois shows no Palácio das Artes. Na Virada, a primeira dupla da chamada Geração Amigos reencontrou um público muito maior, que a acompanha ao longo de mais 40 anos de carreira. Na Praça Nova da Pampulha, lotada, o clima era família. Houve sertanejo para todo mundo. Desde o raiz, lá dos primórdios da dupla ('Rancho fundo'), passando pelos sucessos mais marcantes ('Evidências', 'Fio de cabelo', 'Nuvem de lágrimas'), até canções do trabalho mais recente, 'Tom do sertão', com repertório de Tom Jobim ('Eu não existo sem você'). Chitãozinho e Xororó encerraram a apresentação com 'Nascemos pra cantar', aquela dos versos "quem canta os males espanta/ a gente é feliz". Precisa de mais?

 

Jair Amaral / EM/ D.A Press
(foto: Jair Amaral / EM/ D.A Press)
 

KEILA GAGA

 

Pouco antes das 22h30, a frente do palco da Guaicurus estava tomada por pessoas que traziam a faixa "Keila Gaga". Afinal, quem era? Bem, uma garota da roça, que dirige trator durante o dia e faz cover de Lady Gaga à noite. Moradora de Noiva do Cordeiro, comunidade rural de Belo Vale, na Região Central do estado, Keila dubla há quatro anos as canções de Stefani Germanotta. Com 18 dançarinos no palco (todos moradores de Noiva do Cordeiro) e um show de luzes e de excessos (a cenografia trazia até um caixão), a garota loira de 26 anos não deixou ninguém parado. Convenceu até os mais céticos de que a dance music de Gaga é para todo mundo. O show caiu como uma luva para a diversidade que imperou na Guaicurus. A noite era dela, ainda que o sonho tenha terminado rápido. À meia-noite, Keila embarcou no ônibus que a levaria de volta para a roça. (Mariana Peixoto) 

 

Eduardo Tristão Girão/ EM/ D.A Press
(foto: Eduardo Tristão Girão/ EM/ D.A Press )

TAMARA FRANKLIN

 

Foi debaixo do Viaduto Santa Tereza, por volta das 3h, um dos bons shows da Virada. A julgar pelo lugar, não poderia deixar de ser um nome do rap. No caso, uma moça de Ribeirão das Neves, Tamara Franklin, que demonstrou personalidade e competência. Em meio a quatro MCs que a acompanham, apresentou seu repertório autoral e se manteve em sintonia com o público. Balanço, conteúdo e boas rimas, fáceis de guardar. Um dos companheiros de palco mandou recado desaforado para a polícia entre uma canção e outra. Pouco depois, a artista fez questão de dizer que há policiais eficientes, equilibrando situação, por entender que radicalismo não é o caminho. Jovem, ela aposta na carreira solo e, provavelmente, vai ganhar espaço nos próximos anos. (Eduardo Tristão Girão)

 

Helvécio Carlos/ EM/ D.A Press
(foto: Helvécio Carlos/ EM/ D.A Press )

ANDERSON NOISE

 

De volta a BH depois de uma década vivendo em São Paulo, o DJ e produtor mais importante das Gerais fez sua estreia na Virada em grande estilo. Anderson Noise, já na madrugada, brindou o público com uma das apresentações mais concorridas do Parque Municipal. Surpreendeu os fãs antecipando em meia hora seu set. O tecno é a praia de Noise. Ali, ganhou um clima futurista, pois o DJ tocou faixas de seu trabalho mais recente, a trilha sonora de Sci-fi punk projects, narrativa de ficção científica criada pelo designer de moda Martielo Toledo. No palco montado na frente do Teatro Francisco Nunes, Noise reuniu público que ia quase até a entrada da Afonso Pena. Incansável, o DJ tocou durante três horas. Só parou às 5h30 porque pediram para desligar o som. (Helvécio Carlos)

 

Pablo Pires Fernandes/EM/D.A. Press
(foto: Pablo Pires Fernandes/EM/D.A. Press )

FELIPE CORDEIRO

 

A Rua Guaicurus se encantou com a apresentação de Felipe Cordeiro. Seu suíngue paraense mescla a tradição do carimbó e da guitarrada - encarnada na figura de seu pai, o guitarrista Manoel Cordeiro- com batidas caribenhas e uma pegada rock. Entusiasmado em tocar em Belo Horizonte, o compositor declarou que sua conterrânea, Dona Onete - atração de 2014 - já tinha avisado que a Virada Cultural em BH é animada e o público, receptivo. Canções como 'Legal e ilegal', 'Ela é tarja preta' e 'Eu quero gozar' fizeram o público cantar. A rua se transformou em um grande salão de baile. A versão de Rock lobster (B-52's) foi sintomática para revelar a filiação de Cordeiro: música para dançar com muito humor. O paraense fez apresentação direta, que teve boa recepção do público eclético presente na madrugada da Guaicurus. (Pablo Pires Fernandes)

 

 Carolina Braga/EM/D.A Press
(foto: Carolina Braga/EM/D.A Press)

OTTO CONVIDA BABY DO BRASIL

 

Otto fez, literalmente, dois shows no Palco Ses Palladium. No primeiro, lembrou os sucessos da carreira da carreira e deu uma prévia do que será o novo disco. Entre uma canção e outra, mandou recados. Sobre o arco-íris da bandeira de PErnambuco, avisou: "Ainda precisamos aprender muita coisa". Referia-se ao símbolo da luta dos gays. Elogiou movimentos de ocupação urbana e, por fim, criticou os defensores da volta da ditadura. "PRecisamos dialoga, BRasil", clamou. Depois veio o outyro show, com Baby do Brasil. "Glória a Deus", gritou ela, oferecendo uam série de seus hits. Em dueto com Otto, a cantora apresentou 'Menino do Rio' e 'A menina dança'. (Carolina Braga)



VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA