Em forma de holograma, Billie Holiday volta a cantar em teatro no Harlem

Cantora lendária na história do jazz terá imagem e voz reproduzidas em espetáculo no tradicional teatro Apollo, em Nova York

por AFP 09/09/2015 20:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Impulse/divulgação
(foto: Impulse/divulgação)
A lendária cantora Billie Holiday voltará a cantar em Nova York este ano, de maneira póstuma, quando o teatro Apollo lançar seu programa de apresentações por holograma. O Apollo, local de encontro icônico do jazz no Harlem, anunciou nesta quarta-feira, 9, que será o primeiro teatro dos EUA a oferecer uma programação regular de shows por holograma.

A primeira apresentação será no fim do ano e vai mostrar Billie Holiday, uma das maiores influências de gerações de cantoras de jazz e pop e que morreu como indigente em 1959. A estrela foi homenageada recentemente no Festival I Love Jazz, em Belo Horizonte.

"As possibilidades inerentes a essa iniciativa são muito emocionantes, porque demonstram o impacto e a relevância duradoura de artistas de diferentes tempos e lugares geográficos", disse Jonelle Procope, presidente e chefe executiva do teatro Apollo. Holiday, que teria completado 100 anos em abril desse ano, frequentemente cantava no Apollo, único teatro de integração racial da época.

A empresa Hologram USA se associou ao Apollo para trazer os artistas de volta à vida. Ela grava campos de luz, em vez de imagens regulares de objetos, para dar a ilusão de três dimensões. À medida que a tecnologia ficou cada vez mais sofisticada, a indústria da música aumentou sua demanda por hologramas.

A moda disparou em 2012, quando o festival de Coachella ressuscitou com sucesso o rapper Tupac Shakur em uma atuação junto às estrelas do hip hop Snoop Dogg e Dr. Dre. Entre outras projeções famosas, está um show em Las Vegas do pianista Liberace, já falecido, e outro do rapper Chief Keef, que se apresentou via holograma porque não podia viajar para Chicago graças a uma ordem de prisão.

Mas os hologramas também têm suas críticas, que questionam seu gosto e mérito artístico duvidosos. Um exemplo é a banda Grateful Dead que considerou, mas descartou, trazer de volta à vida por holograma seu guitarrista Jerry Garcia quando fizeram uma série de shows de despedida em julho.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA