Amigos organizam festival independente em estacionamento no Lourdes

Parking Shake acontece neste domingo e traz cinco bandas que compõem músicas próprias. Organizadores criaram evento como alternativa ao tradicional circuito da capital

05/09/2015 14:07

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
Estrutura está sendo montada em um estacionamento cercado de árvores no Bairro Lourdes (foto: Divulgação)

Com a chegada do calor, nada melhor do que opções de lazer ao livre. Apostando nessa ideia, um estacionamento descoberto e cercado de árvores foi o local escolhido por um grupo de amigos para a realização de um festival de música independente na tarde do próximo domingo, 6. Como alternativa aos eventos do tradicional circuito da capital mineira que costuma dar mais espaço às bandas covers, a turma se mobilizou para trazer artistas que compõem canções próprias.

O Parking Shake começa às 14h e é focado na música, mas também terá food trucks com várias opções de comida, bares, feiras de disco de vinil e bicicletário. "Percebemos que o modelo de negócios dos eventos em BH é muito parecido, sempre envolve muitas filas, muita burocracia. Queremos fazer uma festa o mais diferente possível disso tudo, a começar pelo lugar", diz o organizador e uma das atrações da festa JP Cardoso. Além dele, quem representa a cena belo-horizontina no evento são as bandas Young Lights, Captain Karma e Teach Me Tiger. Quem fecha a programação do festival é a banda Séculos Apaixonados, que vem do Rio de Janeiro.

A tarefa de produzir um festival independente em BH não é nada fácil. O estacionamento no Bairro Lourdes, Região Centro-Sul de Belo Horizonte, funciona durante os dias úteis e só fica fechado nos fins de semana. Na manhã deste sábado, os organizadores João Paulo Pesce, JP Cardoso Vitor Lopes, João Paulo Pesce e Jairo Horsth pularam cedo da cama para começar a montagem da estrutura. "Tem que ser assim, na raça. Estamos fazendo tudo por nossa conta e com a ajuda do selo La Femme qui Roule, que ajudou a completar nosso Line-up e trouxe mais experiência para a organização", diz João Paulo Pesce.

Esse é o primeiro festival organizado pelo quarteto, mas uma versão caseira do evento já havia sido experimentada no final de julho. O quintal de uma casa pode parecer um espaço bem comum para uma festa entre amigos, mas pelo visto a ideia dessa turma é fugir do óbvio. Sentados na borda de uma piscina vazia, o público assistiu às bandas Young Lights e Captain Karma se apresentarem dentro dela. Uma caixinha deixada na entrada da casa convidava o pessoal a depositar o valor que quisesse para participar da festa. Com clima intimista, cada pessoa levava sua própria bebida e podia dar "pitacos" no set list dos DJs, que tocavam com vinis e computadores. "Foi tudo baseado na confiança e deu muito certo. Difícil acreditar que não tivemos prejuízo", conta JP Cardoso.
Divulgação
Bandas tocaram dentro de uma piscina vazia no evento teste para o festival (foto: Divulgação)

As bandas

O Young Lights absorve influências que vão do folk ao punk. O projeto foi idealizado por Jairo "Jay" Horsth Paes, que cresceu em Massachusetts, nos Estados Unidos, e voltou ao Brasil no final de 2010. A banda tem dois álbuns lançados - o EP An Early Winter (2013) e o álbum cheio Cities (2014). Nas apresentações, levadas à Brasília, Goiânia e pelo interior de Minas Gerais, a banda alterna momentos de fúria e doçura. Os clipes podem ser vistos pelo canal da banda.

JP Cardoso irá lançar seu primeiro no final de 2015 pelo selo La Femme Qui Roule. O compositor investe em letras em inglês e aposta nas guitarras carregadas de reverb e em timbres praieiros. As influências são principalmente o indie rock dos anos 2000 e do surf dos anos 1960. Confira uma apresentação intimista do músico.

O Teach Me Tiger é formada pela paulistana Chris Martins e pelo belga Yannick Falisse. Morando em BH há mais de dez anos, a dupla lançou seu primeiro EP em 2013. As músicas são cantadas em inglês e francês e lembram o som das bandas The XX e Letuce.

Os integrantes do Captain Karma definem o som da banda como psychadelic stoner rock. A sonoridade pesada é influenciada por grupos como Black Sabbath, Blind Dog, Orange Goblin e Karma to Burn.

O Séculos Apaixonados é o representante do indie carioca no festival. As músicas, sempre baseadas no romantismo, são cheias de sintetizadores característicos dos anos 80 e solos de saxofone. Não é a toa que o clipe de "Refletir é inútil" traz as letra da música em forma de karaokê.

Seviço:
Parking Shake
Domingo, 14h - Rua Aimorés, 1486, Bairro Lourdes
Ingressos à venda pela internet e no local
1º Lote: $ 20, 2º Lote: $ 25

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA