Alexandre Pires faz show com grupo Raça Negra em BH

Aos 39 anos, cantor finalizou turnê comemorativa do Só pra Contrariar e retoma carreira solo

por Estado de Minas 10/08/2015 09:12

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Steve Marcus/Reuters
Vocalista do SPC, Alexandre está retomando a carreira individual e ainda faz parceria com o grupo Raça Negra (foto: Steve Marcus/Reuters)
“Um compositor nunca para de fazer música”, diz Alexandre Pires, que retoma a sua carreira solo aos 39 anos, com o disco 'Pecado original' – depois de cinco anos dedicados a gravações ao vivo e à turnê comemorativa dos 25 anos do grupo Só pra Contrariar. O trabalho, com nove inéditas e uma regravação, inspirou também uma nova turnê, que passou por São Paulo no fim de semana. No próximo, ele vai estar em Belo Horizonte, com os amigos do Raça Megra.

Alguns meses antes de o álbum ser anunciado, Pires já tinha um sucesso nas rádios, 'Barraqueira', que compôs há quatro anos. “A maioria das canções já estavam prontas quando surgiu a ideia de gravar o disco”, explica o cantor. “Depois de tanto tempo longe dos estúdios, só com gravações ao vivo, fui dar uma olhada no que tinha guardado e surgiram essas canções”, continua. “A música que dá título ao disco tem pelo menos oito anos, para se ter um ideia.”

Com 25 anos de carreira e 18 discos gravados, Alexandre Pires optou por um álbum mais dançante. “A intenção era fazer um disco com a minha cara, em que pudesse mostrar algo mais autoral, mas sem perder esse gingado, esse balanço. Acho que esse disco é o mais suingado dos meus trabalhos, com samba, partido-alto, samba-rock”, avalia, admitindo que a veia latina aparece sutilmente em algumas faixas, mas vem à tona com uma versão do sucesso de Sidney Magal “meu sangue ferve por você”. “Sempre gostei muito do balanço do Magal. Eu já tinha feito algumas gravações dessa música com essa onda samba-rock e, agora, decidi gravar. Tinha tudo a ver com este disco.”

Entre pagodes românticos e sambas dançantes, chama a atenção o partido-alto 'Vamos fazer diferente', parceria com Marquinhos Mosqueira. “Essa música nasceu dentro do estúdio, quando já estávamos finalizando o disco. Meu parceiro estava lá, e começamos a falar sobre a recessão de água. O papo ficou sério e virou música. A intenção é tratar do tema de maneira leve.”

No novo disco, Alexandre Pires se inspira no samba-rock, mas vê as misturas musicais com cautela. “O que procuro fazer nos meus trabalhos é respeitar a pulsação e a identidade do samba”, diz. “Acho que samba é samba. Há formas diferentes de fazer, mas a batida é única. Então, não dá para misturar com outras coisas que não tenham parentesco com o ritmo, como o balanço do samba-rock de Bebeto e Jorge Ben.”

Dedicado ao gênero há 25 anos, Alexandre Pires também não acredita que o samba terá mudanças nos próximos anos. “No sertanejo, há muita mistura, mas no samba é preciso ver com cuidado essas fusões, que podem tirar a característica da música”, conclui.

SEXTA-FEIRA EM BH
Mal chegou ao fim a turnê comemorativa do Só pra Contrariar, que durou dois anos, e Alexandre Pires já emplacou dois projetos. Além da turnê Pecado original, que inclui sucessos do SPC e inéditas, ele recria cações de Cazuza, Paralamas do Sucesso, Ultraje a Rigor, Capital Inicial, Legião Urbana, Titãs e Lulu Santos. Em outra frente, ele se junta a Luiz Carlos e o grupo Raça Negra e inclusive o próximo show será em Belo Horizonte, na sexta-feira, às 22h, no Expominas (Av. Amazonas, 6.200, Gameleira), com apoio do Estado de Minas. A procura por ingressos é grande, e eles custam de R$ 50 a R$ 160, com mesas a R$ 500 e R$ 600. Informações: (31) 3281-2737 e www.blueticket.com.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA