Musica e conflitos humanos são tema de palestra na Fundação de Educação Artística

Desembargadora Mônica Sette Lopes é a convidada desta quinta-feira

por Ailton Magioli 25/06/2015 08:25

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
DARYAN DORNELLES/DIVULGAÇÃO
(foto: DARYAN DORNELLES/DIVULGAÇÃO)
A professora, desembargadora e apresentadora do programa Direito é música, Mônica Sette Lopes, é a convidada desta quinta-feira do ciclo de palestras sobre a música e os conflitos humanos que a Fundação de Educação Artística (FEA) realiza. Entre 15h30 e 17h, ela abordará a questão a partir de sua experiência com o direito, que já resultou no livro 'Uma metáfora: música e direito' (2006) e no programa que ela passou a apresentar no ano seguinte, nas rádios Justiça, Nacional AM de Brasília e Cultura de Joinvile (RS).

O mote da palestra será a canção 'Choro bandido', de Edu Lobo e Chico Buarque. “Vou ilustrar com a história do herói que era bandido”, justifica a escolha, citando a presença do grego Hermes na letra da composição. Hermes é o mensageiro dous deuses. Na letra de Chico, ele é assim citado: “Quando um deus sonso e ladrão fez das tripas a primeira lira que animou todos os sons”.

Para falar de desamor, Mônica Sette Lopes recorrerá às canções 'Fruta boa' e 'Paula e Bebeto', de Milton Nascimento e Fernando Brant.  “A música ajuda a relativizar o trágico da vida”, diz ela. E como nem só de drama se faz a vida, a professora vai lançar mão também de clássicos de Noel Rosa ('Triste cuíca') e Paulinho da Viola ('Coisas do mundo, minha nega'), cujas estruturas, conforme observa, são de um conto.

“Como tudo que é produto da cultura e da experiência humana, a música pode ser usada tanto para o bem quanto para o mal”, afirma Mônica, que é desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, professora da faculdade de direito da UFMG e doutora em filosofia do direito. Ela cita o emprego da música em campos de concentração como exemplo do segundo.

Ela lembra ainda que “a música hoje está presente em todos os lugares, às vezes até como uma invasão de privacidade”, citando execuções públicas em bares e até o rádio do carro em volume que pode incomodar outros indivíduos.

A MÚSICA E OS CONFLITOS HUMANOS

Nesta quinta-feira, de 15h30 às 17h, na Sala Sergio Magnani, da Fundação de Educação Artística, Rua Gonçalves Dias, 320, Funcionários. Entrada: R$ 70. Informações: (31) 3226-6866.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA