Trajetória de Kurt Cobain ganha contornos humanos com documentário

'Cobain: Montage of Heck' é um encontro com a figura humana por trás do mito criado sob a imagem do roqueiro de cabelos loiros

por Agência Estado 15/06/2015 09:21

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Divulgação
(foto: Divulgação)
Frances Bean Cobain não tinha completado dois anos de idade quando perdeu o pai, naquele 5 de abril de 1994. O mundo perdia a sua última grande estrela do rock, mas a música de Kurt Cobain com o Nirvana, ainda pode ser ouvida, mais de duas décadas depois da sua morte.

Frances, contudo, nunca teve a oportunidade de ganhar mais do que aqueles três discos lançados pelo pai e de histórias, vícios e fantasmas relatados por quem conviveu com ele de perto. Era hora de um recomeço. Um novo encontro com a figura humana por trás do mito criado sob a imagem do roqueiro de cabelos loiros na altura dos ombros, olhos azuis, camisa de flanela xadrez e uma guitarra tocada com desleixo, na altura dos joelhos.

O documentário 'Cobain: Montage of Heck' é um descobrimento tanto para a jovem hoje de 22 anos, fruto do relacionamento de Kurt e Courtney Love, quanto para o público. E enquanto a viúva encrenqueira do líder do Nirvana participa do longa apenas como uma das entrevistas - com bastante destaque, é bom frisar -, Frances atuou por trás das câmeras do experiente diretor Brett Morgen, como produtora executiva.

O filme estreou durante o festival de cinema de Sundance, em janeiro deste ano, e foi exibido no festival de Berlim, duas semanas depois.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA