Pedro Luis lança DVD 'Aposto' com seleção de composições próprias

As músicas se tornaram sucessos na voz de outros intérpretes; confira entrevista

por Rodrigo Vasconcelos 08/06/2015 10:44

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Juliana Torres/Divulgação
(foto: Juliana Torres/Divulgação)
Sem parede, ele se soltou para ir atrás do que é seu e trouxe para casa. O projeto não é dele sozinho, mas não tem mais coletivos numerosos como os do Monobloco. Um disco novo no qual o título diz quase tudo: Aposto. Pedro Luis buscou as músicas que compôs para outros artistas, gravou na voz dele e aposta com o público se ele sabe que estas canções começaram com ele.No DVD, se juntou a figuras conhecidas como Martinho da Vila, Mart'nália e Zélia Duncan, mas também abriu espaço a revelações como Bruna Caram e Duda Brack. Em entrevista ao Correio, Pedro Luis fala de novos artistas como ela, do carinho e admiração que sente por Brasília, além da importância de que a música expresse o momento atual dramático do país.

O que representou esse desafio de dar a própria voz às suas composições marcadas na interpretação de outros músicos conhecidos?

Tive essa experiência em algumas cidades do interior de não saberem que algumas músicas famosas eram minhas. Vi essa surpresa na fala e no olhar de algumas pessoas. Tenho sorte dos intérpretes terem colocado a marca deles na música. Isso é interessante e importante porque as pessoas identificam a elas muito pelos intérpretes. Mas e esse desafio de se apropriar das músicas que começaram comigo? É a volta pra casa. Tenho que tratar bem, cuidar delas bem, fazer uma versão com minha cara, minha assinatura. Mas gosto do resultado e do desafio.

O que tirou de cada uma das parcerias e porque escolheu estes artistas?

São participações especiais, é importante sempre aproximar pessoas, referências suas nas canções. Tentei compor um mosaico que compreendesse as diversidades. A Zélia é parceira minha de cnações e projetos, eu a admiro muito pela carreira dela. Ela acaba se apropriando da canção e isso é a melhor coisa do mundo pra uma composição. Ela chegou pra fazer bonito. Com o Martinho da Vila tenho admiração incrível. Mart'nalia é parceira contemporânea, eles dois são de uma mesma linhagem, mas de manifestações diferentes. Já a Bruna e a Duda são uma preciosidade da nova geração de cantoras brasileiras. Chegaram com personalidade e quis chamá-las pra dar um frescor ao xote que tinha feito há algum tempo (Véu de filó). Tentar contemplar coisas que me instigam e que eu admiro engrandeceram esse coletivo.

Em Miséria S.A. e Braseiro, vocês faz críticas sociais. Acha importante que elas estejam presentes na voz de artistas brasileiros, especialmente nesse momento repleto de denúncias de corrupção?

Acho importante. A criação no meu caso se manifesta nesse viés, mas não acho que tenha que ser de qualquer compositor. É gosto meu e aporte da minha obra que passa por aí porque tenho esse olhar social e na política da convivência. Eu gosto de falar disso. Mas não me sinto obrigado. Faço o que me der na telha. Tenho outras músicas que carregam um pouco desse olhar que é da crítica, observador sobre os mecanismos de convivência social, olhando, apontando. Isso é um ingrediente.

Há uma mudança no olhar da juventude sobre o Brasil?

Vem acontecendo de 2013 pra cá uma coisa interessante que acho que é, não uma obrigação, mas uma característica da força da juventude, que você tem nos anos mais vigorosos, e é muito importante que tenha acontecido, É importante que essa potência da juventude se mantenha viva e acesa. Ela provoca mudanças, levanta questionamentos e traz ânimo para gerações desanimadas, que acham que nada muda. Mas as coisas mudam, e as mudanças são necessárias para conseguir melhor convivência nos centros urbanos, onde as coisas são mais complicadas. Isso é uma coisa bacana, quem se sentir à vontade para falar disso e conseguir um bom resultado, que faça. É importante que esteja falando, chamando atenção. A música ajuda a trazer as pessoas para refletir, pensar junto, mas não é uma obrigação.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA