Raquel Saraceni estreia com CD 'O tempo me guardou você'

Com canções românticas e inéditas de Ivan Lins, além de músicas de Gilberto Gil e Rosa Passos, a paulistana trabalhou ao lado do marido Sergio Saraceni

por Ailton Magioli 02/06/2015 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Daryan Dornelles/Divulgação
A cantora Raquel Saraceni, que voltou a viver no Rio de Janeiro, depois de 22 anos na França (foto: Daryan Dornelles/Divulgação)

Longe do sentimento de fossa que geralmente permeia discos de temática amorosa, a paulistana Raquel Saraceni estreia carreira fonográfica com o surpreendente O tempo me guardou você.  Como ela faz questão de esclarecer, o álbum nada mais é do que um reflexo do momento (feliz) que vive.


Recém-casada com o compositor, músico e produtor Sergio Saraceni, que é sobrinho do cineasta Paulo César Saraceni, a cantora, que viveu durante 22 anos na França, se dá ao luxo de gravar inéditas de Ivan Lins – Um gesto qualquer de carinho e Samba de vison. Esta última, em parceria com o francês Michel Legrand e com o filho Cláudio Lins, é  a única do repertório que não se configura como uma canção de amor.

Ainda assim, como pontua Raquel, a canção reflete sua paixão pelo Rio de Janeiro e remete a Paris, onde ela e Sergio se reencontraram, antes de decidirem viver na primeira cidade. Começando a preparar o show de lançamento de O tempo me guardou você para setembro, na Casa Miranda, no Rio, Raquel lamenta a situação em que reencontrou a MPB, desprezada pelo rádio.

“Quando saí daqui, a MPB estava na crista da onda. Hoje, não dá nem para ouvi-la. A música sertaneja, em relação à qual não tenho nada contra, sempre existiu. Agora, no entanto, há uma invasão grande de outras tendências. Fica difícil ouvir rádio no Brasil. Tenho ouvido mais as rádios que ouvia na França, que tocam música do mundo.”

 PARCERIA
Ao lado do marido, ela diz ter concebido o primeiro disco que considera uma parceria do casal, que trabalhou junto na definição desde o repertório aos músicos que tocam com ela, passando pelos arranjos assinados por Sergio, Lula Galvão, Marco Brito e Marcos Bonfim. No disco, ele ainda contribui com Um grande amor, da parceria com Antonio Villeroy, e Doce castigo, com Ronaldo Monteiro de Souza.

Consciente do disputado mercado de cantoras no país, Raquel diz estar animada para o desafio, principalmente diante da boa repercussão do disco. Além de Elis Regina, que sempre ouviu, ela diz admirar Nana Caymmi, Maria Bethânia, Gal Costa e Marisa Monte, além de Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan e Edith Piaf.

Na França, Raquel cantou com o Trio Sabiá e o Lucky Jazz. “A música brasileira é muito admirada e tocada por lá, inclusive no rádio”, afirma. O reencontro com o produtor Sergio Saraceni, diz, foi o empurrão que faltava para ela retornar ao Brasil. O tempo me guardou você, a parceria de Ivan Lins e Celso Viáfora gravada por ela, é, segundo conta, a história exata de amor vivida por ela e Sergio. “Coisa mais bonita/Onde você estava/Em que terra, em que país?/Toda minha vida/Sinto que esperava/Por você para ser feliz”, dizem os versos da canção.

Gilberto Gil (Amor até o fim), Rosa Passos (Samba sem você, com Fernando Oliveira), Dori Caymmi (É o amor outra vez, com Paulo César Pinheiro, e Fora de hora, com Chico Buarque) também estão no repertório do disco de estreia da cantora, que ainda gravou mais uma canção de Ivan Lins (Acaso, com Abel Silva). “O disco é, na verdade, uma coletânea de declarações de amor”, diz o compositor no texto de apresentação do encarte.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA