Banda de heavy metal formada por refugiados despeja raiva em CD

Composta por iraquianos asilados nos EUA, Acrassicauda diz que despeja na música raiva e revolta de modo ''aceitável''

por Estado de Minas 31/05/2015 09:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

DON EMMERT/ AFP
O guitarrista Moe al-Hamawandi (E), o baterista Marwan Hussein e o cantor Faisal Mustafa, que formam o Acrassicauda, em Nova York (foto: DON EMMERT/ AFP)

Com seu lar destroçado por anos de guerra, um grupo de músicos iraquianos encontrou no heavy metal uma forma terapêutica de descarregar seus sentimentos de fúria. “Não queríamos carregar armas e sair atirando nas pessoas. A violência realmente nunca foi a solução”, diz Marwan Hussein, baterista e letrista da banda Acrassicauda. Em vez disso, o metal os brindou com uma “forma agressiva passiva na qual podemos fazer ouvir nossas vozes”, explica.
Acrassicauda esteve na vanguarda da cena do metal que nasceu em Bagdá após a invasão americana em 2003, atraindo os jovens cujo sofrimento era muito mais intenso do que o enfrentado pela classe média fanática do Ocidente. Mas, como no Iraque o caminho trilhado pelo grupo foi dolorosamente lento, a banda fugiu do país após seu espaço de ensaio ser bombardeado.

Vivendo em Nova York e quase 15 anos após a sua formação original, o Acrassicauda lançou no mês passado Gilgamesh, seu primeiro álbum de estúdio. O vocalista Faisal Mustafa afirma que o heavy metal é como uma “terapia”, porque permite descarregar os sentimentos de raiva de uma forma socialmente aceitável. “Você pode expressar esses sentimentos por meio da música, a partir da sua alma. E, uma vez liberada no palco, essa raiva define quem você é”, explica.

Gilgamesh mostra a influência de bandas como Metallica, Slayer e Testament, cujo guitarrista Alex Skolnick coproduziu o álbum. O disco é obliquamente político. O título se refere ao texto épico mesopotâmico geralmente considerado a primeira obra de literatura, uma saudação ao rico passado iraquiano e à continuidade.

POLÍTICA As letras  – em inglês, que os membros da banda falam com perfeição – tratam de temas tais como o renascimento e a busca da liberdade, mas tudo emoldurado em imagens mitológicas, e não em política contemporânea. Os membros do Acrassicauda – nome latino de um escorpião preto comum no Iraque – insistem na ideia de que a música fala por si e se recusam a comentar a atualidade iraquiana.

“Sempre dissemos que não queremos ser uma banda política”, diz Marwan. “Eu não diria que a política arruinou nossas vidas, mas, de alguma forma, arruinou a vida de muitas pessoas.” Acrassicauda fugiu do Iraque em 2006, após ameaças persistentes e acusações que vão desde serem adoradores de Satanás até de espalharem valores ocidentais degenerados.

Mas os integrantes da banda se consideram pessoas de sorte. Não foram feridos no ataque ao porão onde ensaiavam e ganharam fãs depois do documentário americano-canadense Heavy metal em Bagdá, apresentado em vários festivais de cinema.

Desta forma, o Vice, grupo de mídia por trás do filme, buscou apoio para os membros da banda quando estes fugiram para a Síria e depois para a Turquia e, finalmente, no início de 2009, para os Estados Unidos, onde não tem sido fácil manter uma carreira musical sustentável.

“As oportunidades existem, mas temos que trabalhar muito mais duro do que pensávamos. Todos nós trabalhamos em restaurantes, prestando serviços de alimentação, em todos os tipos de porcaria, porque queremos fazer música”, ressalta Hamawandi, o guitarrista.

TURNÊ Em 2010, o Acrassicauda lançou um EP – Only the dead see the end of the war – e realizou uma turnê pelos Estados Unidos, abrindo um show da popular banda Ministry. Mas os custos de realizar um álbum completo continuavam sendo proibitivos.
Finalmente, apelaram ao site de coleta de fundos Kickstarter, o que lhes permitiu arrecadar dinheiro suficiente para lançar de forma independente o álbum, que é vendido no site do grupo.

Apesar de falarem em política, os músicos têm um único forte desejo: voltar a tocar no Iraque.

“Precisamos de 15 anos para fazer um álbum e poderia levar outros 15 anos para voltarmos a tocar no Iraque. E eu poderia estar tocando a bateria no fundo de uma cadeira de rodas com uma máscara de oxigênio”, diz Marwan. “Mas acredito que a história desta banda seja sobre sonhos a longo prazo. Sempre há luz no fim do túnel.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA