Festa I.N.C.R.Í.V.E.L! traz Hypnotic Brass Ensemble e Móveis Coloniais de Acaju a BH

Evento no Espaço Even ainda terá atrações circenses, show da Alcova Libertina e discotecagem dos Djs Yuga e Thiagão

22/05/2015 11:56

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Hypnotic Photo/Divulgação
Banda norte-americana apresenta mistura de jazz e hip hop pela primeira vez em BH (foto: Hypnotic Photo/Divulgação)
Esdras Nogueira, saxofonista da banda Móveis Coloniais de Acaju, não vê a hora de chegar a a BH. É que ele é fã do torresmo e do fígado acebolado do Mercado Central, e pretende dar uma passada no local se seu voo chegar cedo à cidade. Mas o músico não virá a BH somente para saborear as iguarias mineiras. Ao lado dos companheiros de banda, o instrumentista se apresenta na noite desta sexta-feira na festa I.N.C.R.Í.V.E.L!, que ainda terá a presença ilustre dos norte-americanos do Hypnotic Brass Ensemble, e a animação do Bloco da Alcova.

"Eu adoro BH. É um lugar onde nos sentimos em casa, que é hospitaleiro. Acho que essa simpatia é natural do mineiro. Então estamos chegando com muita vontade de fazer o show. É muito bom tocar onde as pessoas gostam do que a gente faz", disse Esdras, em entrevista por telefone. O saxofonista ainda adiantou que o repertório do show será baseado do último disco da banda, 'De lá até aqui', lançado em 2013. “Mas com certeza vamos tocar músicas de todos os discos. A pegada do show vai ser para frente, para dançar. Estamos gostando muito de fazer esse tipo de show mais animado”, contou Esdras.

Moveis Coloniais de Acaju/acervo pessoal
Móveis vão levar ao palco repertório baseado no disco 'De lá até aqui', de 2013 (foto: Moveis Coloniais de Acaju/acervo pessoal )
DIRETO DOS EUA

Uma das grandes expectativas da festa I.N.C.R.Í.V.E.L é a presença da banda norte-americana Hypnotic Brass Ensemble, que trará pela primeira vez à cidade a swingada mistura de jazz e hip hop. Para Esdras, dividir palco com o grupo é uma oportunidade de trocar experiências e conhecer melhor o som dos caras. “É um intercâmbio. É uma banda formada basicamente por sopro, e tem essa pegada do hip hop que mostra bem a cara da música produzida atualmente nos EUA”, explica.

Para quem não conhece, a Hypnotic Brass Ensemble é uma banda formada por oito irmãos de Chicago, filhos do renomado trompetista de jazz Phil Cohran. Imersos no meio musical desde a infância, os rapazes formaram um grupo que reúne apenas instrumentos de sopro e bateria, mistura que já rendeu oito discos. Em sua passagem pelo Brasil o grupo ainda toca nas cidades de Curitiba, Brasília, Rio de Janeiro e São Paulo.

O CARNAVAL NÃO TEM FIM

Para completar a noite da I.N.C.R.Í.V.E.L, sobem ao palco os mineiros da Alcova Libertina. Formado em 2011, o grupo é um dos destaques do carnaval de Belo Horizonte, trazendo inusitadas releituras carnavalescas de bandas clássicas do rock como Beatles, Led Zepelin, Rolling Stones e The Doors, além de músicas de Caetano Veloso, Mutantes e Gilberto Gil.

A festa, que tem como mote a mistura entre música e arte circense, ainda terá atrações circenses e performances artísticas. Nos intervalos dos shows, quem comanda a diversão são os DJs Yuga e Thiagão, da festa Sexta Básica.

 

I.N.C.R.Í.V.E.L! 

Shows com Hypnotic Brass Ensemble, Móveis Coloniais de Acaju e Bloco da Alcova + atrações circenses. Sexta-feira, 22 de maio, às 22h no Espaço Even (Rua Vereador Antônio Zandona, 245-275, Jardinópolis). Ingressos: R$60 (inteira - lote 1). Informações pela página do evento no Facebook.

 

DUAS PERGUNTAS PARA...
Esdras Nogueira, Saxofonista do Móveis Coloniais de Acaju

Raimundo Sampaio/EM/D.A Press
''A parte criativa precisa de maturação. Para o disco novo vamos precisar vir de umas férias'' (foto: Raimundo Sampaio/EM/D.A Press)
último disco do Móveis foi lançado em 2013. Vocês já estão pensando no próximo?
Não começamos a pensar não...(risos). Vai sair mais um clipe do disco neste ano. E estamos fazendo vários projetos solo. Foi um ano que tiramos para fazer outras coisas, apesar de continuarmos viajando com a banda. Acho que o que está acontecendo é importante, porque estamos juntos há muito tempo, e precisávamos dessa válvula artística.

A parte criativa precisa de maturação. E acho que para o disco novo vamos precisar vir de umas férias, sabe? Senão acabamos fazendo mais do mesmo, e uma das funções do artista é se renovar. E não gostamos muito do lugar comum, buscamos fazer coisas autênticas. Mas daqui a um tempo com certeza a vontade do disco novo vai vir.

Vocês lançaram um filme recentemente. Como foi a ideia do projeto?
Lançamos o documentário 'Mobília em casa', dirigido por José Eduardo Belmonte. O filme fala sobre Brasília, e é uma forma de mostrar o lugar do ponto de vista do Brasiliense. Muita gente tem uma impressão que a cidade tem uma energia carregada, por causa da política. Mas Brasília é muito mais do que isso, tem uma identidade cultural.

No filme tocamos em dez locações ao vivo. E misturamos isso com depoimentos das pessoas. O filme é para quem é de lá se emocionar, e para quem é de fora, conhecer. Quem quiser o DVD, vai estar disponível lá no show. E o filme também está na programação do Canal Brasil.

 

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA