Affonsinho apresenta hoje à noite 'Lá de um lugar', no Teatro Bradesco

Em seu novo trabalho, cantor e compositor mineiro traz a guitarra e o blues, duas das marcas mais importantes de sua trajetória

por Mariana Peixoto 09/05/2015 14:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Anna Lara/Divulgação
Desde 1998, o músico lançou 10 álbuns autorais, sendo grande parte com selo independente (foto: Anna Lara/Divulgação)

Prolífico é um adjetivo que cabe perfeitamente a Affonsinho. Cantor, compositor, produtor, instrumentista, lançou 10 álbuns autorais desde 1998. Se contarmos os dois Esquinas de Minas, com releituras do Clube da Esquina, o número de discos sobe para 12. A quantidade impressiona, ainda mais levando-se em consideração que boa parte desta discografia é independente – neste período houve uma passagem pelo selo Dubas.

Lá de um lugar, que ganha show de lançamento hoje, no Teatro Bradesco, é seu décimo álbum. É também um trabalho de transição. Guitarrista por vocação (é um dos grandes do blues no Brasil; ainda encabeçou, nos anos 1980, o Hanói Hanói), tornou-se cancionista a partir de seu primeiro disco solo, Tudo certo? (1994).

Seria um cancionista bissexto não fosse a repercussão dos trabalhos iniciais. Fez sucesso no Japão, onde seus discos ao violão produzidos para o Dubas foram lançados, acabou sendo muito gravado por cantoras (culpa de sua “alma feminina”, ele acredita), e não parou. Mas o guitarrista, que só aparecia em shows, acabou pedindo seu lugar de volta.

O novo trabalho mistura esses dois lados. A sonoridade é baseada no folk, mas a guitarra começa a aparecer. Prova disso é No carinho, canção que abre o álbum. A letra delicada e os vocais trabalhados são entremeados pela guitarra sempre certeira de Affonsinho. Um novo tom já tem uma pegada de blues, é aberta por um riff elegante, assim como O amor me perguntou.

O lado bossa, bem conhecido de seu público, aparece no novo trabalho com uma ousadia. Est pour te dire tem letra em francês e português. Affonsinho caminha nesta toada até o final do disco, que já anuncia o que está por vir.

A instrumental Love you, blues, dedicada aos mestres Eric Clapton, Albert King, Jeff Beck, Jimi Hendrix, entre vários dos grandes, é um prenúncio de seu próximo disco. Incansável, Affonsinho já tem 12 blues compostos para o próximo álbum, que pretende lançar no fim do ano.

No show de hoje, vai dar para ver esses dois lados de Affonsinho. Acompanhado da mesma banda que gravou o álbum – Frederico Heliodoro no baixo, Felipe Continentino na bateria e Christiano Caldas nos teclados, mais as backing vocals Marilene e Mel –, vai tocar tanto as músicas novas quanto antigas.

Ainda vai receber Marina Machado para interpretar Vaga-lumes e Disco voador, canções de Affonsinho que a cantora já registrou, e a carioca Marina Guedes, que vai dividir com ele os vocais em Menina do Rio. Ao final, com os guitarristas Gustavo Andrade e Alder Júnior, vai executar Blues e dor (Affonsinho e Chico Amaral). Os blueseiros de BH certamente vão se lembrar dela, que teve uma versão matadora registrada por Bauxita nos anos 1990.

AFFONSINHO


Show hoje, às 21h, no Teatro Bradesco, Rua da Bahia, 2.244, Lourdes, (31) 3516-1360. Ingressos: R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA