Belo Horizonte recebe primeira edição do Festival Brasil Sertanejo

Evento reúne duplas do gênero musical que domina as paradas de sucesso com um som que dotou de elementos românticos e do pop o que já foi a música caipira

por Ailton Magioli 08/05/2015 10:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Marcos Hermes/Divulgação
A dupla Cesar Menotti & Fabiano, que construiu sua carreira em Minas e hoje depende mais da renda de shows do que da venda de discos (foto: Marcos Hermes/Divulgação )
Depois de vencerem o desafio de conquistar a Zona Sul da capital mineira, os irmãos César Menotti & Fabiano chegam a um dos maiores palcos de Belo Horizonte, como uma das principais atrações do Festival Brasil Sertanejo. O evento conta com promoção do Estado de Minas.


A organização espera que a Esplanada do Mineirão receba amanhã 25 mil pessoas, para uma maratona de shows de nomes em evidência na atual cena do gênero, tais como Henrique & Juliano, Jads & Jadson, Henrique & Diego, Victor & Fabiano, com a participação dos “intrusos” no gênero Aviões do Forró.

César Menotti & Fabiano são nascidos, respectivamente, em São Paulo e no Paraná, mas acabaram fazendo da capital mineira o QG de sua carreira fonográfica. “BH foi muito importante para nós”, diz Menotti, atribuindo à cidade a abertura das portas para eles atingirem o público universitário, numa época em que a música eletrônica dominava.

A dupla é exemplo característico de um fenômeno no cenário musical brasileiro – a voracidade com que o mercado lança e absorve duplas sertanejas, herdeiras em alguma medida dos célebres caipiras das décadas de 1910 - 20.

“No nosso caso, além de conservar o dueto característico do estilo, nós também continuamos falando do campo e cantamos o tema romântico envolvendo dois personagens”, diz Menotti, em comparação com o universo caipira, que deu lugar à massificação do gênero, a partir dos anos 1980, para por fim desaguar no chamado sertanejo universitário dos anos 2000.

EVOLUÇÃO “Infelizmente, ela vem perdendo as referências rurais, mas o mundo evolui e a música sertaneja vai junto”, afirma César Menotti, para quem a tendência do gênero, a partir de agora, é o romantismo que perdurou nos anos 1980 - 90. Para Fabiano, o dado mais importante a ser observado é a mudança do mercado físico para o digital.

“Se, por um lado, (isso) facilita, com o advento de aparatos como o pen drive, no qual você pode gravar um disco inteiro, por outro prejudica a venda do disco físico”, diz o cantor, salientando que muita gente ainda não tem acesso ao mundo virtual. Por outro lado, no entanto, a dupla festeja o efeito das redes sociais na aproximação com os fãs.

Autor do livro 'Cantando a própria história – Música caipira e enraizamento', o mineiro Ivan Vilela,  que também é violeiro e professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP),  diz que é um equívoco chamar a atual produção musical do gênero de música sertaneja. “Ela não tem nenhum traço do grande bastião do foco do Centro-Sudeste do Brasil”, diz ele, exemplificando que uma dupla como Fernando & Sorocaba está muito mais próxima de Lady Gaga do que da dupla Tião Carreiro & Pardinho.

“O sertanejo universitário não guarda nenhuma característica que possa atestá-lo como música sertaneja”, diz Ivan, para quem o termo foi usurpado para ser usado no novo segmento apenas por interesses comerciais.

A média de shows das atuais duplas atesta o sucesso comercial do empreendimento. Em apenas sete anos de carreira, Henrique & Juliano já atingiram média de 25 apresentações por mês, segundo a assessoria de imprensa da dupla de Palmas (TO), que é a principal atração do Festival Brasil Sertanejo. Henrique & Juliano têm cinco CDs e dois DVDs lançados, os mais recentes deles pela Som Livre – 'Ao vivo em Palmas', de 2012, e 'Ao vivo em Brasília', do ano passado.

INTERESSE Com a força que o gênero ganhou nos últimos tempos, segundo Fernando Lobo, gerente de artista e repertório da Som Livre, é natural que a gravadora carioca, de propriedade da Globo, tenha se interessado. “O interesse mais recente vem de 2008, quando contratamos as primeiras duplas”, diz ele, apontando Luan Santana, Jorge & Mateus, Victor & Léo, padre Alessandro Campos e Gusttavo Lima como os top de vendas da empresa.

De acordo com Lobo, boa parte desses artistas estão desdobrando o gênero para o que as gravadoras chamam de “sertanejo pop”, com arranjos e letras com as características da música pop mundial. “E isso vem ajudando a cobrir algumas brechas geradas pela crise”, admite o executivo da gravadora carioca. Para ele, o segmento popular ainda é muito relevante na venda física do disco. “Mas as vendas digitais vêm demonstrando crescimento, também.”

Atualmente, a Som Livre possui 30 artistas sertanejos em seu cast, entre os quais o fenômeno Henrique & Juliano, de Palmas (TO). César Menotti & Fabiano, por sua vez, dizem fazer de 13 a 14 shows por mês, podendo atingir a faixa de 18 a 20 no mesmo período. Segundo Menotti, o fenômeno da pirataria repercutiu na carreira da dupla no aumento de sua dependência das apresentações em relação à vendagem de discos. Ainda assim, o penúltimo lançamento em CD da dupla teria atingido a marca dos 100 mil cópias vendidas, enquanto o DVD chegou ao Disco de Platina, com 50 mil cópias vendidas.

GRADE

Primeiro festival do gênero genuinamente mineiro, o Brasil Sertanejo é produto da parceria entre a Nenety Eventos e João Wellington Promoções, cujo objetivo é integrar-se ao calendário dos grandes eventos da capital.


A grade de shows foi montada para atender diferentes exigências e públicos, privilegiando nomes de ponta da cena sertaneja atual. Os shows ocorrerão sem intervalos e, para isso, a produção providenciou dois palcos, nos quais as apresentações se alternarão. A praça de alimentação é composta por food trucks (caminhões adaptados em restaurantes).

FESTIVAL BRASIL SERTANEJO
Sábado, a partir das 14h, na Esplanada do Mineirão, Av. Antônio Abrahão Caram, 1.001, Pampulha. O primeiro show começa às 15h30. Ingressos: de R$ 60 (pista/meia) a R$ 360 (camarote Wood’s/Individual). Censura: 14 anos (pista), 16 anos (área VIP) e 18 anos (Camarotes).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA