Novo disco de Lenine tem parcerias com Nação Zumbi e Marco Polo

Confira o faixa a faixa de 'Carbono', que será lançado na quinta-feira, mesmo dia da estreia do show, em São Paulo

por Luiza Maia 29/04/2015 10:59

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Flora Pimentel/Divulgação
Conceito químico alotropia é a base para o processo de composição das 11 faixas inéditas (foto: Flora Pimentel/Divulgação)
A capa e o encarte foram traçados com a maciez do grafite pelo artista plástico José Carlos Lolo. As 11 faixas foram lapidadas como diamante em estúdios do Rio de Janeiro, de São Paulo, Salvador e Amsterdã durante três meses. Embalado pela dualidade do elemento químico primordial dos compostos orgânicos, o cantor e compositor pernambucano Lenine lança Carbono, o 10º disco de estúdio. O CD chega às lojas na quinta-feira, dia em que estreia série de apresentações em São Paulo. No repertório, resgata músicas poucos exploradas no palco, como 'Olho de peixe' (1993) e 'Magra', de 'Labiata' (2008).

A capacidade de formar substâncias distintas a partir da combinação diferente das moléculas - grafite e diamante, no caso -, conceito em química conhecido como alotropia, é a base para o processo de composição das faixas inéditas, presente também nas letras, de forma mais ou menos direta. As parcerias, umas recorrentes, como Lula Queiroga e Dudu Falcão, outras tantas inéditas, como Nação Zumbi, Marco Polo, Carlos Posada (do grupo Posada e o Clã), são destrinchadas em vídeos feitos pela fotógrafa pernambucana Flora Pimentel. “É um dos olhares mais bacanas. Já namorava o trabalho dela há um tempo. Não é genética. É cinética”, brinca, sobre afinidade artística com a sobrinha.

“Do ser ao pó é só carbono”, filosofa, em 'A causa e o pó', parceria com o primogênito, João Cavalcanti. Os filhos Bruno Giorgi - produtor de 'Chão' e novamente envolvido na missão -, Bernardo e João completam o coro dos vocais. “Nossa glote e aparelho fonador são parecidos. Temos o mesmo timbre”, justifica Lenine. “É um disco químico, físico, biológico”, conta o pernambucano formado em engenharia química, entre incontáveis termos técnicos e acadêmicos.

Divulgação
(foto: Divulgação)
E geográfico. Ele concorda. “Talvez seja o meu trabalho mais pernambucano”, considera o compositor de Leão do Norte, um dos clássicos musicais do estado. Toques de frevo, ciranda e maracatu, a referência à celebração à cultura afro-brasileira em 'À meia-noite dos tambores silenciosos' e a entonação da fala mesclada às agruras ambientais em 'Quede água' são as mais explícitas, em meio a outras mais discretas, tachadas de legendas.

Sonoramente, Carbono marca o retorno da percussão e bateria, suprimidas de 'Chão' para dar lugar a tons mais orgânicos, como o canto do canário belga Frederico VI na canção 'Amor é pra quem ama'. “Sístole e diástole”, define, lançando mão de termos emprestados da biologia para contração e relaxamento do músculo cardíaco.

“Tem a tonalidade melódica, algo meio Dominguinhos, e a melancolia”, analisa, apesar de se definir como otimista. “O Antropoceno (período geológico atual) é muito novo. Nós nunca influenciamos tanto a vida do planeta. Eu acredito no homem. O poder que ele tem de destruir é o de construir”, diz. E 'Carbono' é uma construção de Lenine para dentro de si.

Faixa a faixa

'Castanho' (Lenine e Carlos Posada) - Com letra de Carlos da Posada e o Clã, da qual faz parte Bruno Giorgi, aborda laços familiares e um casamento duradouro, que ele considera aspecto em comum - Lenine é casado há mais de 30 anos.

'O impossível vem pra ficar' (Lenine e Vinicius Calderoni) - Com Tó Brandileone, reafirma parceria com o 5 a Seco e a relação com novos músicos.

'À meia-noite dos tambores silenciosos' (Lenine e Carlos Rennó) - Definida como quase oração, foi gravada com Letieres Leite e Orkestra Rumpilezz, com música de terreiro e maracatu.

'Cupim de ferro' (Lenine, Pupillo, Lucio Maia e Jorge du Peixe) - Frevo com batidas de rock tem título inspirado em 'Madeira que cupim não rói', de Capiba, foi composto em parceria e tem coprodução de Pupillo.

'A causa e o pó' (Lenine e João Cavalcanti) - Primeira parceria com o filho registrada em disco dele, é a definição conceitual do álbum: “A dureza real de quem é pedra (…) O risco se apagou?”

'Quede água' (Lenine e Carlos Rennó) - Com Marcos Suzano na percussão, parte da escassez do bem no Nordeste para refletir sobre o planeta. “Tem um senso de oportunidade no momento em que a gente vive a resposta da natureza”, diz.

'Simples assim' (Lenine e Dudu Falcão) - Única canção já existente antes do projeto, aborda a busca por simplificar a vida, parceria com o conterrâneo de 'É o que me interessa' e 'Paciência'.

'Quem leva a vida sou eu' (Lenine) - Com participação de Marcos Suzano, é uma das três com coro dos filhos (as outras são 'Cupim de ferro' e 'Quede água') e traços de baião com bateria.

'Grafite diamante' (Lenine e Marco Polo) - Chamado antes de 'Duelo', o poema do vocalista da Ave Sangria recebeu o trecho “a gente se junta e dança na diferença” e foi adaptado para uma visão mais esperançosa. Carlos Malta toca sax.

'O universo da cabeça do alfinete' (Lenine e Lula Queiroga) - Reforçadora da dualidade do disco - “Doído, e ainda assim contente/ Descrente, e ainda assim feliz” -, tem participação da Martin Fondse Orchestra, de Amsterdã (Holanda).

'Undo' (Lenine, Guila, JR Tostoi e Bruno Giorgi) - Única instrumental, com colegas de palco. A bateria é de Pantico Rocha.

SERVIÇO
'Carbono, de Lenine
Gravadora: Universal
Preço: R$ 24,90 (R$ 15,90 na pré-venda)

Confira vídeo sobre a faixa 'Cupim de ferro', em parceria com a Nação Zumbi:

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA