Kendrick Lamar aponta luta diária contra racismo no álbum 'To pimp a butterfly'

Vazado na internet uma semana antes do lançamento oficial, disco de inéditas traz vocais de Tupac Shakur em homenagem póstuma à luta do rapper

por Fernanda Machado AFP 17/03/2015 19:45

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Angelo Merendino/Getty Images/AFP
(foto: Angelo Merendino/Getty Images/AFP)
Em seu mais recente disco, vazado antes de seu lançamento oficial no dia 23 de março, o rapper americano Kendrick Lamar expressa sua introspecção e reflexão sobre a luta antirracista, acompanhado de um convidado póstumo: Tupac Shakur. O rapper de 27 anos, que lança o álbum após 3 anos, reflete em 'To pimp a butterfly' sobre o racismo e os "dois pesos, duas medidas" que os negros nos Estados Unidos precisam enfrentar diariamente.

"Quando você tem 30 anos, é como se arrancassem o coração e a alma do homem - de um homem negro - neste país", revelou o ex-rei do rap Tupac Shakur, em 1994. Estas palavras ressurgem neste trabalho de Lamar, como um diálogo com o falecido rapper, que morreu violentamente em 1996 depois de ser baleado várias vezes em uma avenida de Las Vegas.

'To Pimp a Butterfly' conserva o ritmo funk próprio de um rapper que busca alusões históricas mais profundas. Incomum para este tipo de álbum, inclui passagens faladas sem música.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA