José Rico, da dupla com Milionário, morre aos 68 anos

Em mais de quatro décadas dedicadas à música, artista elevou popularidade das canções sertanejas

por Bossuet Alvim 03/03/2015 15:39

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Fabio Nunes/Divulgacao
José Rico (à direita) dividiu composições e décadas de estrada com Milionário (foto: Fabio Nunes/Divulgacao )
Morreu na tarde desta terça-feira, 3, aos 68 anos, o cantor e compositor sertanejo José Rico, da dupla com Milionário. Vítima de infarto, o músico pernambucano havia sido internado nesta manhã em um hospital de Americana, interior de São Paulo, com complicações cardiácas e renais. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa da dupla.

 

Veja também: famosos lamentam morte de José Rico

Com trajetória que ultrapassa quatro décadas, o duo está entre os responsáveis pela onda de popularização do gênero musical entre os anos 1970 e 1980 — em parte graças ao flerte de José Rico com ritmos latinos, especialmente as canções populares do paraguai e instrumentos do folclore cigano.

Nascido em 1946 no interior de Pernambuco e criado até a juventude no Paraná, José Alves dos Santos migrou ao fim da década de 1960 para São Paulo, onde conheceu o mineiro Romeu Januário de Matos, que mais tarde assumiria o nome artístico de Milionário.

 

José adotou o 'Rico' como apelido em homenagem à pequena cidade paranaense de Terra Rica, que considerava sua terra natal. Chegou a incluir a palavra como sobrenome oficial, registrado em cartório. Mais tarde, seus vibratos e entonação inconfundível lhe renderiam a alcunha de "o garganta de ouro do Brasil".

 

José Rico chegou à capital paulista em busca de profissionalização como cantor, apesar de ter se arriscado na carreira de jogador de futebol ainda na adolescência. Tendo como inspiração o carioca Miltinho, chegou a formar algumas duplas enquanto vivia no Paraná, mas mudou-se para a metrópole em busca de oportunidades maiores como intérprete. Com poucos recursos e sem conhecidos, hospedou-se em um dos hotéis baratos que eram refúgios para artistas anônimos na região paulistana conhecida como 'Boca do lixo'. Ali conheceu o mineiro Romeu, também recém-chegado à cidade, de quem tornaria-se o nono parceiro musical.

 

Relembre alguns hits de Milionário e José Rico:

 

As primeiras aparições da dupla incluem o 'Show de calouros' apresentado por Silvio Santos no início dos anos 1970. A princípio, os artistas apresentavam-se como José Rico e Tubarão, até que o mineiro de Monte Santo teve a ideia de assumir-se como Milionário em referência ao apelido do parceiro. O próprio cantor também aponta seu nome artístico como uma releitura bem-humorada do popular Carnê Milionário do Baú, uma febre à época.

 

Facebook/Reprodução
Vozeirão inconfundível rendeu ao cantor o apelido de ''garganta de ouro do Brasil'' (foto: Facebook/Reprodução)
O primeiro compacto, produzido de maneira independente e com prensagem paga pelos artistas, ganhou notoriedade graças à faixa 'De longe também se ama', composição de José Rico. Em 1973 foram contratados por um selo da gravadora Continental, por onde  lançariam 'Ilusão perdida' (1975), álbum que rendeu o sucesso 'Amor pra quem te amo'. Já na estreia, alcançaram disco de ouro. Seguiram-se outras gravações, às dezenas — são mais de 30 trabalhos em estúdio — sempre com vendas inabaláveis entre os amantes do sertanejo.

 

Estrada da vida

O ápice da popularidade, contudo, só chegaria no quinto disco da dupla, com a gravação de 'Estrada da vida'. Lançada em 1977, a canção de José Rico tornou-se um sucesso definitivo, marcando a trajetória dos músicos e tornando-se referência entre os intérpretes do gênero.

 

Com mais de 2 milhões de cópias vendidas, a faixa inspirou o título de 'Na estrada da vida' (1980), filme que narra a trajetória do duo. Dirigido por Nelson Pereira dos Santos ('Rio, 40 graus' e 'Vidas secas'), o longa contou com Milionário e José Rico interpretando a si próprios, em elenco completo por Nádia Lippi e Turíbio Ruiz. A produção foi premiada no Festival de Brasília e chegou a ser exportada para circuitos internacionais, incluindo a China, onde os brasileiros cultivavam uma considerável e inusitada legião de fãs.

 

Veja trecho do filme 'Na estrada da vida' (1980):

 

Os sertanejos ainda retornaram às telonas em 1988 como estrelas do longa 'Saudade de minha terra', dirigido por Ney Sant'anna, filho de Pereira dos Santos. No drama musical, Milionário e José Rico são vítimas do golpe de um empresário e perdem todo o patrimônio. Fugindo da polícia, contam com a ajuda de uma caminhoneira (Marcélia Cartaxo) na busca por um deputado que pode salvá-los das complicações.

 

Confira cena de 'Saudade de minha terra' (1988):

 

 

A dupla chegou a separar-se após o lançamento do vigésimo álbum da carreira, entre 1991 e 1994, graças ao que descreveram em entrevistas como "um comum acordo". José Rico chamava estes três anos sem o parceiro de "um tempo que não somou nada".  Durante o período, Milionário gravou com Mathias — à época também separado do parceiro Mato Grosso — enquanto José arriscou-se em carreira solo. Retomaram a parceria com o disco 'Nasci para te amar', primeiro lançamento em CD da carreira. Nas últimas eleições, em 2014, José Rico foi candidato a deputado federal por Goiás, pelo PMDB, mas não conseguiu se eleger.

 

Ouça uma das faixas da breve carreira solo de José Rico:

 

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA