Banda Suricato lança primeiro disco após o destaque no reality 'SuperStar'

Grupo aposta na visibilidade obtida na TV para atrair a atenção para o álbum 'Sol-te'. Sonoridade traz influências da cultura de outros continentes

por e Ailton Magioli 25/12/2014 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paula Costa/Divulgação
(foto: Paula Costa/Divulgação)
Por mais que o celebrado sertanejo tenha adotado certa simplicidade nos arranjos e no discurso, como faz questão de lembrar o cantor e instrumentista Rodrigo Suricato, toda música de raiz acaba se expressando de maneira diferente em seu país de origem. Que o diga o próprio Brasil, onde o grupo Suricato, liderado pelo jovem artista, vem se destacando na linha pop-folk desde que participou do reality show 'SuperStar', da TV Globo.


Com 'Sol-te', disco que chega ao mercado via selo Slap (Som Livre), a banda aproveita a superexposição televisiva para tentar encontrar o seu público. Mas Rodrigo Nogueira quer saber: afinal, que público é esse?. Enquanto foram quase onipresentes na telinha, os integrantes chamaram a atenção de pessoas de variadas faixas etárias, dos 13 aos 45 anos.

Quem curtiu músicas como 'Trem', 'Um tanto e Talvez', via 'SuperStar', que se prepare. De acordo com o vocalista do Suricato, canções do novo disco poderão embalar alguma novela da Rede Globo. É a praxe adotada pela emissora, que também é proprietária da Som Livre.

'Sol-te' é o primeiro disco da banda, que ficou em quarto lugar no reality show, depois de Luan e Forró Estilizado, da vice-campeã Jamz e da vencedora Malta. Anteriormente, o Suricato havia lançado 'Pra sempre primavera'.

A formação mudou. Hoje, reúne Rodrigo Suricato (voz, guitarras, violões, dobro, ukulele, tambura, palmas e bumbo mala), Gui Schwab (guitarras, violões, viola caipira e backing vocal), Raphael Romano (baixo e backing vocal) e Pompeo Pelosi (bateria e percussão). Christiaan Oyens (bateria adicional, violão de colo havaiano e backing vocal) é o convidado especial.

PESQUISA A banda aposta na pesquisa etnomusical despertada pela paixão por sons de outros continentes e culturas. Em 'Sol-te', por exemplo, Suricato adotou o didjeridoo australiano, presente na faixa 'Inseparáveis'.

Produzido por Christiaan Oyens, que marcou época na carreira de Zélia Duncan em sua fase mais folk, o álbum privilegia a criação solo de Rodrigo Suricato, além de parcerias dele com Dudu Falcão ('Bom começo') e Paulinho Moska ('Pra tudo acontecer'), entre outras dobradinhas.

Desde 2007, o Slap, selo que privilegia a nova criação musical brasileira, lançou no mercado trabalhos dos artistas Maria Gadu, Silva, Marcelo Jeneci, Tiago Iorc, Ana Cañas, Mombojó, Nação Zumbi, Dani Black, Móveis Coloniais de Acaju e Rodrigo Amarante.

Em tempo: Suricato não é sobrenome. Trata-se de um bichinho que os músicos conheceram por meio de um programa exibido no canal Animal Planet.

PADRINHOS
No início da carreira, Suricato se apresentou com nomes importantes da cena pop, como Nando Reis, e da MPB, como Paulinho Moska. O ex-Titã deu uma força e tanto para a banda: convidou os rapazes para cantar Drive my car (Beatles) em seu show, e fez questão de tocar violão no lançamento do primeiro CD do grupo.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA