Artistas mineiros prestam homenagem a Raul Seixas na Praça da Estação

Tributo ao mestre, batizado de "Toca Raul", reuniu Zélia Duncan, Bnegão e os Seletores de Frequência, Letuce, e o Terno

por e Valquiria Lopes 13/12/2014 21:06

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Leandro Couri/EM/DA Press
A DJ Vivi Seixas, filha de Raul, discotecou sucessos do pai entre uma apresentação e outra (foto: Leandro Couri/EM/DA Press)
Nem foi preciso pedir pra tocar Raul como é costume em todos os shows de rock. O repertório neste sábado, na Praça da Estação, no Centro de Belo Horizonte, foi todo em homenagem ao gênio do rock brasileiro. As canções de Raul Seixas, que embalam gerações, foram interpretadas por um time de peso no cenário musical. O tributo ao mestre, batizado de “Toca Raul”, reuniu Zélia Duncan, Bnegão e os Seletores de Frequência, Letuce, e o Terno, no show que começou às 17h com previsão de terminar a meia-noite. O embalo teve presença especial. A DJ Vivi Seixas, filha de Raul, discotecou sucessos do pai entre uma apresentação e outra e relembrou momentos da convivência de oito anos com o ídolo que atravessou gerações. O projeto “Toca Raul”, que teve passagens também por São Paulo e Brasília, leva ao palco amanhã os artistas Chico César, Kátia B, Lucas Santtana e Marcelo Nova. Este último foi parceiro do cantor baiano que faleceu em 1989. Até o fim da noite, a expectativa é de que cerca de 8 mil pessoas passassem pelo evento. O mesmo público é estimado para amanhã.

Idealizador do projeto, o diretor artístico Luis Filipe de Lima, explica que a ideia de criar o Toca Raul surgiu do aniversário de 40 anos do filme que conta a história do artista, em 2013. “Foi uma excelente mote, uma oportunidade para celebrar a memória do Raul, com um painel muito rico e variado de intérpretes contemporâneos”, afirmou. Segundo ele, entre 60 e 70 músicas serão tocadas nos dois dias do evento. “Praticamente nenhuma será repetida porque a discografia do Raul é muito vasta. Ele compôs mais de 300 canções”, lembra.

Profissionalmente, Vivi Seixas chegou a ser criticada por não ter relação com a obra do pai, como ela mesma contou durante sua apresentação na Praça da Estação. Mas, no ano passado lançou um CD com músicas de Raul remixadas, o que fez sucesso entre ontem os fãs. “Pra mim é um prazer enorme, motivo de alegria, tocar as músicas do meu pai. Ao mesmo tempo uma responsabilidade enorme, porque sei do amor dos fãs pelo trabalho do meu pai”, diz.

Leandro Couri/EM/DA Press
(foto: Leandro Couri/EM/DA Press)


E o que não faltou foram sósias do astro. Além de estar vestido a caráter, José Amaro, de 42, tem traços que lembram Raul. Traz no braço uma tatuagem do ídolo e diz ter todos os LPs dele, além de revistas e publicações que formam um verdadeiro acervo. “Curto o Raul desde a adolescência e me identifico muito com as canções dele. Minhas prediletas são Capim Guiné e Maluco Beleza”, contou. O ferroviário Ronaldo Júnior Dias também revelou o amor pelo artista. Desde criança curte os sucessos de Raul, o que aprendeu com o pai. Depois de um tempo, passaram a dizer que eu me parecia com ele e passei a deixar a barba”, contou.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA