Terceira edição da BH Beatle Week começa com maratona de shows e exposição

Artistas mineiros falam da ligação com a banda e da influência musical dos Fab Four

por e Ailton Magioli 03/12/2014 08:31

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Barbara Dutra/Divulgação
Lô Borges reconhece a influência dos Beatles na sonoridade e nos temas das canções do Clube da Esquina (foto: Barbara Dutra/Divulgação )
Qualidade + quantidade = permanência. A equação do beatlemaníaco Alexandre Salum é utilizada pelo músico Aggeu Marques para justificar o culto ininterrupto à música dos Beatles, objeto da terceira edição da BH Beatle Week, desta quarta a domingo, em variados pontos da capital.


 “Eles faziam dois discos por ano, todos só com música boa”, recorda o organizador e coordenador do evento, admitindo que, além de terem explorado do formato de voz e violão até a orquestra, os Beatles ainda mantêm atual sua mensagem, atraindo de adolescentes ao público adulto.


“Ainda é a bíblia musical contemporânea”, resume Aggeu, salientando que, em Minas Gerais, os músicos do Clube da Esquina foram despertados para a produção do quarteto de Liverpool de maneira especial. “Os ouvidos e a alma dos músicos daqui captaram isso de forma impressionante”, acredita Aggeu, acrescentando que tal herança musical acabou gerando um legado para o Clube da Esquina, o público e os artistas que vieram depois.


Pela primeira vez, a BH Beatle Week vai promover reunião inédita de músicos mineiros influenciados pelo quarteto, numa tentativa que a produção classifica de “a histórica ligação do Trem azul mineiro com os sonhos do Submarino amarelo inglês”. Beto Guedes, Lô Borges, Tunai, Paulinho Pedra Azul, Fio da Navalha, Affonsinho, Márcio Greyck e Aggeu Marques estarão no show inédito.


“No Clube da Esquina, quem melhor absorveu os Beatles foi Beto Guedes”, defende Lô Borges, lembrando que, quando Milton o convidou para gravar o célebre 'Clube da Esquina', em 1972, concluiu que tinha de levar Beto, “o único beatlemaníaco da turma”. “No Rio só havia bossa-novistas e jazzistas”, justifica Lô, recordando do dia em que ele levou o amigo para ver o filme 'Os reis do iê iê iê (A hard day’s night)'. Pouco depois, Lô, o irmão Yé Borges, Beto Guedes e Márcio Aquino integravam a banda The Beevers, cujo repertório era puro Beatles.


Para Lô Borges, as canções de Beto Guedes 'Sol de primavera', 'Contos da lua vaga' e 'Só primavera' foram compostas sob o impacto dos Beatles, enquanto na própria obra ele destaca 'Faça seu jogo', que compôs no piano e tem muito a ver com Paul McCartney, e 'Canção postal', ambas gravadas no antológico 'Disco do tênis', cujo nome oficial é simplesmente 'Lô Borges'. “A minha obra é uma simbiose de MPB com Beatles”, afirma Lô. “Eles têm uma obra muito vasta e rica. Muito genial”, conclui Lô.

 

Carol Reis/Divulgação
(foto: Carol Reis/Divulgação)
Quarteto inspira discos

 

Depois do Uakti, que acabou de gravar disco com repertório dos Beatles, agora é a vez de Túlio Mourão. Já no título, 'Come together – Túlio Mourão plays Beatles', produzido à base do financiamento coletivo (crowdfunding), o CD diz a que veio. “Algumas canções que gravei – 'She’s leaving home', 'Lady Madonna' e 'Eleanor Rigby', entre outras – tiveram força para fazer de mim um músico”, afirma Túlio, ao justificar a escolha.


Gravado em trio, ao lado dos baixistas Eneias Xavier, Pablo Souza e Wagner Faria, e dos bateristas Lincoln Cheib e Edvaldo Ilzo, Come together ainda conta com a participação do pandeirista Túlio Araújo em 'Lady Madonna', canção com a qual o pianista Túlio Mourão procura dar uma dose sutil de brasilidade ao projeto. “O trio é um formato que dá muita transparência. Ele é muito sintético e estimula todos os instrumentistas a ocupar espaço”, avalia Túlio Mourão, salientando o fato de, na formação, ninguém ser só apoio. “Aqui, todos são protagonistas, são estimulados a ocupar espaço.”


Túlio lembra que, mesmo não dominando inglês à época em que conheceu os Beatles, no fim dos anos 1960, ele sentia um apelo integral, irresistível pela música do quarteto. “Hoje os considero uma reserva poética da humanidade, pelo alcance e pela música planetária que produziram.” Para o pianista, há muito os Beatles deixaram de ser apenas um episódio de música jovem. “As composições deles são imbatíveis, monolíticas na força que têm de encantar. As canções dos Beatles conseguem transcender os limites da etnia, da origem, do estilo e da faixa social.”


Quem vai gravar um DVD ao vivo durante a BH Beatle Week será a Orquestra de Ouro Preto. Sob a regência do maestro Rodrigo Toffolo, o grupo promete promover mais uma vez, depois da gravação ao lado de Alceu Valença ('Valencianas'), o casamento entre o erudito e o popular. Com previsão de lançamento para o ano que vem, o DVD vem sendo negociado com o selo inglês Cavern Records. A ideia, de acordo com o regente, é promover uma viagem sonora pela biografia musical dos Beatles.

 

Três perguntas para Marcelo Fróes, pesquisador e produtor, proprietário do selo Discobertas

 

1) Qual foi a importância dos Beatles para a música do Clube da Esquina?
Inspiração para fazer boa música e influência nos arranjos e na busca por gravações atemporais. Os mineiros não são exatamente herdeiros, mas certamente assimilaram o alto astral e o amor à vida presentes na música dos Beatles

2) Por que a música do quarteto sobrevive há tantas décadas, tornando-se objeto constante de regravações?
A música deles inspira as pessoas a aprenderem algum instrumento ou a cantar. Ela dá vontade de sair tocando. Muitos começaram carreira assim.

3) Que projetos o selo Discobertas tem com a música dos Beatles?
Fizemos, inicialmente, o 'Álbum branco' (três CDs), 'Beatles 69' (três CDs) e 'Beatles 70' (dois CDs). Para completar, ainda fizemos o 'Beatles 67' (dois CDs) e, no final, temos aproximadamente 200 gravações exclusivas de artistas brasileiros cantando Beatles em inglês. Incluindo os mineiros Milton Nascimento ('Golden slumbers'), Flavio Venturini ('Something'), Jota Quest ('Get back'), Pato Fu ('Birthday'), Márcio Greyck ('Martha my dear'), Emmerson Nogueira ('Beautiful girl') e Aggeu Marques ('Penina'). Esse material está finalmente disponível para o mundo ouvir, por meio do iTunes e do Spotify.

 

 

BH BEATLE WEEK 2014

 

 

Quarta
» Abertura, às 21h. Circus Rock Bar. Rua Gonçalves Dias, 2.010, Lourdes, (31) 3275-4344. Com as bandas 3 Of Us e 4 Beatleband. R$ 20 (fem) e R$ 30 (masc).

Quinta
» Cine Theatro Brasil Vallourec. Praça Sete, Av. Afonso Pena, Centro, (31) 3201-5211. Às 21h: Beto Guedes, Lô Borges, Affonsinho, Paulinho Pedra Azul, Tunai e Márcio Greyck. Inteira: R$ 80 (plateia 1) e R$ 40 (plateia 2).


» Circus Rock Bar. Rua Gonçalves Dias, 2.010, Lourdes, (31) 3275-4344. Às 21h: Nelson e os Besouros, Nowhere Band e Hey. R$ 15 (fem) e R$ 20 (masc).


» Jack Rock Bar. Av. do Contorno, 5.623, Funcionários, (31) 3227-4510. Às 21h: Beat and Shout, Hey Baldock e Liverpool P.R.B. R$ 15 (fem) e R$ 20 (masc).


» Lord Pub. Rua Viçosa, 263, São Pedro, (31) 3223-0090. Às 21h: The Blackbirds, The Fabfakes e Hey Beatles.
R$ 15 (fem) e R$ 20 (masc).


Fim de Semana

» Cine Theatro Brasil Vallourec. Praça Sete, Av. Afonso Pena, Centro, (31) 3201-5211. Sexta-feira, às 21h: Bx4, Nowhereband e 4Beatle Band. Sábado, às 21h: Aggeu Marques e Gary Gibson. Domingo, às 19h: Orquestra Ouro Preto. Inteira: R$ 80 (plateia 1) e R$ 40 (plateia 2).


» Circus Rock Bar. Rua Gonçalves Dias, 2.010, Lourdes, (31) 3275-4344. Sexta-feira, às 21h: Gary Gibson, The Calangles e The Fabfakes. Sábado, às 21h: Anthology, Vix Beatles e Mr. Sun. R$ 20 (fem) e R$ 30 (masc).


» Jack Rock Bar. Av. do Contorno, 5.623, Funcionários, (31) 3227-4510. Sexta-feira, às 21h: The Blackbirds, Bgirls e For You Beatles. Sábado, às 21h: Beatles Rock, Seabelt e Bluebeetles. R$ 20 (fem) e R$ 30 (masc).


» Lord Pub. Rua Viçosa, 263, São Pedro, (31) 3223-0090. Sexta-feira, às 21h: Nelson e os Besouros, Seabelt e Vix Beatles. Sábado, às 21h: Revolver, For You Beatles e Beat And Shout. Domingo, às 19h: The Yesterdays e Hocus Pocus. R$ 20 (fem) e R$ 30 (masc).


» Status Café Cultura e Arte. Rua Pernambuco, 1.150, Savassi, (31) 3261-6045. Sábado – 12h: Bx4. 13h15: Beatlesrock. 14h30: Bluebeetles. 15h45: Mr. Sun Beatles. 17h: The Calangles. 18h15: Bgirls. 19h30: It’s Only Rolling Stones. 20h45: Eduardo Gallo e Lennon’s Band.

Exposição
» The Beatles in my life, de Camilo Lucas. Abertura nesta quarta, às 20h, na Galeria Urban Arts BH, Rua Sergipe, 1.171, Savassi. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA