Lulu Santos lança disco 'Luiz Maurício' se aproximando do pop

Com direito a subidas, descidas e partes lentas, CD ficou engavetado até o músico decidir o momento de gravar

por Mariana Peixoto 17/10/2014 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
LEO AVERSA/DIVULGAÇÃO
"Um disco precisa ter três coisas, li isso outro dia. Tem que dialogar com o mundo, com a linguagem que representa, no meu caso o pop, e ainda com a carreira do próprio autor" Lulu Santos, músico (foto: LEO AVERSA/DIVULGAÇÃO)
'
Free your mind... and your ass will follow', nome do álbum lançado em 1970 pela banda Funkadelic tem servido quase como um mantra para Lulu Santos – em bom português, o título significa Liberte sua mente... que o seu traseiro vai atrás. “Música pop boa serve para várias ocasiões, mas principalmente para o carro e a pista. Se uma música tocar o coração, a bunda e a cabeça vão junto”, afirma Luiz Maurício Pragana dos Santos do alto de seus 61 anos, mais da metade deles de carreira discográfica. Seu nome de batismo volta à tona com o lançamento do álbum 'Luiz Maurício', primeiro de inéditas em cinco anos e seu 25º trabalho.


A estreia discográfica de Lulu foi com o álbum 'Tempos modernos', de 1982. Dois anos antes, no entanto, ele chegou a lançar compacto que tinha como título 'Luiz Maurício' – na época, passou batido, sem repercussão. Para este novo 'Luiz Maurício', Lulu soube esperar a hora certa. Na verdade, ele foi esboçado em 2011 e acabou sendo deixado de lado. “Tinha um bom número de canções, mas achei que alguma coisa estava errada, o trabalho não me dava confiança.” Engavetada, aquela gravação serviu apenas como rascunho para a nova.

O álbum traz 12 faixas, duas delas com a versão original e um remix. Pronto para fazer diferente, Lulu abre o disco justamente com o remix de 'Luiz Maurício' assinado por Memê, parceiro há pelo menos 20 anos. Subvertendo a regra, Lulu colocou a gravação original da faixa-título somente no final do disco. Ele explica a escolha: “O remix traz um fluxo externo que revigora e reoxigena. Ele passa a me interessar porque traz elementos que não foram inventados por mim. A mim, surpreendem.” A outra faixa também remixada é Sócio do amor (o remix foi feito pelos DJs Sanny Pitbull e Batutinha).

Lulu tem como regra trabalhar em todo o processo de um disco. Compõe, arranja, grava, remixa e dá pitacos até mesmo na capa. “A arte é solitária. Você começa sozinho com seu violãozinho, o processo de composição é sempre ensimesmado. À medida que sou arranjador, compositor, cantor e produtor, uma hora preciso de alguém com uma visão prática da música. Quando terminei de mixar a faixa 'Luiz Maurício' original, mandei para o Memê. Dois dias depois ele me mandou de volta. A primeira coisa que fez foi trocar a ordem, colocou o refrão no início. Ele deu a forma que precisava, a chave do entendimento, já que um disco meu não está completo enquanto não dialoga com o pop atual.”

Dessa maneira, Lulu enfileira no álbum um pop dançante com discurso '2.0 SDV (Segue de volta?'), parceria com Dadi Carvalho que versa sobre as redes sociais; o pop com sotaque funk 'Michê (Chega de longe bis)', que contou com a participação de Mr. Catra; o pop com acento de samba-rock 'Torpedo', uma das mais radiofônicas do álbum. Assim como nos trabalhos anteriores, há espaço para a vertente guitarrista, a base da carreira de Lulu. Manda duas instrumentais, 'Blueseado', que dá vazão a seu lado guitar hero, e Drone, que bebe na tradição do sambalanço. “O que proponho na audição desse disco é uma montanha-russa, que tem subidas, descidas e partes mais lentas. Espero que o ouvinte perceba isso, e que o discurso vá direto para o coração, que é o entendimento de tudo”, finaliza.

CORRIDA DE VOZ

Pelo terceiro ano consecutivo como um dos técnicos do reality show The voice Brasil, no ar às quintas-feiras na Globo, Lulu Santos não se ilude quanto a encontrar um talento realmente original. “O que ocorre ali é uma corrida de voz. Talvez seja mais um lugar de renovação de talentos do que um caminho para a inovação”, diz Lulu. Para ele, a opção pelo canto virtuosístico cheio de efeitos e vibratos vem da opção que o mundo fez. “Provavelmente, a maior estrela da música popular atual é Beyoncé. E esse modelo acabou se tornando válido para o mundo inteiro como uma virtude.”

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA