Com inspiração no country e na literatura gótica, southern gothic ganha espaço nos Estados Unidos

Estilo musical se caracteriza por retratar situações de desesperança, violentas e fantásticas

por Álvaro Fraga 14/10/2014 14:44

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

 

 

Você já ouviu a música do The Handsome Family? E que tal Lucette, Monica Heldal ou Mirel Wagner? Estes são alguns nomes de destaque do southern gothic, ritmo que a cada dia faz mais sucesso nos Estados Unidos, a ponto de se tornar tema de ensaios e debates acadêmicos. A música desses artistas se caracteriza por retratar situações de desesperança, violentas e fantásticas.

Outra coisa em comum é a base calcada no country e no folk, o que fez que também se cunhasse a expressão country gothic para definir o gênero. Mas southern gothic acabou prevalecendo e ganhou as rádios digitais e os aplicativos para smartphones e tablets.

 

 

 

SEM FRONTEIRAS Embora a expressão southern gothic tenha sido usada prioritamente para definir um estilo musical feito nos EUA, o gênero já rompeu fronteiras e hoje tem entre seus expoentes a intérprete inglesa Isobel Campbell, ex-Belle e Sebastian, e a cantora e compositora etíope Mirel Wagner, de 23 anos, que reside na Finlândia.

No caso de Isobel, o que a tornou uma das “queridinhas” dos apreciadores do southern gothic foi o álbum “Hawk”, de 2010, gravado em parceria com o cantor e compositor grunge Mark Lanegan. O disco é um soco na boca do estômago. Quem quiser saber do que falo pode ver o clip de “Ramblin’ man”, proibido para menores no YouTube e que mostra um grupo de jovens numa orgia de álcool, drogas e sexo sadomasoquista. Tudo realçado pela combinação da voz melancólica de Isobel com o timbre soturno de Lanegan.

 

 

 

Quanto a Mirel, a desesperança e a morbidez explícitas das letras literalmente gritam quando se ouve qualquer uma de suas composições, embora sua voz tenha uma suavidade extrema. Em “No death”, por exemplo, ela fala de alguém que perdeu seu grande amor para a morte, mas decide ficar em casa ao lado do corpo, com as portas fechadas e as cortinas cerradas: “Vou continuar amando até a medula seca de seus ossos. Nenhuma morte pode nos separar”, diz um dos versos.

SANTOS DE CASA
Entre os nomes norte-americanos, o trio The Handsome Family, já há alguns anos na estrada, ganhou notoriedade ainda maior na cena southern gothic quando uma de suas canções, “Far from any road”, foi escolhida como tema de abertura da série de TV “True Detective”.
Além do trio, merece ser ouvida a belíssima Lucette. Dona de uma voz grave e triste, a cantora mergulha nos pântanos do Sul dos EUA para contar uma história de violência e cultos nada ortodoxos no clip de “Bobby Reid”. Monica Heidal faz o gênero acústico com uma tristeza mais comedida, enquanto o duo The Civil Warsfoi abduzido para o universo southern gothic por usar e abusar da tradicional melancolia dos amores mal resolvidos da country music.

Há muitos outros nomes a serem ouvidos para quem quer conhecer o southern gothic. Gente como Jace Everett, da canção de abertura de “True Blood”, “Bad things”, na qual ele promete fazer maldades com alguém antes que a noite termine. Há poucas coisas tão emblemáticas do tom macabro que permeia o gênero do que os versos dessa música.

E como vale tudo nessa geléia geral sonora, há espaço ainda para veteranos como Tom Waits, Kris Kristofferson e o cantor e guitarrista de blues Taj Mahal. Ou seja, cantou a melancolia, a tristeza, o niilismo, a falta de perspectivas, o macabro ou o grotesco, é genuinamente southern gothic.

 

 

 

DE ONDE VEIO O southern gothic buscou o nome e a inspiração em um subgênero da literatura gótica, que, de acordo com definição da Encyclopedia Britannica, “é um estilo de literatura praticado por muitos escritores do Sul dos Estados Unidos, cujas histórias, estabelecidas naquela região, são caracterizadas por incidentes grotescos, macabros ou fantásticos.”

Como todo pastiche pós-moderno que se preza, a definição hoje serve para abranger, além do gênero literário e do ritmo musical, obras do cinema e da TV. Entre as séries que receberam o “selo de procedência southern gothic” estão “True Detective” e “True Blood”. O serial killer da primeira, misturando misticismo e violência sexual, em contrapartida aos dois policiais outsiders; e os vampiros, lobisomens, fadas e demais criaturas sobrenaturais da segunda são personagens perfeitos para caracterizar uma obra do gênero.

 

Divulgação
(foto: Divulgação)
 

 

No cinema, a lista de filmes com a temática southern gothic é ampla e diversificada. Vai desde “Um bonde chamado desejo” (1951), com Marlon Brando, baseado na peça de Tennessee Williams, a “Cabo do medo” (1991), passando por “Meia noite no jardim do bem e do mal” (1997), mistério dirigido por Clint Eastwood e ambientado num aristocrático e corrupto Sul dos EUA.

Na literatura, há espaço para todo mundo. São citados como autores southern gothic ou inspiradores do gênero os escritores Edgar Allan Poe, o já mencionado Tennessee Williams, Nathaniel Hawthorne, Mary Shelley (“Frankenstein”), Bram Stocker (“Drácula”), William Faulkner, Truman Capote, Anne Rice, aquela dos vampiros sofisticados e andróginos, e Dorothy Allison, pouco conhecida no Brasil, mas que aborda em sua obras temas como abuso sexual, abuso infantil e conflitos de classe.









VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA