'Criadora de sons', a mineira Raquel Coutinho faz show esta noite, no Teatro Bradesco

Cantora mostra ao público o repertório de seu segundo disco solo, 'Mineral'

por Carolina Braga 25/09/2014 07:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
DUDU BERTHOLINI/DIVULGAÇÃO
"Minhas músicas falam do que estou vivendo", Raquel Coutinho, cantora e compositora (foto: DUDU BERTHOLINI/DIVULGAÇÃO)
O processo de elaboração de um disco tem lá seu charme, mas para Raquel Coutinho não resta dúvida: é na hora do show que a artista se realiza. “É o mais importante de tudo. Quando estou ali é o meu momento e também de troca com o público. Adoro estar diante da plateia. É uma energia muito poderosa”, justifica. Pois nesta quinta-feira será a vez de ela experimentar ao vivo o repertório de 'Mineral', seu segundo disco, lançado depois de um ano de reclusão.


Depois do período dedicado à construção de uma identidade musical, Raquel volta à carga reafirmando sua reverência às raízes do tambor mineiro sem deixar de olhar para a frente. Nesse horizonte, por exemplo, estão figuras como o percussionista Marcos Suzano e o guitarrista Maurício Negão, responsáveis pela produção musical ao lado da cantora.

“Toda a espinha dorsal do disco foi feita por mim e pelo Maurício”, conta. “O Suzano construiu todos os grooves do zero. Já tinha algumas ideias de andamento e timbres e acrescentou a linguagem dele. Trouxe uma coisa que para mim é muito importante. Tem um pandeiro processado que me joga para um ambiente moderno, contemporâneo. Bebo na fonte do congado, mas não pretendo ser congadeira. Bebo nessa fonte, mas tenho a obrigação de processar essa informação e transformá-la da minha maneira.”

PARCERIAS  'Mineral' tem 10 faixas, a maior parte assinada por Raquel Coutinho e seus parceiros. São nove músicas inéditas e um remix de 'Sigo cantando', dela e Maurício Negão. As únicas gravações de outros compositores são 'Gris', de Iara Rennó, e 'Underground demais para a cidade', de Allison Vaz. “Minhas músicas falam do que estou vivendo”, explica Raquel. “Queria fazer um disco todo autoral, mas também gosto de experimentar composições de outras pessoas. É um desafio fazer com que saia da minha boca como se fosse meu.”

Como se trata do lançamento do disco, o repertório vai na íntegra para o palco. Com um plus: a participação especial de Sérgio Pererê. Eles cantam juntos 'Tão perto', outra parceria de Raquel com Maurício Negão. “Para mim, Pererê é um artista muito completo. É raiz, mas é moderno também. Dialoga com esse universo contemporâneo e é uma avalanche de ideias. O tempo inteiro está brotando coisa nova dali”, elogia.

Haverá também canções de 'Olho d’água', o primeiro álbum. Segundo Raquel, todos os elementos do show estão em sintonia com a temática de Mineral. Até a iluminação, de Vicente Baka, “conversa” com as projeções de Carlos Pedreañez, que por sua vez se inspiram nas ilustrações de Manuela Romeiro. “Foi construída toda uma identidade desse mineral, que passa por uma coisa orgânica. É meio que matéria-prima de tudo”, resume.

MINERAL
Nesta quinta-feira, às 20h30, no Teatro Bradesco. Rua da Bahia, 2.244, Lourdes). Ingressos a R$ 30 e R$ 15 (meia-entrada). Informações: (31) 3516-1360.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA