Leonard Cohen chega aos 80 anos e dá um presente ao mundo, o CD 'Popular problems'

Disco está disponível desde o início da semana para audição via streaming no site do cantor

por Mariana Peixoto 18/09/2014 07:30

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
AFP PHOTO / JOEL SAGET
(foto: AFP PHOTO / JOEL SAGET )
Kelley Lynch. Essa é a mulher que os milhares de fãs do cantor, compositor e poeta canadense Leonard Cohen devem sempre levar em conta. Cohen desceu ao inferno graças a ela. E, analisando de uma maneira torta, subiu ao céu também graças a ela. Dez anos atrás, o autor de 'Suzanne','I’m your man' e 'Hallelujah' vivia tranquilamente em exílio voluntário num mosteiro budista da Califórnia quando descobriu que estava quase sem dinheiro. Lynch, sua empresária por 17 anos, praticamente limpou as contas no banco – algo em torno de US$ 5 milhões. Entrando na casa dos 70, Cohen teve que voltar à labuta. Na última década, protagonizou três extensas turnês mundiais – shows que, infelizmente, não passaram perto da América do Sul. Ele lançou também três álbuns de estúdio, um duplo ao vivo e outro duplo, este com poemas musicados por Philip Glass.

Leonard Cohen completa 80 anos no domingo. Na terça-feira, lança 'Popular problems', seu sexto álbum neste século – e 13º trabalho de estúdio desde a estreia com 'Songs of Leonard Cohen' (1967). Disponível desde o início da semana para audição via streaming (direcionada a partir do próprio site do cantor, www.leonardcohen.com) e já com links para downloads piratas, reúne nove canções em parceria com Patrick Leonard, que colaborou em seu trabalho anterior, 'Old ideas' (2012). No início do mês, Cohen declarou: “Tinha a função do veto. A maioria das ideias musicais são do Patrick (produtor e compositor com nome associado a Madonna, Roger Waters e Elton John), com algumas modificações. Onde há metais ou violinos isso foi decidido mutuamente.”

Blues, folk e baladas estão no cerne da obra musical de Cohen. A voz, aliada às letras/poemas em que nunca há palavras gratuitas, foi se modificando ao longo das décadas. Hoje mais grave e profunda do que nunca, por vezes cavernosa, tem ainda mais personalidade do que 20, 30 anos atrás. Ouvintes descuidados teimam em achar Cohen monocórdio. Bobagem. A sonoridade diversa, que dialoga com a interpretação de Cohen, garante a 'Popular problems' lugar de destaque na discografia dele.

Ainda que o material seja inédito, uma parte dele foi sendo trabalhada ao longo dos anos. A mais antiga das canções – e única sem as mãos de Patrick Leonard – é 'Born in chains'. Já apresentada num show em 2010, a composição, de forte acento gospel e questionamento religioso, fazia parte dos guardados de Cohen há quatro décadas. “Reescrevi-a muitas vezes para acomodá-la nas mudanças da minha posição teológica”, afirmou o judeu, que se tornou monge budista, estudou o catolicismo e o hinduísmo e até flertou com a cientologia.

'A street' traz ecos do 11 de setembro –“A festa acabou/ mas coloquei meus pés no chão/ Vou estar parado na esquina/ Onde costumava haver uma rua”, diz o refrão; 'Samson in New Orleans' remete aos sentimentos de tristeza e perda que assolaram a Louisiana depois da passagem do furacão Katrina; 'Almost like the blues', o primeiro single, fala de guerra, incêndio, estupro, assassinato e pequenas mortes que assolam o mundo; 'Nevermind', que remete a um “mundo perdido”, tem levada funkeada e vai ganhando diferentes nuances graças ao canto árabe e à percussão que marcam a parte final.

Nem tudo é desesperança no universo de Leonard Cohen. O blues 'Slow', primeira faixa do disco, fala de levar a vida de forma mais lenta, “e não porque estou velho”, canta ele com autoironia. Já o encerramento de 'Popular problems' traz a ideia de superação. Na delicada You got me singing, acompanhado de cordas e a bordo de uma suave melodia folk, Cohen entoa: “Você me fez pensar que eu gostaria de seguir em frente”. Apesar de tudo, ele chegou lá. Sorte a nossa.

O fã finlandês

Você se acha um grande fã de Leonard Cohen? Pois primeiro peça licença ao contador finlandês Jarkko Arjatsalo, que se dedica, há quase 20 anos, ao impressionante projeto The Leonard Cohen Files (www.leonardcohenfiles.com). Lançado em 3 de setembro de 1995, o tributo autorizado documenta absolutamente tudo o que diz respeito ao cantor, compositor e poeta de Montreal. Antes mesmo do anúncio oficial do lançamento de 'Popular problems', Arjatsalo se antecipou. Em agosto, em Dublin, durante o Leonard Cohen Event, convenção bienal que reúne fãs do compositor, ele anunciou o novo disco.

Cohen já explicitou publicamente seu respeito pelo projeto de Arjatsalo. “Por meio dos esforços dele, meu trabalho foi mantido vivo por todos esses anos. Sou profundamente grato a ele”, disse durante show em Helsinque, em 2012. Com design da Era da Pedra Lascada, o site, no entanto, compensa pela quantidade de informações. Estão lá todos os shows a partir de 2008, com link para resenhas de fãs ao redor do globo. Entrevistas, documentos, textos, poesia, vídeos, raridades e fotos, tudo reunido com a colaboração de admiradores – o número de visitantes do site bate os 5 milhões.

Intérpretes brasileiros

 “Aprendi quase tudo o que tento entender de composição escutando Leonard Cohen. Ele tem uma capacidade maravilhosa de transitar entre a poesia da vida comum e os questionamentos sobre a existência, do mais simples ao mais profundo, falar de um amor de ontem e se perguntar ao mesmo tempo por que, afinal, existe amor entre nós se o mundo é tão difícil como é. Só o Cohen é capaz de nos fazer lembrar de uma manhã no Chelsea Hotel, ao lado de Janis Joplin, como se um dia tivéssemos também vivido isso. Ou de dizer aquilo que todos sabemos mas fingimos não saber: o barco está afundando, e é assim que é.”

. Thiago Pethit, cantor e compositor

 “Ele é um ícone, um sobrevivente, um rei das canções profundas, que falam dos homens e de suas vidas com poesia, ironia e sentimento profundo de amor por nós, os humanos. É um extraordinário compositor de canções confessionais, poderosas, peculiares, totalmente pop na definição mais perfeita desta palavra. E um cantor absurdo, com sua voz que vem de um lugar que não conseguimos imaginar, tão funda, tão bela, tão forte e ao mesmo tempo vulnerável e doce. Leonard Cohen chega aos incríveis 80 anos fazendo seu melhor, vivendo sua glória, para a nossa glória, que bebemos e comemos suas canções e suas palavras.”

. Cida Moreira, cantora

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA