Natura Musical leva shows a três praças de BH: confira a programação

Ney Matogrosso, Elba Ramalho, Arnaldo Antunes e Karina Buhr falam da preparação antes de subir ao palco na capital mineira; organização estima público de 50 mil pessoas

por Mariana Peixoto 12/09/2014 08:01

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.

Marcelo Faustini/divulgação
''O que mais gosto em fazer shows assim é ver a reação do público, coisa que não ocorre no teatro'' (foto: Marcelo Faustini/divulgação)
Última atração confirmada para o Natura Musical, Arnaldo Antunes, em show com a participação de Marisa Monte neste domingo, 14, na Praça da Estação, só veio referendar o tom da quarta edição do evento. São muitos os encontros que vão ocorrer nas três praças do festival. A expectativa é que 50 mil pessoas assistam aos shows, que começam de manhã, em programação dedicada às crianças na Praça da Liberdade e tem sequência nas praças da Estação e JK.

Começando pelo fim, Arnaldo Antunes comenta que não se lembra da última vez que esteve com Marisa Monte em show. Mas nunca se esquece da primeira, quando eles não se conheciam pessoalmente. No fim dos anos 1980, o então vocalista dos Titãs foi ao Aeroanta, casa noturna que fez época em São Paulo, para ver de perto a cantora de quem todos falavam. Marisa fazia temporada de seu primeiro show. No repertório, 'Comida', dos Titãs. “Ela me chamou para o palco e cantamos juntos”, lembra Arnaldo.

A partir desse primeiro encontro, sucederam-se vários outros, tanto em estúdio quanto em palco. No domingo, dois dos três integrantes do projeto Tribalistas devem interpretar juntos cinco canções. 'Já sei namorar' e 'Passe em casa', que gravaram com Carlinhos Brown no dito projeto, além de 'Ainda bem' (será a primeira vez que vão cantá-la juntos), 'Dizem' e 'Sem você'. Como ela mora no Rio e ele em São Paulo, o único ensaio será neste sábado, já em BH. A banda que vem acompanhá-los é formada por Curumin na bateria, Betão Aguiar no baixo, Chico Salém no violão e guitarra, Danilo Morais na guitarra e André Lima nos teclados.
Cristina Granato/Divulgacao/2010
Marisa Monte e Arnaldo Antunes selam reencontro ao fim do festival, na Praça da Estação (foto: Cristina Granato/Divulgacao/2010 )
Alguns músicos da banda de Arnaldo vão fazer outros shows. Curumin comemora amanhã, em festa na Spasso Escola de Circo, os cinco anos da Vinyl Land Records, selo mineiro dedicado à bolacha. Além dele, o evento vai contar com discotecagem de vários DJs, incluindo os integrantes do coletivo Vinil é Arte, que participa do Natura tocando nos intervalos dos shows principais. Outro músico que se desdobra no fim de semana é o mineiro André Lima. O tecladista, antes de tocar com Arnaldo, apresenta-se com Karina Buhr no palco da Praça JK.

Este, por sinal, será o único desencontro de artistas do festival. Karina vem a BH apresentar o show Secos e Molhados. No repertório estão canções do antológico álbum lançado em 1973 – 'O vira', 'Sangue latino', 'Amor', 'Fala' e tantas outras. A cantora baiana está fazendo esse show desde o ano passado, quando houve um projeto em São Paulo em que artistas releram álbuns importantes que estavam completando quatro décadas em 2013. Deu tão certo que hoje em dia tem feito mais este do que seu próprio show.

Perto do público Karina só lamentou que sua apresentação seja em palco diferente de Ney Matogrosso – ela na JK, ele na Estação. Por isso, o cantor não poderá vê-la interpretar, de maneira bem pessoal, as canções que o lançaram. “Ele ainda não viu o show, queria muito que visse. Só espero que quando o Ney for, me avise só depois”, comenta ela, para evitar qualquer nervosismo anterior. Com dois álbuns lançados, Karina está começado a pensar no terceiro. “As ideias estão guardadas esperando para que lado ir. Já tenho algumas coisas, outras só virão durante o processo mesmo. Preciso botar a mão na massa, pois quero lançar o disco no primeiro semestre do ano que vem.”
Daniel Ebendinger/Divulgação
Elba Ramalho faz show na Praça da Estação com participação de Mariana Aydar (foto: Daniel Ebendinger/Divulgação)
Já o encontro de Ney não será com um convidado, mas com seu público. O cantor apresentou em teatro seu mais recente show, Atento aos sinais, por duas ocasiões em BH. Agora, com a praça cheia, o sentimento será outro. “O que mais gosto ao fazer shows assim é ver a reação do público, coisa que não ocorre em teatro. A praça permite que as pessoas dancem, por exemplo”, conta Ney, que a despeito da mudança de espaço, não vai mudar absolutamente nada do que é visto em um espaço fechado.

E é um trabalho e tanto para que o show chegue na praça. Atento aos sinais não tem cenário – o único objeto em cena é uma cadeira espelhada. Toda a parte cenográfica é feita com a iluminação, assinada pelo próprio Ney. “É a maior iluminação que já fiz. E isso me causa alguns problemas. Como o equipamento é muito pesado, passamos a usar dois caminhões (para o transporte). Quando colocamos tudo num só, fomos multados por excesso de peso.” Show de seu álbum mais recente, ele traz no repertório canções de Arnaldo Antunes e Lenine, Paulinho da Viola, Pedro Luís, Criolo e Itamar Assumpção. Com o DVD já gravado, Ney deve lançá-lo em outubro.
Diego Ciarlariello/Natura Musical/Divulgação
Karina Buhr apresenta releitura do Secos & Molhados e lamenta não estar no mesmo palco de Ney (foto: Diego Ciarlariello/Natura Musical/Divulgação )
Chips trocados

Outros encontros que marcarão o domingo são de Fernanda Takai e Samuel Rosa (ele gravou com ela 'Pra curar essa dor', versão de Heal the pain, de George Michael); Nação Zumbi com BNegão; Felipe Cordeiro com Luê e Dona Jandira; Siba com Chico Lobo; Marcella Bellas e Juliana Sinumbu e Elba Ramalho e Mariana Aydar. As duas últimas se encontraram tantas vezes no palco que Elba já perdeu a conta. “Não foi uma nem duas vezes, acho que desde que ela começou a cantar. A Mariana tem casa em Trancoso, eu também, então sempre nos encontramos no verão. Como temos intimidade, quando chegar a hora a gente idealiza o que vai cantar”, diz Elba.

A cantora não para, traz na manga diferentes formatos de show. Além do seu próprio, que pode vir com formação de quatro até 12 músicos, ela faz apresentações com Geraldo Azevedo e com o projeto Cordas, Gonzaga e afins, em que relê a obra de Gonzagão ao lado do armorial SaGRAMA, das cordas do Encore, do baterista Tostão Queiroga e dos sanfoneiros Beto Hortis e Marcelo Caldi. “Tenho que trocar chip para tudo”, brinca a cantora, que também está envolvida com as gravações de seu próximo álbum. Os produtores serão Yuri Queiroga (sobrinho de Lula) e Luã, o primogênito de 26 anos, que se formou recentemente em música na prestigiosa Berklee.

“É sempre um aprendizado, tanto para mim quanto para ele. Música é experiência, você até corre o risco de errar. Sou muito moderna, mas quando você é cantora, colocam rótulos que limitam. Mas esse disco vai trazer uma variedade de compositores e sonoridades ousadas”, adianta Elba, que está gravando canções de Chico Science, Zeca Pagodinho, Lenine, Arlindo Cruz, Siba. Há ainda duas inéditas de Dominguinhos.

NATURA MUSICAL
Domingo, 14 de setembro, a partir das 10h. Praças da Estação, Liberdade e JK, com entrada franca. Para as apresentações nas praças da Estação e JK é necessário ingresso, para a da Liberdade a entrada é livre. Informações: naturamusical.com.br/festival.

• Programa de domingo

» Praça da Estação
• 14h – Marcela Bellas convida Juliana Sinimbu
• 15h – 5 a Seco
• 16h30 – Fernanda Takai convida Samuel Rosa
• 18h – Elba Ramalho convida Mariana Aydar
• 19h30 – Ney Matogrosso
• 21h15 –Arnaldo Antunes convida Marisa Monte
Nos intervalos, Vinil é Arte

» Praça da Liberdade
• 10h – Érika Machado
• 11h15 – Giramundo/Oficina de percussão e atividades lúdicas
• 14h30 – Disco Baby com Anderson e Yan Noise e Daniel Cozta
• 16h30 – Pequeno Cidadão

» Praça JK
• 15h – Siba com Chico Lobo
• 16h30 – Felipe Cordeiro com Luê e Dona Jandira
• 18h – Karina Buhr canta Secos e Molhados
• 19h30 – Nação Zumbi com BNegão
Nos intervalos, Vinil é Arte

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA