Lenine se junta à Orquestra Sinfônica de Minas em show no Inhotim

Apresentação faz parte do projeto Sinfônica pop e marca a primeira visita do cantor ao museu em Brumadinho

por Ana Clara Brant 12/09/2014 08:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Lenine/Divulgação
"Além de Inhotim ser um espaço pelo qual transitam várias artes, tem um elemento sonoro. A associação com a minha música tem tudo a ver%u201D Lenine, cantor (foto: Lenine/Divulgação)
O Sinfônica pop, projeto em que a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais convida artistas brasileiros de renome para apresentar o rico repertório da MPB, já foi realizado em diversos locais de Belo Horizonte, mas pela primeira vez vai acontecer em um espaço mais do que especial, o Inhotim. Aos pés da árvore Tamboril, na área central do jardim do Centro de Arte Contemporânea, será montado um palco que vai receber Lenine.

O show será amanhã, às 15h30, e também marcará a primeira visita do cantor e compositor ao museu em Brumadinho. “Nunca estive lá e acho que esse encontro vai ser muito importante. Além de Inhotim ser um espaço onde transitam várias artes, tem também um elemento sonoro. A associação com a minha música tem tudo a ver”, acredita o artista.

Tocar com orquestras não é necessariamente uma novidade para o pernambucano, mas estar ao lado da Sinfônica de Minas Gerais é. Ele ressalta que cada grupo orquestral tem suas características e seus sotaques e que há um bom tempo vem testando várias canções que se adequam a esse tipo de apresentação. “Já subi ao palco com orquestras do mundo inteiro, mas sempre tem alguma coisa nova. O violão será o fio condutor, mas venho experimentando minhas músicas com arranjadores de orquestras e o resultado sempre é muito interessante”, diz.

O repertório de amanhã está definido e, no ensaio geral de hoje, ele vai aproveitar para conhecer as galerias e os jardins de Inhotim. “Tenho que fazer o pacote completo. É bom para poder me inspirar com aquela atmosfera”, afirma.

Responsável por obras-primas da nossa música – Hoje eu quero sair só, Paciência, O silêncio das estrelas, Aquilo que dá no coração, entre outras –, o cantor tem relação estreita com Minas. Além de ter muitos amigos por aqui, é um dos fãs mais entusiastas do Clube da Esquina e nunca escondeu a influência do movimento mineiro em seu trabalho. O artista nascido no Recife também é um dos compositores que figura na lista dos preferidos do Grupo Corpo, tendo assinado duas trilhas sonoras da companhia de dança: Breu, em 2007, e a mais recente delas, Triz (2013), ainda em turnê. “Fico muito orgulhoso de fazer parte desse time de compositores como Caetano Veloso, Tom Zé e Zé Miguel Wisnik. Essa janela que o Corpo abre para a música contemporânea é muito bacana, além de dar muita liberdade e confiança a quem está trabalhando com eles”, destaca.

Literalmente com muito chão pela frente (é esse o nome do disco mais recente), Lenine está em turnê com o trabalho pelo menos até o fim do ano. Ele chegou à conclusão de que o tempo de vida útil para qualquer projeto profissional tem que ser de no mínimo dois anos e meio a três anos, para que possa ir a todos os lugares que quiser. “Não só rodar pelo Brasil, mas sair pelo mundo. Isso é extremamente salutar e, por isso, Chão está chegando ao fim e já estou pensando em novas coisas. Não só um álbum, mas também em compor para outros artistas, para a dança, o teatro, a TV e em produzir também. Gosto de fazer de tudo um pouco”, confessa.

Sinfônica Pop
Com Lenine e Orquestra Sinfônica de Minas Gerais. Sábado, 13, às 15h30, em Inhotim (Brumadinho, acesso pelo km 500 da BR-381). A entrada no Instituto aos sábados e domingos custa R$ 30 (meia-entrada válida para estudantes identificados e maiores de 60 anos). Crianças de até 5 anos não pagam. Informações: (31) 3571.9700 e www.inhotim.org.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA