"Maturidade é uma palavra que eu ouço desde que comecei", diz Marcelo Camelo. Leia entrevista

Músico inaugura nova fase na carreira, ao se unir à sua companheira Mallu Magalhães e a Fred Figueira na Banda do Mar

por Larissa Lins 04/09/2014 09:42

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Banda do Mar/Divulgação
(foto: Banda do Mar/Divulgação)
Ainda sob os holofotes atraídos durante sua temporada como vocalista e guitarrista da Los Hermanos, Marcelo Camelo encarou três projetos solo antes de embarcar no seu mais recente, feito a seis mãos: o álbum de lançamento da Banda do Mar. Oficializado publicamente em maio, o grupo - formado pelo músico, sua companheira Mallu Magalhães e o amigo e baterista português Fred Ferreira - faz sua estreia com 12 faixas que o próprio trio classifica como leves, solares, alto astral. O processo de produção do disco, ao contrário do que sugere o intervalo de quatro meses entre o anúncio oficial da formação da banda e seu primeiro lançamento, durou cerca de um ano. O primeiro passo, em 2013, foi a organização de um cronograma que incluísse tempo para as composições, pré-produção, gravações, edição e ensaios. Nessa lista de etapas, constava também a divulgação de que o trio havia sido formado. “Tivemos o cuidado de planejar cada passo, incluindo o anúncio oficial da banda, para que não houvesse uma grande lacuna entre essa notícia e o lançamento do disco. Mas a verdade é que já estávamos compondo e tocando juntos há meses quando revelamos nossa parceria”, disse Camelo.

O público, que até o momento teve acesso ao clipe de uma única faixa, 'Mais ninguém' - com participação especial do dançarino carioca Fezinho Patatyy, descoberto pelo grupo através da viralização de seu “passinho do romano” no YouTube - começa a dar pistas de seu feedback. Em comentários virtuais, o álbum vem sendo classificado como “gostoso de ouvir”, o que corrobora o conceito que os próprios músicos atribuem ao projeto. “O resultado é uma extensão da nossa amizade, como um jantar entre nós três, com risadas e bate-papo”, diz Camelo, que acredita que a resposta dos ouvintes ainda esteja numa fase bastante inicial, devendo amadurecer e se concretizar durante a turnê de divulgação do álbum.

Marcelo e Mallu se mudaram para Portugal, onde vive Fred Ferreira, há cerca de um ano. Desde então, vivem em ponte aérea entre Lisboa e São Paulo, onde o trio se encontra agora, ensaiando os shows da turnê. Quanto ao futuro, não fazem muitos planos. Morar em Portugal definitivamente, por exemplo, não é uma certeza absoluta. E a mesma interrogação se estende aos próximos projetos do novo trio. “Não conversamos sobre o depois, pois cada um de nós tem outros projetos individuais e coletivos, e temos vontade que a banda apenas some”, explica Camelo, cujo plano é cair na estrada com a Banda do Mar.

Entrevista >> Marcelo Camelo


Foi o primeiro álbum do trio, você, Mallu e Fred. Como analisa a dinâmica entre vocês?
Nossa sintonia foi muito boa e muito fácil. Para nós, isso era uma incógnita. Conheço o Fred há mais de dez anos, mas a ideia de uma banda era uma novidade. Porém, o que se deu foi uma continuação do nosso carinho pessoal. Buscamos algumas diretrizes: queríamos um disco com maior leveza do que nossos álbuns solo, uma coisa mais simples, mais solar, que tivesse a ver com nossa amizade.

Em que sente ter amadurecido em relação aos seus três álbuns solo?
São coisas bem diferentes. A principal diferença é que quando você faz uma banda, seu esforço de realização é voltado também para o outro, é inspirado na presença do outro. Maturidade é uma palavra que eu ouço bastante desde que comecei. Para mim, uma vez que você realiza algo, aquilo te modifica, não necessariamente levando a um amadurecimento, mas a uma transformação. Somos transformados pelo que fazemos e eu me transformei.

Fred foi considerado pela crítica como um contraponto para separar esse projeto das fases solo sua e da Mallu, individualmente. Como avalia o papel dele no trio?
O Fred é um ídolo para mim, como ser humano, como artista, e a presença dele é muito mais influente do que pode parecer. É uma influência imaterial, ele é meu irmão. A união do trio é o motivo da banda e, se não houvesse um de nós três, não haveria a banda. É muito difícil mensurar o peso de cada um. Somos um time.

O que combina com esse álbum? (jantar a dois, viagem de carro, reunião com amigos, momento a sós...)

Cada pessoa usa a música para momentos diferentes, para fazer amor, para jantar fora, para viajar... e as pessoas veem nesses momentos significados diferentes. Ao invés de sugerir, quero convidar as pessoas a fazerem o que quiserem com este nosso novo álbum.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA