Gabriel Sater faz única apresentação em BH do show de lançamento do disco Indomável

Conhecido pelo personagem Viramundo, de 'Meu Pedacinho de Chão', ator e músico é filho de Almir Sater

por Walter Sebastião 29/08/2014 00:13

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Tadeu Bara/Divulgação
(foto: Tadeu Bara/Divulgação)
O cantor, compositor e instrumentista Gabriel Sater tornou-se conhecido na TV como o personagem Viramundo da novela Meu pedacinho de chão (Globo), o cara que quase perdeu a namorada por ser um menestrel. Em Belo Horizonte para única apresentação, hoje, às 21h, no Teatro Bradesco, ele conta que vêm da história duas músicas que estarão no repertório do show. Cabelos de fogo, homenagem às ruivas, e Lembranças demais (com participação do parceiro Luiz Carlos Sá), esta para celebrar o elenco da novela. É o próprio Gabriel quem avisa que o espetáculo terá também releitura de clássicos da MPB, temas instrumentais, canções do disco novo, além de homenagens a compositores mineiros. “E, claro, músicas de meu pai”, acrescenta, referindo-se a Almir Sater.

“Show dá mais liberdade musical do que o disco. Posso cantar o que público gosta de ouvir, mostrar meu universo musical”, afirma Gabriel Sater. “Amo a música brasileira mas também a boa música latina”, completa o artista que, morando “na fronteira” (em Mato Grosso do Sul) ouve música de países vizinhos do Brasil, e também parte da cultura local. “O que a gente toca mostra nossa alma, revela quem somos”, diz. Ele admira a música do pai, que o impressiona pelo cuidado com a melodia. E também se considera caçador de melodias. Não se esquece do maestro Cristiano Kotlinski, com quem estuda (“e acho que vou ser aluno dele para sempre”). “Se a gente não estuda, não evolui”, garante.

Gabriel Sater é fã ainda de Agustín Barrios, Astor Piazzola, de chorinho e de jazz. Para o show de hoje ele chega com sua banda: para poder se esparramar por vários estilos, do pop rock ao caipira de raiz, passando pela MPB. O grupo é formado por João Gaspar (violões, guitarra e vocais), Álvaro Couto (acordeom, teclado e programações) e Paulinho Vicente (bateria). A Gabriel cabem o violão, a viola e os vocais. Indomável é o terceiro disco, mais uma incursão em mundo de canções de autor que também curte o instrumental. “Transito por muitas vertentes. O disco novo mostra minha evolução como cantor e compositor”, considera. Vem de Leandro Aguiar, o produtor dos todos os discos, ajuda para equilibrar interesses.

O músico adorou atuar em Meu pedacinho de chão. “Principalmente por ser novela de Benedito Rui Barbosa, dirigida por Luiz Fernando Carvalho, que é caprichoso”, afirma. Gostou muito de conviver com atores que admira: Antônio Fagundes, Emiliano Queirós, Osmar Prado e as atrizes do Galpão Inez Peixoto e Teuda Barra, entre outros. “Eles foram muito generosos comigo. Tanto que ficou a vontade de continuar atuando”, avisa. Mas o foco agora são os shows de lançamento de Indomável. O disco foi lançado em abril, mas a rotina de shows teve que ser reduzida enquanto a novela estava no ar. Agora, ele promete, inclusive, apresentações mais caprichadas.

Gabriel Sater tem 33 anos, nasceu em São Paulo, mas foi criado no Pantanal. Começou estudar violão aos 15 anos, e, aos 19, venceu o Festival Universitário de Mato Grosso do Sul. A partir daí vieram vários prêmios regionais, de arranjo, letra, melhor canção, indicação como destaque etc.

O primeiro disco – Instrumental – é de 2006. O cantor tem ainda Essência do amanhecer (2009). Ele é instrumentista respeitado e já tocou em shows ou gravações de Andreas Kisser (do Sepultura) a Zezé di Camargo e Luciano, passando por Zeca Baleiro, Paulinho Moska, Pena Branca, Ney Matogrosso, Toninho Horta e Chico Amaral, além de atuar com importantes artistas sul-matogrossenses.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA