Segunda edição do Festival Internacional de Música começa nesta quarta

Dedicado à percussão, evento conta com série de concertos e oficinas em vários espaços da cidade

por Walter Sebastião 27/08/2014 08:33

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
FIM/Divulgação
Duo Meehan/Perkins é atração sábado, na Fundação de Educação Artística (foto: FIM/Divulgação)
“A percussão está presente em todo tipo de música, por isso nosso grande mote é a diversidade”, afirma Fernando Rocha, coordenador geral do 2º Festival Internacional de Música – Percussão Contemporânea, que começa hoje e vai até sábado em Belo Horizonte. O concerto de abertura será às 19h, no gramado em frente à Reitoria da UFMG, na Pampulha, com o Grupo de Percussão da UFMG e o baterista Marcos Bahia. Mas as atividades do encontro, que abarcam ainda palestras e workshops, começam às 12h30, no mesmo local, com Bill Lucas e Batuquerê.


Ao longo de quatro dias, percussionistas brasileiros e de outros países, alguns referência na área, mostram todas as combinações possíveis entre práticas tradicionais e experimentais, várias delas cruzando os dois caminhos, em busca de uma linguagem contemporânea. Fernando Rocha aponta como exemplo a percussionista Aiyun Huang, que faz apresentação solo, sem instrumentos, usando apenas o corpo. Ou reco-reco e pandeiro com sensores de movimento, de Charles Augusto e Eduardo Campos. E ainda o trio norte-americano Hands On’Semble (EUA) e os brasileiros do Duo Ello, valendo-se de saberes e instrumentos antigos para fazer música nova.


Coordenador do festival, Fernando Rocha é professor de percussão da Universidade Federal de Minas Gerais e diretor do Grupo de Percussão da UFMG. Realizou a primeira audição de obras de Almeida Prado, Sílvio Ferraz, Roberto Victorio, Sérgio Freire, Maurício Dottori (Brasil), João Pedro Oliveira (Portugal), Lewis Nielson e Jacob Sudol (USA), Nicolas Gilbert e Geof Holbrook (Canadá), Javier Parrado (Bolívia) e Mario Alfaro (Costa Rica). Para ele, a percussão habita o coração da tradição e aponta para o futuro.
Apesar de existir há milênios, ela só foi inserida na música de concerto no século 20, em especial a partir de 1950, sendo praticamente contemporânea dos primeiros experimentos eletrônicos com os quais tem diálogo íntimo. E, não por acaso, os pioneiros no uso da eletrônica (John Cage e Stokhausen) têm peças para percussão. Até a dance music contemporânea evoca este passado, não sendo raro valer-se de percussionistas, aponta Fernando Rocha. O interesse pela percussão, de modernos e contemporâneos, tem em linhas gerais o mesmo motivo: ampliação da massa sonora e busca de sonoridades singulares.


Entre as composições que integram a programação, o coordenador destaca a apresentação de Fábio Oliveira e Fernando Chaib, na sexta-feira, às 15h30, na Fundação de Educação Artística, com programa de cinco peças para percussão do mineiro Eduardo Guimarães Alvares (1959-2013). “Ele é um grande compositor e referência de boa escrita para percussão”, diz Fernando Rocha.
Em relação às oficinas, o músico explica que a proposta é expor o instrumentista ao máximo de diversidade. No geral, lembra Fernando, a formação do profissional se dava “na vida”. O que, observa, é bom, mas precisa ser conjugado com informação que vem da academia. “Há mercado profissional para o percussionista, mas cobra-se dele preparação e capacidade de tocar muitos instrumentos diferentes. Para ingressar numa orquestra, por exemplo, o nível exigido do candidato é altíssimo. E no contexto da música popular também há profissionais tocando muito bem”, conclui.

 

PROGRAMAÇÃO

 

Câmpus da UFMG
Avenida Antônio Carlos, 6.627, Pampulha


Hoje
12h30 – Bill Lucas e Bantuquerê, Praça de Serviços
15h30 – Workshop de ritmos brasileiros, com Rafael Leite, auditório da Escola de Música
17h30 – Palestra com Fábio Oliveira (UFG) e Fernando Chaib (UFG), auditório da Escola
de Música.
19h – Grupo de Percussão da UFMG e Márcio Bahia (Brasil), em frente ao prédio da reitoria

Conservatório UFMG

Avenida Afonso Pena, 1.534, Centro


Amanhã
11h – Workshop de vibrafone com Ted Piltzecker (EUA)
13h30 – Workshop de bateria brasileira, com Márcio Bahia
15h30 – Workshop de música teatral para percussão, com
Aiyun Huang
17h – Palestra com Doug Perkins
18h30 – Miniconcerto – Marimbaia
20h – Concerto – Shawn Mativetsky (Canadá) e Hands On’Semble (EUA)

Fundação de Educação Artística

Rua Gonçalves Dias, 320, Bairro Funcionários


Sexta-feira
11h – Workshop: A linguagem da tabla, com Shawn Mativetsky
13h30 – Workshop: Música de câmara para marimba e vibrafone, com Angel Frette (Argentina)
15h30 – Homenagem ao compositor Eduardo
Guimarães Álvares
16h – Workshop: Conceitos aplicados ao mundo da pecussão, com Hands On’Semble

Sábado
13h30 – Workshop: Criando, tocando e colaborando, com Duo Meehan/Perkins
15h30 – Miniconcerto – Fábio Oliveira e Fernando Chaib
16h – Workshop de pandeiro com Duo Guello
17h30 – Miniconcerto – Charles Augusto e Eduardo Campos
20h – Concerto – Angel Frette e Grupo de Percussão da Patagônia (Argentina) e Duo Ello (Brasil)

Praça da Liberdade


Sábado
23h30 – Concerto de Ted Piltzecker, com participação de Cliff Korman (teclado), Pablo Souza (contrabaixo) e André Limão Queirós (bateria) 

 

Solo, duo e grupo

 

Duo Meehan/Perkins

Fundado em 2006,o Duo Meehan/Perkins (Todd Meehan e Doug Perkins) redefiniu o conceito americano de duo de percussão. Dedica-se à criação de um novo repertório para duo de percussão, com obras acústicas e eletroacústicas,emc olaboração com os compositores David Lang, Paul Lansky, Tristan Perich, John Supko, Jonathan Leshnoff e Matt McBane. O duo está atualmente trabalhando em sua terceira gravação, com obras encomendadas de John Supko e
McBane Matt.

 

Aiyun Huang
Solista, camerista e pesquisadora, Aiyun Huang é fundadora do trio canadense Toca Loca, com os pianistas Gregory Oh e Docking Simon. Nascida em Kaohsiung, no Sul de Taiwan, Aiyun tem doutorado pela Universidade da Califórnia. Coordena a área de percussão e é diretora do Grupo de Percussão da Universidade McGill, em Montreal, no Canadá. Em maio de 2012, o selo Mode Records lançou seu DVD, Save percussion theater, com obras teatrais do repertório de percussão.

 

Duo Ello
O nome do duo formado por Luiz Guello e Carlos Stasi, criado em 1999, chama a atenção para a união de dois artistas brasileiros da música instrumental e percussão solo, de tradições musicais vistas tradicionalmente como opostas: o erudito e o popular. O resultado musical soa sempre de forma natural, com composições escritas especialmente para a formação. Embora a sonoridade do grupo prevaleça, Stasi e Guello são também conhecidos individualmente pelo virtuosismo em dois instrumentos brasileiros de percussão, o reco-reco e o pandeiro.

 

Grupo de Percussão da UFMG
Criado em 1998, o grupo organizou e realizou, em 2004, a abertura da primeira edição do FIM (Festival Internacional de Música de Belo Horizonte). Nesse mesmo ano, lançou o CD Villa-Lobos e os brinquedos de roda que foi indicado ao Prêmio TIM. Nos seus 14 anos de existência, realizou inúmeras primeiras audições, em BH, de obras de música de autores como John Cage, Steve Reich, Edgar Varèse, Minoru Miki, Louis Andriessen, além de ter estreado várias obras de compositores e estudantes de composição de Belo Horizonte. 

 

CAROLINE TABAH/DIVULGAÇÃO
Shawn Mativetsky traz o som do Norte da Índia ao Festival Internacional de Música (foto: CAROLINE TABAH/DIVULGAÇÃO)
Shawn Mativetsky
Discípulo do lendário Pandit Sharda Sahai, Shawn Mativetsky é professor e instrumentista de tabla e divulgador da música clássica do Norte da Índia por meio de palestras, workshops e performances em todo o mundo. Atualmente, Shawn é professor de tabla e percussão na McGill University, em Montreal. Seu CD solo Payton MacDonald: works for tabla, foi lançado em 2007, e Cycles, seu mais novo trabalho, com composições canadenses para tabla, foi lançado em 2011.

 

2º Festival Internacional de Música – Percussão Contemporânea
Concertos e oficinas abertos ao público. De quarta a sábado. Os concertos noturnos têm ingressos no valor de R$ 10 e R$ 5. As outras atividades são gratuitas. Informações: pela fanpage oficial do evento no Facebook.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA