Legado dos quatro integrantes do grupo Ramones transcende o tempo

Criado em 1974, em Nova York, a banda pendurou as chuteiras em 1996, com apenas dois membros originais no time

por Gabriel de Sá 23/07/2014 10:37

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Reprodução / Internet
(foto: Reprodução / Internet)
O riff de 'Que país é este?', um dos maiores hits da Legião Urbana, acabou por se tornar espécie de marca registrada da banda brasiliense. Ouvidos aguçados, contudo, perceberam certa semelhança entre a canção e a sequência de acordes utilizada anteriormente pelos Ramones na faixa 'I don’t care', lançada em disco de 1977. Não é possível acusar Renato Russo de ter copiado trechos da criação do grupo de punk rock. O que está evidente, nesse caso, é a influência que os americanos exerceram — e exercem —em todas as gerações subsequentes de roqueiros mundo afora.

A formação original dos Ramones está extinta. Com a morte do baterista Tommy, na semana passada, não há mais nenhum integrante fundador da banda vivo. O vocalista Joey Ramone se foi em 2001. Um ano depois, foi a vez do baixista Dee Dee partir. Em 2004, morreu o guitarrista Johnny. O grupo — criado em 1974, em Nova York — havia pendurado as chuteiras em 1996, com apenas dois membros originais no time, mas ainda hoje é tarefa difícil dimensionar o tamanho e a importância dos Ramones na história do rock.

Além de ser referência para quase todas as bandas que vieram a partir de meados dos anos 1970, o roqueiro Chuck Hipolitho, ex-Forgotten Boys e fã militante dos Ramones, acredita que o formato “simplérrimo” criado por eles, em que uma canção é condensada em um minuto e meio, está presente em todos os lugares. “Das aberturas dos desenhos animados aos jingles, é tudo baseado na sonoridade deles”, defende.

O jornalista Kid Vinil lembra que Joey Ramone citava os Stooges e o MC5 como as maiores referências e que, com o passar dos tempo, os Ramones acabaram adquirindo o mesmo prestígio que esses grupos que os antecederam. “Entre 1976 e 1977, a banda era respeitada na Inglaterra como o mais importante grupo do punk americano. O reconhecimento veio primeiro através dos ingleses. Depois, a América se rendeu a eles, mas nunca desfrutaram do status de megabanda”, contextualiza. “A importância deles para o punk pode ser comparada à do Sex Pistols”.

Para Chuck Hipolitho, os quatro primeiros discos dos Ramones — lançados entre 1976 e 1978 e com Tommy na bateria ou na produção — são a gênese da energia da banda. “Eles faziam música de um jeito brutal, foram precursores do estilo punk. Eles dividem esse título com os Pistols. Mas a banda mais f… do punk é o The Clash, muito influenciada pelos Ramones. São os ingleses entendendo uma coisa inventada pelos americanos”, opina. “O rock oitentista do Brasil é muito mais em cima do pós-punk e do new romantic — que não existiriam sem os Ramones”.

Seguidores

No Brasil, segundo Kid Vinil, a influência dos Ramones está mais evidente em bandas como Inocentes, Cólera, Garotos Podres e Olho Seco. “Na década de 1990, os Raimundos servem como melhor exemplo”, observa Vinil. O produtor Carlos Eduardo Miranda, responsável por lançar os roqueiros de Brasília, cita também a trupe gaúcha Os Replicantes. “Não saber tocar, e mesmo assim pegar o instrumento para ver o que ia dar, é uma atitude que o Brasil importou dos Ramones”, acredita Miranda.

Surgido no fim da década de 1980, o Raimundos começou como banda cover de Ramones, e o próprio nome de batismo evidencia a inspiração. Digão, vocalista e guitarrista do grupo, conheceu os britânicos do Sex Pistols antes dos Ramones, mas garante que o impacto em relação aos punks norte-americanos foi bem maior. “Um divisor de águas”, diz. A simplicidade das canções, com poucos acordes, criaram uma escola que é seguida até hoje, inclusive pelos brasilienses — como comprova o último disco deles, Cantigas de roda, lançado este ano.

O álbum 'Éramos 4' (2001), o sexto de estúdio dos Raimundos e último com os vocais do ex-líder Rodolfo, é formado basicamente por covers dos americanos. O trabalho foi gravado com o baterista da trupe, Marky Ramone, que substituiu Tommy em 1978, para uma rádio paulistana. Estão lá Blitzkrieg Bop, Sheena is a punk rocker e Teenage lobotomy, entre outras. Estão lá criadores e criaturas.

Chuck Hipolitho diz que o Ratos de Porão — “melhor banda de rock do Brasil em atividade” — tem grande influência dos Ramones, mesmo que não se identifique imediatamente. Juninho, baixista do Ratos, confirma. “Gordo e Jão já escutavam desde os primórdios, quando as primeiras cópias chegaram ao Brasil. Tanto na música, nas letras, no visual e na atitude, os Ramones foram bem influentes na cena mundial punk, e o Brasil não ficou de lado”, diz o músico.

» Roupa da moda

Jaqueta de couro preta, calça rasgada no joelho, tênis All Star… Para Chuck Hipolitho, esse estilo de vestir-se, tão difundido entre os roqueiros, se espelha inequivocamente no visual dos Ramones. “Tem aqueles cabelinhos meio infantis também. Não é à toa que quase todo mundo se apaixona por eles na pré-adolescência”, observa Chuck. O símbolo da banda, estampado em camisetas mundo afora, tentava extravasar uma atitude punk no início. Contudo, acabou virando um ícone pop difundido inclusive entre quem não conhece a banda. “Em 2000, o estilista Alexandre Herchcovitch fez camisetas inspiradas na logo dos Ramones e virou moda”, destaca Kid Vinil.

2.263 mil
Número de shows que os Ramones fizeram entre 1974 e 1996

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA