Maestro Luiz Aguiar recebe homenagem da Fundação Clóvis Salgado

Acervo do maestro sobre ópera, formado ao longo de seis décadas, será doado pela família

por Ana Clara Brant 02/07/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Paulo Lacerda/FCS
O maestro mineiro Luiz Aguiar desenvolveu extenso trabalho ligado à ópera e ao canto lírico (foto: Paulo Lacerda/FCS )
Quando se fala no nome do maestro Luiz Aguiar, morto em março último, aos 78 anos, logo se pensa na história da ópera em Minas Gerais. Com a vida praticamente dedicada às artes, fundador e regente do Coral Lírico de Minas Gerais e ex-assessor especial da diretoria artística do Palácio das Artes, ele recebe hoje uma homenagem da Fundação Clóvis Salgado, com a assinatura de um protocolo de intenções entre a FCS e a família do artista para doação de seu acervo sobre ópera, formado ao longo de seis décadas.


A entidade aproveita a oportunidade para lançar 'Luiz Aguiar maestro', editado pela Livraria & Editora Graphar, de Ouro Preto, sob coordenação editorial de Paulo Lemos. Com mais de 300 páginas, a publicação revela a história da ópera em seu desenvolvimento, com registros de produções realizadas em Minas Gerais no período de 1959 a 1963. A presidente da fundação, Fernanda Machado, explica que Luiz Aguiar trabalhou na elaboração do livro ao longo de 2013 e sempre teve o sonho de lançá-lo na sede da FCS. Felizmente, o maestro chegou a ver a versão final pronta e, segundo Fernanda, ficou extremamente satisfeito com o resultado.


“A Fundação tinha esse compromisso de prestar mais um tributo a ele”, enfatiza Fernanda Machado. “De maneira extremamente didática e informativa, o livro é uma obra completa sobre a produção operística em Minas durante uma determinada época e será distribuído gratuitamente à família de Luiz Aguiar, bibliotecas e outros equipamentos culturais.”


Depois da morte do regente, que também foi crítico de música e pesquisador, a família revelou a intenção dele de doar seu acervo à instituição. São documentos e coleções raras da ópera mundial desde o surgimento do gênero, no século 17. “É um conteúdo enorme e de significado ímpar que reúne partituras, programas, livretos e imagens em vídeos de montagens operísticas. Vamos fazer todo esse processo de recolhimento e catalogação e também de digitalização em parceria com o Arquivo Público Mineiro. Era um desejo de Luiz Aguiar de que tudo ficasse disponível para o público, alunos, professores e artistas da FCS”, acrescenta Fernanda Machado.


A noite de homenagens terá ainda uma apresentação do Coral Lírico, com músicas de Carlos Gomes, compositor de quem Aguiar se tornou um dos principais especialistas. “A trajetória de Aguiar se mistura não só com a própria história da ópera em Minas, mas também com a da fundação. Aqui, ele foi um grande professor, mestre e exemplo para todos”, ressalta Fernanda Machado.

 

Incansável

Nascido em Belo Horizonte, Luiz Aguiar começou a estudar música clássica em 1950, aos 14 anos. Teve vários professores e orientadores, entre os mais qualificados de Minas Gerais. Estudou piano e balé, foi supervisor musical e crítico de artes de O Diário, jornal que circulou em BH até a década de 1980. Foi fundador de vários corais, além do Coral Lírico de Minas Gerais. Desde 1964, atuou como preparador de 87 óperas em instituições como a Sociedade Coral de Belo Horizonte, Sociedade de Artistas Líricos de Minas Gerais e na Fundação Clóvis Salgado. Participou ativamente de todas as montagens em Minas Gerias nos últimos 60 anos, sendo referência também em outros estados. 

 

Homenagem ao maestro Luiz Aguiar
Nesta quarta-feira, às 19h, no Foyer do Grande Teatro do Palácio das Artes (Av. Afonso Pena, 1.537, Centro). Entrada franca. Informações:
(31) 3236-7400

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA