Com espetáculo performático, Babilak Bah se apresenta de sexta-feira a domingo em BH

Artista mescla música, poesia, performance e artes visuais em show que passa por três espaços

por Walter Sebastião 20/06/2014 06:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Netun Lima/Divulgação
Músico Babilak Bah (foto: Netun Lima/Divulgação)
O Hino Nacional do Brasil, tocado com enxadas, é a atração do show que Babilak Bah e o Quarteto de Enxadas apresentam nesta sexta-feira, 20, na Casa do Baile; sábado, no Centro Cultural de Venda Nova; e domingo, no Centro Cultural Pampulha. Estão no repertório do show outras composições do performer. A mais antiga delas é Berinbacia, de 1989; a mais recente, Urucumnacara, de 2010. Produção nova, Jesus é brother de Xangô traz a parceria com Wir Caetano. O espetáculo faz um apanhado da produção de Babilak Bah, que se autodefine como “artista do ruído” e vale-se de articulação de música, poesia, performance e artes visuais.


O artista conta que o ponto de partida de sua pesquisa artística foi a performance poético-musical feita em 1986, em festa do movimento negro, na Paraíba, sua terra natal. Momento em que conjugou numa mesma ação não só a palavra, a música e a performance, mas uma ação artística e política. “Todo trabalho de arte é transversal e cruza várias dimensões, inclusive a social e a política”, defende. Seguiram-se viagens pelo Brasil, sendo que ele morou em Ouro Preto, onde começou a pesquisa do uso da enxada como instrumento musical. O primeiro show, já tocando enxada, foi em 1992, que deu origem a interesse por novos instrumentos.

Afroprogressivo Agora, Babilak Bah diz viver momento de retomada do trabalho com enxadas. Mas somado à eletrônica, tocando vários instrumentos, cantando e acompanhado por quarteto formado por Marcos Cupertino (bateria), Johnny Hermo (percussão), Leonardo Brasilino (trombone) e Tiago de Melo (baixo acústico e elétrico). Conta ainda com participação especial do filho, Almim Oliveira. O resultado é o que artista chama de afroprogressivo. Isto é: “Uma experimentação livre, trabalhando com novos timbres, improviso e herança ancestral afro, nordestina, em diálogo com a música concreta”, acrescenta, lembrando-se de movimento que é patriarca de todos os ruidosos.

“Qualquer objeto na mão de uma pessoa sensível e de bom senso pode se tornar um instrumento”, afirma Babilak Bah, falando da enxada. Mais: para o artista, é característica da música do Brasil o uso de objetos do cotidiano para fazer som. Caso por exemplo dos sambistas, que se valeram da caixinha de fósforos; do percussionista Aírton Moreira, que tocou com faca e em pratos; do Uakti que explora tubos de PVC; de Rogério Duprat, com as descargas de automóvel; de Tom Zé, que incluiu o som de enceradeiras em sua obra; e de Hermeto Pascoal, que já levou até uma galinha para a música. “São pesquisas que ampliam a percepção sonora”, observa. “O Brasil é o país da polifonia”, afirma.

Babilak Bah valoriza todas essas experimentações, até porque, como explica, a “música evolui mais por meio da transgressão do que pela progressão”, garante. O artista está em fase de pré-produção do disco que vai se chamar Musica para ouvido quebrado.

O instrumentista, cantor, compositor e performer nasceu na Paraíba e está radicado há mais de 20 anos em Belo Horizonte. Babilak Bah já participou nos mais importantes eventos da música brasileira como o Projeto Pixinguinha e o Rumos Itaú, além de já ter se apresentado na França, Espanha e Inglaterra.

Babilak Bah e Quarteto de Enxadas
. Sexta-feira hoje, às 16h. Casa do Baile, Avenida Otacílio Negrão de Lima, 751, Pampulha.
. Sábado, às 16h. Centro Cultural Venda Nova, Rua José Ferreira dos Santos, 184, Bairro Letícia.
. Domingo, às 10h. Centro Cultural Pampulha, Rua Expedicionário Paulo de Souza, 185, Bairro Urca.
Classificação livre. Entrada franca.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA