Obra autoral do compositor argentino Rufo Herrera está no programa do concerto com o Quinteto Tempos

Neste domingo, Músico vai mostrar ao público pelo menos duas peças inéditas

por Estado de Minas 08/06/2014 07:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Nathalia Torres/Divulgação
Apresentação acontece a partir das 11h, na Fundação de Educação Artística (foto: Nathalia Torres/Divulgação)

Argentino radicado no Brasil desde 1963, Rufo Herrera toca bandoneón desde os 10 anos. A história musical do intérprete, compositor e arranjador, com mais de 100 obras no currículo, trafega por universos variados, da orquestra sinfônica a grupos de câmara, passando por óperas e teatro. E, o que é melhor, incorpora influências da música popular e erudita. Não por acaso, Rufo recebeu o título de Doutor Honoris Causa da Universidade Federal de Ouro Preto em reconhecimento ao conjunto de sua obra e relevância de sua trajetória artística.

Com mais de 50 anos de carreira e intensa dedicação à música em território brasileiro, ele apresenta hoje, com o Quinteto Tempos, a partir das 11h, no projeto Manhãs musicais da Fundação de Educação Artística, concerto composto por obras autorais, com direito a duas estreias: Suíte austral (para bandoneón solo) e Mantras (para duo de bandoneons). Também no programa, duas composições para quinteto que revelam a sensibilidade e maestria do compositor em obras transcendentais como Kósmitos – gravada no segundo disco do quinteto, Toda música, e, ainda Vagalume, praticamente inédita para o público.

O Quinteto Tempos, formado por Rufo Herrera (bandoneón), Gleidson Araújo (violão), Fernando Santos (contrabaixo), Antonio Viola (violoncelo) e Eduardo Campos (percussão), foi idealizado pelo compositor argentino em 1992. Fazendo a ponte entre a música erudita e a música popular instrumental, o grupo tem por objetivo ampliar o espaço da música contemporânea e popularizar a música instrumental de qualidade, apresentando-se para diversos públicos em diferentes localidades. Juntos eles já gravaram três discos.

Rufo Herrera também foi o idealizador da companhia de artes-cênicas Grupo Oficcina Multimédia. Foi co-fundador e atualmente atua como compositor residente e coordenador artístico da Orquestra Preto, com a qual gravou dois discos.

Grupo


Antônio Viola é formado em violoncelo pela UFMG e membro da Orquestra de Câmara da Cooperativa dos músicos profissionais de Minas Gerais, Musicoop, desde sua fundação. Eduardo Campos é percussionista da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e iniciou, recentemente, em Taiwan projeto de percussão brasileira com a comunidade aborígine. Como compositor, trabalha com o grupo de música eletrônica DudasBeat. Fernando Santos é mestre em contrabaixo acústico pela UFMG, integra a Orquestra Sinfônica de Minas Gerais e o grupo Lyrical Jazz. Gleidson Araújo iniciou a vida musical aos 11 anos. É bacharel em violão pela UEMG e se dedica à produção de arranjos da MPB para violão e ensino do instrumento.

Programa

Suíte Austral I-IV (estreia)
Rufo Herrera, bandoneón solo

Mantras I e II (estreia)
Rufo Herrera e Francisco Cesar, duo de bandoneón

Vagalume


Kósmitos
I. Oferenda
II. Prelúdio
III. Coral
IV. Fuga

Manhãs Musicais
Concerto com Rufo Herrera e o Quintetos Tempos, às 11h. Fundação de Educação Artística, Rua Gonçalves Dias, 320, Funcionários. Entrada: Contribuição voluntária. Informações: (31) 3226-6866 ou contato@feabh.org.br.

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA