Festival de Harpa do Rio de Janeiro passa BH e segue para Tiradentes

Apresentação na capital será nesta sexta-feira, no Auditório do Memorial Minas Gerais Vale

por Ailton Magioli 06/06/2014 08:00

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

CORREÇÃO:

Preencha todos os campos.
Gus Luz/Divulgação
O Trio Amadeus se apresenta no Festival Internacional de Harpa do Rio de Janeiro desde a primeira edição (foto: Gus Luz/Divulgação )
Tradição do calendário cultural carioca que ganhou edições na capital e interior mineiros, o Festival Internacional de Harpa do Rio de Janeiro chega à nona edição com apresentações do Trio Amadeus nesta sexta-feira em Belo Horizonte, e domingo, em Tiradentes, depois do concerto do grupo na Cidade Maravilhosa.


 “A esta altura atingimos o nosso grande objetivo, que foi trazer a harpa para a frente das orquestras”, comemora o diretor Sérgio da Costa e Silva, que resolveu criar o festival dedicado ao instrumento mais antigo do mundo, com história de 5 mil anos, depois de emplacar nacionalmente o projeto Música no museu. A versão brasileira da harpa é o famoso berimbau (o arco com uma corda), que acompanha a capoeira.

Com repertório que mescla peças autorais com clássico, contemporâneo e medieval, o Trio Amadeus é a única atração mineira do festival, que vai reunir no Rio 45 músicos de 25 países, em 150 concertos.

 “A linha do repertório é sempre esta. Começa com clássicos, que ganham arranjos contemporâneos, passa por árias de óperas e peças de musicais da Broadway, até chegar a Heitor Villa-Lobos, entre outros brasileiros”, anuncia a cantora e harpista Marcelle Chagas, que forma o Amadeus ao lado de Fábio Amadeus (violão, arranjos e canto) e Rafael Marcines (violino).

Nos concertos do evento, os integrantes do trio vão aproveitar a oportunidade para mostrar números inéditos, com versões inusitadas para sucessos da música pop, como 'Smooth criminal', de Michael Jackson; 'Without you', de David Guetta, e 'A thousand years', de Christina Perri.

Estudante de piano aos 4 anos, desde então Marcelle Chagas passou a sonhar com a harpa que ela foi estudar apenas aos 17, com a mudança da família de Conselheiro Lafaiete para Belo Horizonte. Além de aulas particulares, a jovem cursou canto lírico na Escola de Música da UFMG, onde aproveitou para se aprofundar na harpa como instrumento complementar. Segundo revela, a aceitação do instrumento é muito boa.

“Por incrível que pareça, até diante do público não preparado para o erudito a harpa se sai bem. Inclusive diante dos que têm baixa escolaridade. Todos sempre adoram e pedem mais”, diz Marcelle. Ela conta que o Trio Amadeus marca presença no festival desde a edição inaugural carioca. O gripo tem uma década de carreira, três discos gravados e um DVD.

TRIO AMADEUS – 9º FESTIVAL INTERNACIONAL DE HARPA DO RIO DE JANEIRO
Sexta, às 19h30, em Belo Horizonte. Auditório do Memorial Minas Gerais Vale, da Praça da Liberdade, s/nº, esquina de Rua Gonçalves Dias, Funcionários. Informações: (31) 3309-1117.

Domingo, às 15h, em Tiradentes. Sesi Tiradentes – Centro Cultural Yves Alves, Rua Direita, 168, Centro. Inforamções: (32) 3355-1503. Nos dois dias a entrada é franca (sujeita à lotação dos espaços).

VÍDEOS RECOMENDADOS

MAIS SOBRE MÚSICA